Gerson Oliveira e a árida luta para superar o Agronegócio

Um dirigente do MST-SP expõe a desigualdade de distribuição de terras e a batalha dos camponeses para produzir alimento de verdade nas franjas das monoculturas. Uma transição à Agroecologia poderia transformar trabalho, vida e natureza

https://youtu.be/nxhD94xDgPk

O debate Agroecologia x Agronegócio, que aconteceu durante o ciclo de debates O Futuro do Trabalho no Brasil, em outubro de 2020, terminou com a fala de Gerson Oliveira, coordenador do acampamento Marielle Vive, do MST, em São Paulo. Gerson iniciou sua fala expondo o papel do agronegócio na crise do capitalismo e na crise climática global. Enquanto especulam com dinheiro, concentram terras, superexploram trabalhadores e envenenam a comida, há milhões de pessoas vivendo em cidades, sem vida digna e sem emprego. É preciso, diz ele, que se volte ao debate da Reforma Agrária, para mudar esse cenário.

Gerson também aponta para como camponeses em assentamentos do MST, muitas vezes nas bordas dos territórios do agronegócio, são importantíssimos para produzir alimento para a população. Segundo ele, a Agroecologia pode ser o caminho para a teia de problemas que enfrentamos: “a gente acredita que a Agroecologia pode revolucionar esse mundo, revolucionar o padrão alimentar, revolucionar a relação estabelecida do metabolismo humano com a natureza nesse processo de produção da nossa existência, e ela pode revolucionar a forma como a gente concebe a nossa vida”.

Assista, no vídeo acima, a importante fala de Gerson Oliveira. Na terça-feira que vem, próxima quinta-feira, 30/3, seguiremos para o terceiro e último grande tema do ciclo de debates: Os novos regimes de produção e redistribuição de riquezas. Ladislau Dowbor, economista, inicia falando sobre a Renda Básica e os Comuns.

Veja outros vídeos da série O Futuro do Trabalho no Brasil:

Marilane Teixeira e o mapa da regressão produtiva

Pochmann vê esquerda atônita e voltada para trás

Danilo Pássaro: resistência à precarização vem das ruas

Belluzzo: saídas para reverter a desindustrialização

Sebastião Neto e as lembranças do Brasil operário

Clemente Ganz vê o futuro do movimento sindical

Dari Krein e as consequências da “Reforma” Trabalhista

Esther Dweck vê uma saída para reindustrializar o país

Gadelha e a Saúde como motor da reindustrialização

Pedro Rossi: A crise da indústria e o papel do Estado

Célio Turino propõe ir muito além da Lei Aldir Blanc

Tatiana Roque sugere inverter a lógica da Economia

Leonardo Foletto e a perspectiva inovadora da Cultura Livre

Paulo Petersen: a necessária transição à Agroecologia

Marenise Oliveira e a potência do feminismo camponês

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: