O marketing do agronegócio tenta capturar a Saúde

Em curiosa estratégia, ruralistas e corporações criam Frente Parlamentar pela Alimentação. “Vai levar agro à cidade”, dizem. Leia também: primeira morte no Brasil por febre do Nilo Ocidental; mesmo proibido, BNDES financiou a Taurus

Parlamentares e executivos da indústria do açúcar no lançamento da Frente. Foto: Twitter Unica

Por Maíra Mathias e Raquel Torres

MAIS:
Esta é a edição de 25 de julho da nossa newsletter diária: um resumo interpretado das principais notícias sobre saúde do dia. Para recebê-la toda manhã em seu e-mail, é só clicar aqui.

DESSERVIÇO NO CONGRESSO

Este ano foi lançada uma Frente Parlamentar de Alimentação e Saúde. Soa bem, não é? Mas é um baita desserviço à saúde pública, como conta João Peres, n’O Joio e o Trigo.

Já no lançamento, estavam presentes representantes das indústrias de comidas e refrigerantes. A Frente tem uma página na internet visualmente bonita, com vídeos e notícias. Dos três artigos publicados, dois são em defesa do açúcar. Entre os entrevistados estão especialistas que têm laços com a indústria. E a cereja do bolo: o site está registrado em nome de Gustavo de Assis Carneiro, lobista do agronegócio. Veio bem a calhar a sincera comparação do deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), atual presidente da bancada ruralista: “É um novo braço da Frente Parlamentar da Agropecuária e trabalha com outro vértice, que é a alimentação, a saúde. Esse conceito vai levar o agro para o consumo, para o centro urbano”, 

Quem propôs a criação da Frente foi o deputado Evandro Roman (PSD-PR), depois de acompanhar o Congresso Europeu de Obesidade. Lá, ele participou de um encontro da Obesity Policy Engagement Network (OPEN), cujo foco é a ideia de que a obesidade deve ser reconhecida como uma doença e tratada como tal. A iniciativa foi criada pelo laboratório farmacêutico Novo Nordisk, fabricante de um caro remédio contra a obesidade… E Roman voltou ao Brasil argumentando que era preciso expandir o grupo OPEN no Brasil. 

MAIS UMA

O país registrou ontem o primeiro óbito causado por uma doença emergente: a febre do Nilo Ocidental. A morte de uma mulher idosa aconteceu lá atrás, em 2017, no município de Piriri, no Piauí, e foi confirmada só agora pela secretaria estadual de saúde. Segundo especialistas que conversaram com nossa editora Maíra Mathias para uma reportagem publicada na revista Poli, da Fiocruz, a doença transmitida principalmente pelo mosquito Culex – o famoso pernilongo – é uma forte candidata a se tornar um problema no Brasil. O vírus foi descoberto em 1937 e pode causar encefalite (inflamação no cérebro) e meningite (inflamação das membranas do sistema nervoso) nos casos mais graves. Apareceu nas Américas no final da década de 1990. E, no Brasil, em 2014 – também no Piauí. A vítima foi um vaqueiro de Aroeiras do Itaim, cidade que fica a 350 km da capital, Teresina. Ele sobreviveu à doença, mas ficou com sequelas neurológicas. Ao todo, o Piauí registrou três casos – incluindo o que levou ao óbito. 

O país começou a monitorar a doença em 2003, por recomendação da Opas. Desde 2016, a febre do Nilo Ocidental tem notificação compulsória. Um informe epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde em agosto do ano passado afirma que a pasta trabalha com a hipótese de que o vírus circula em todo o país, embora não tenha gerado nenhum “evento de maior magnitude”.

Reportagem doEstadão informa que a maior parte dos infectados não apresenta sintomas. Apenas 20% dos casos da doença têm sinais semelhantes aos da gripe, como febre, fadiga, dores de cabeça e dores musculares, e menos de 1% dos humanos infectados fica gravemente doente. A maioria do registros graves acomete idosos. Os sintomas graves incluem febre alta, rigidez na nuca, desorientação, tremores, fraqueza muscular e paralisia. 

DINHEIRO PÚBLICO NA TAURUS

Empresas do setor de comércio de armas não podem ser financiadas com dinheiro público, segundo as regras do BNDES e seus relatórios anuais. Porém… O Banco emprestou mais de R$ 60 milhões à Taurus, em 76 contratos entre 2002 e 2017. A descoberta foi do repórter Bruno Fonseca, na Agência Pública, com base em uma série de documentos. Foram R$ 9,9 milhões em um empréstimo direto, num contrato fechado em 2013. O resto do dinheiro foi para a Taurus indiretamente, ou seja, com o BNDES emprestando dinheiro em parceria com outras instituições, como o Banco do Brasil e o Banco do Estado do Rio Grande do Sul. Havia ainda outros dois contratos de 2002, de quase R$ 10 milhões, para apoiar a produção voltada à exportação. E tem também R$ 13 milhões em financiamentos indiretos do BNDES com a Companhia Brasileira de Cartuchos, que comprou a Taurus em 2015. 

O argumento do banco: “Não há violação da política já que a atividade econômica da Taurus é classificada, segundo o cadastro nacional de atividades econômicas (CNAE) do IBGE, como ‘fabricação de armas de fogo, outras armas e munições’, categoria pertencente à indústria de transformação”. A restrição ao financiamento seria só ao comércio de armas, e, mesmo que a Taurus seja uma das maiores vendedoras de armamento do país, estaria legalmente fora da categoria.

MILAGRE DA DESREGULAÇÃO

O triplo de aumento. Esse é o ‘milagre’ da multiplicação criado pela falta de regulação dos planos de saúde coletivos empresariais e por adesão, que tiveram um reajuste de quase 20% frente aos 7,35% fixados ontem pela ANS para os planos individuais. O problema, como já falamos algumas vezes por aqui, é que a terra sem lei dos planos coletivos é habitada pela maior parte dos consumidores. O produto representa nada menos do que 80% do mercado de saúde suplementar brasileiro, de 47,18 milhões de beneficiários. E o aumento anual não segue um teto, mas depende da “livre negociação” entre quem vende o produto e quem compra. “Os usuários de planos coletivos representam a maioria do mercado e estão desprotegidas. A Justiça vai resolver individualmente o problema de quem a procura. Quem precisa regular é a ANS”, argumenta o advogado Rafael Robba, em entrevista à Folha, que mostra o caso de Joaquim Gama, que após receber um boleto com mensalidade de R$ 9,3 mil ingressou com ação judicial e conseguiu, por decisão liminar, uma redução de R$ 2,6 mil. 

ALERTA

A FDA, agência que regula alimentos e medicamentos nos EUA, recomendou ontem a interrupção do uso de três próteses de silicone da marca Natrelle, vendida pela empresa Allergan. Na sequência, a companhia decidiu retirar os produtos de todos os mercados onde atua – incluindo o Brasil.  De acordo com a FDA, 481 dos 573 casos de um câncer – o linfoma anaplásico de grandes células (BIA-ALCL, na sigla em inglês) – registrados em todo o mundo podem ser diretamente atribuídos aos implantes Natrelle. 

O Globo informa que esses implantes já haviam sido banidos na Europa em dezembro passado. E que, na mesma época, a Anvisa suspendeu a comercialização dos produtos por aqui. Mas a agência brasileira voltou a liberar a venda dos implantes em março deste ano. Segundo a Anvisa, a decisão visou “garantir a segurança jurídica do processo administrativo-sanitário”.

O BIA-ALCL é um câncer raro do sistema imunológico, que se desenvolve em tecidos ao redor do implante. Na maioria dos casos, a remoção da prótese e do tecido cicatricial ao redor cura o câncer. Mas se a doença não for detectada precocemente, pode ser letal. Nem a empresa, nem a FDA recomendaram a remoção imediata dos implantes em mulheres que não tenham sintomas da doença, sendo o principal sinal inchaço e acúmulo de líquido ao redor do implante. 

PERNA CURTA

Falamos ontem do novo marco regulatório para agrotóxicos aprovado pela Anvisa. A agência divulgou em seu site que as regras atendem ao padrão internacional GHS (sigla para Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos), desenvolvido pela ONU. Mas segundo a Folha, isso não é verdade. Os critérios para classificação toxicológica estão divergindo, já que o GHS considera que produtos que causam sérios danos oculares, irritações na pele, alergias, asmas e dificuldades de respiração devem ser incluídos na categoria mais alta de perigo. Mas a Anvisa resolveu que nessa categoria só entram produtos que causem morte quando ingeridos, inalados ou em contato com a pele. 

UMA RESPOSTA

O ataque de Osmar Terra à Anvisa (aqui) não foi isolado: capitaneados pelo deputado General Peterneli (PSL-SP), um grupo de parlamentares protocolou o PL 3.847/19, que propõe a concessão automática de registro aos medicamentos que já tenham sido liberados pelas autoridades sanitárias dos Estados Unidos, da Europa, do Japão e do Canadá. Em artigo publicado no blog da CEE, da Fiocruz, o pesquisador Jorge Bermudez defende a agência regulatória: “Testes de estabilidade, em especial, em condições severas de umidade, especificidades das nossas populações e, sobretudo, a falta de isonomia entre nosso setor produtivo de capital nacional e empresas de capital transnacional, nada disso parece importar aos formuladores desse PL. Acirra-se a lei das selvas, o predomínio predatório do capital e do mercado sobre os interesses sociais e as condições de vida de nossas populações”. O autor lembra ainda que nos anos 1990, quando a regulação era feita pela então Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária, Collor gestou o Projeto Inovar, para reduzir a interferência do governo: “Sua vigência levou ao registro irregular de enorme quantidade de medicamentos, acirrando a disputa entre interesses sociais e econômicos, ou saúde x comércio”.

ELOGIO

Editorial da Folha hoje elogia a proposta do Ministério da Saúde de mudar o financiamento da atenção básica, repassando recursos não com base na população de um município, mas na quantidade de usuários cadastrados pelas equipes. Para o jornal, “uma gestão eficiente não pode pautar-se somente por critérios demográficos” e precisa olhar a “produtividade” – e a proposta introduz critérios de desempenho para os repasses, como qualidade do pré-natal. O texto lembra que existem especialistas contrários, que veem o princípio da universalidade ferido pela proposta. “A controvérsia tem razão de ser, quando se considera que o Sistema Único de Saúde é uma estrutura gigantesca e profundamente heterogênea. Não raro observa-se um fosso entre o efeito esperado de uma medida e aquilo que de fato ocorre no mundo real”, diz o jornal, que recomenda que o Ministério teste o modelo em alguns locais antes de implantá-lo no país todo.

CONTRA O HIV

O Brasil fará parte da última fase de testes de uma vacina contra o vírus HIV. O imunizante é resultado de uma parceria entre o Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos e a empresa Janssen em um projeto chamado Mosaico. A vacina contém diferentes subtipos do HIV (daí o nome “mosaico”) que não são capazes de infectar. O estudo vai verificar se elas são capazes de estimular as células de defesa a criar uma barreira contra a infecção no caso de um real contato com o vírus. Além dos EUA e do Brasil, os testes vão acontecer na Argentina, Itália, México, Polônia, Espanha e Peru, e envolver 3,8 mil homens e pessoas transexuais que mantêm relações com homens e transexuais. Por aqui, a Faculdade de Medicina da USP é quem vai tocar o projeto.

E outro estudo, ainda bem incipiente, está sendo desenvolvido pela farmacêutica Merck. A empresa testou em 12 pacientes, por 12 semanas, um implante que contém um novo medicamento que, em tese, pode prevenir infecção por HIV durante um ano. Tanto os testes para a vacina, quanto a notícia deste implante foram dados durante a 10ª Conferência da International AIDS Society sobre a Ciência do HIV, que terminou ontem na Cidade do México.

DISFARCE VIOLENTO

Comentamos aqui há alguns meses quando o jornal The Guardian publicou uma matéria sobre o “breast ironing” (passar o seio a ferro) no Reino Unido. Havia cerca de mil meninas imigrantes em risco. Ontem, no El País, outra reportagem fala de como essa prática tradicional na África Ocidental ainda é pouco investigada. A “prática dolorosa de massagear ou golpear o peito das meninas com objetos quentes para suprimir ou reverter o crescimento destes”, na definição da ONU, é uma das cinco violências contra a mulher menos documentadas do mundo. É possível que mais de quatro milhões de meninas já tenham sido submetidas a isso, e o ‘objetivo’ é que seus seios não despertem a atenção dos homens, adiando o início da vida sexual das garotas, os casos de assédio e as gestações indesejadas. “Minha mãe foi procurar um bastão e me explicou que tinha que me bater com ele todas as manhãs, ao amanhecer. Achei um pouco estranho, não entendia. Quando os peitos começam a crescer, dói. Então quando batem é pior…”, relata uma mulher.

SUSCETÍVEIS

A Coordenadoria de Vigilância em Saúde da cidade de São Paulo estima que 75% dos jovens residentes na capital que nasceram entre os anos 1990 e 2004 não receberam a segunda dose da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. O número de suscetíveis chegaria a 2,1 milhões.  

RESISTENTES

Espalham-se pela Ásia parasitas da malária resistentes ao tratamento principal. Hoje, metade dos pacientes do Vietnam, Camboja e Tailândia não respondem mais aos medicamentos de primeira linha. O alerta vem de um estudo da Universidade de Oxford publicado esta semana no Lancet Infectious Diseases

CONTRA O VAPING

A partir de hoje, entra em vigor uma nova política para restringir a venda e limitar conteúdos relacionados ao álcool e produtos de tabaco no Facebook e no Instagram. As empresas que postarem conteúdo sobre bebidas alcoólicas ou tabaco precisarão restringi-lo a maiores de 18 anos. Os grupos criados para a venda, troca, transferência ou oferta de presentes com esses produtos também devem se adequar as novas regras, informa a Veja. A decisão é estimulada pelo crescimento do vaping, o consumo do cigarro eletrônico por adolescentes nos Estados Unidos. Mas vale para todos os países. Quem desrespeitar as regras poderá ser removido das redes sociais.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: