Sem sintomas, mulher transmitiu coronavírus por cinco meses

Cientistas do Rio descobriram centenas de casos em que transmissão durou mais de duas semanas

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 2 de setembro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Cientistas do Instituto de Microbiologia da UFRJ documentaram o caso de uma mulher que ficou 152 dias – cinco meses – infectada com o SARS-CoV-2 e transmitindo o vírus. Ela nunca foi uma paciente grave: em março, teve três semanas de sintomas leves, depois mais nada. Mas o coronavírus continuava em seu corpo. E, embora extremo, esse não é um caso único de infecção e potencial de transmissão prolongados.

Os pesquisadores acompanharam mais de três mil pessoas, em sua maioria profissionais de saúde, com testes RT-PCR (que identificam o vírus no momento da infecção). Uma das autoras, Luciana Costa, diz n’O Globo que 40% dos participantes continuaram a testar positivo 14 dias depois do início dos sintomas, o prazo que o Ministério da Saúde estabelece como seguro para alguém sair do isolamento e voltar à normalidade. São, portanto, pessoas que voltaram a trabalhar em serviços de saúde mas ainda estavam transmitindo o vírus. Em um subgrupo de 50 pacientes, alguns continuaram infectados e transmitindo por mais de 40 dias. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos