Uma boa notícia sobre a vacina de Oxford

Estudo feito nos EUA, França, Chile e Peru com 32 mil voluntários demonstrou 79% de eficácia na prevenção da covid sintomática — inclusive entre idosos

Essa nota faz parte da nossa newsletter do dia 23 de março. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Após uma série de notícias sobre a desconfiança de certas nações em relação à vacina de Oxford/AstraZeneca, uma boa reviravolta: saíram ontem (via comunicado à imprensa) as primeiras informações sobre o maior de seus ensaios de fase 3, com 32 mil voluntários nos Estados Unidos, França, Chile e Peru.

Foi observada uma eficácia de 79% na prevenção de covid-19 sintomática. É um número sensivelmente maior do que a média de 70% relatada para os testes no Brasil, no Reino Unido e na África do Sul.

Outro ponto positivo é que foi observado o mesmo grau de proteção para idosos, que não tinham sido suficientemente representados nos outros testes. 

A confusão feita pela AstraZeneca ao divulgar esse resultado anterior (já falamos bastante disso por aqui) acabou gerando muito burburinho – não sem razão – e a agência reguladora dos Estados Unidos decidiu não aprovar o imunizante até ver os dados de um estudo mais robusto, com protocolos claros. Agora, espera-se que o país finalmente autorize seu uso. 

Só que provavelmente a vacina nem será necessária por lá. A aprovação emergencial não deve chegar muito antes de maio, quando, segundo os planos de Joe Biden, já haverá doses suficientes de outras vacinas para alcançar toda a população adulta. 

Para nós, no Brasil, é uma notícia encorajadora, principalmente pela informação sobre a proteção a maiores de 65 anos. 

Em tempo: a Sinovac disse ontem que, em testes preliminares com 500 crianças e adolescentes entre três e 17 anos, a CoronaVac se mostrou segura e provocou bons níveis de anticorpos – o que não basta para garantir a eficácia, mas é um bom indicativo. Não houve muitos detalhas sobre as reações adversas. Segundo Zeng Gang, pesquisador da farmacêutica, elas foram em sua maioria brandas, mas duas crianças tiveram eventos de grau 3 (algo considerado grave, mas que não representa risco imediato à vida). 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: