Produzir não é distribuir

Índia é maior fabricante e fornecedor de vacinas do mundo, mas talvez não consiga garantir acesso de imunizante contra covid-19 à própria população

Foto: Serum Institute of India

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 3 de setembro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

A Índia é o maior fabricante e fornecedor de vacinas do mundo. Suas empresas farmacêuticas devem ter acesso antecipado aos imunizantes eficazes contra a covid-19, quaisquer que sejam eles. Vários acordos para a produção já estão em curso (com a AstraZeneca, por exemplo, o Serum Institute of India negociou a fabricação de um bilhão de doses, metade para distribução interna e metade para nações de baixa renda). Mas, como escreve na Nature a jornalista Gayathri Vaidyanathan, mesmo assim o país pode não conseguir produzir e distribuir doses suficientes para sua própria população.

Idosos e pessoas com doenças prévias são 30% dos habitantes do país, o que dá 400 milhões de pessoas. O coronavírus já começou a se deslocar para o interior, e provavelmente estará espalhado nas áreas rurais quando a vacina se tornar realidade. Levá-la para todos os cantos pode se tornar o maior desafio. E há o dinheiro: o preço negociado com a AstraZeneca é de US$ 3 por dose (no Brasil, é US$ 2,3), o que dá quase quatro vezes o valor pelo qual o governo costuma comprar outras vacinas. Provavelmente, só os mais pobres vão ter acesso grátis. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos