No novo lockdown europeu, as escolas ficam

Em sua maioria, novos bloqueios poupam ensino de crianças. Escolas serão fechadas apenas em último caso

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 30 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Depois de novos picos de casos e mortes por covid-19 na Europa, hospitais em várias grandes cidades  voltaram a passar por situações críticas e novos ‘lockdowns’ foram decretados. Só que, dessa vez, as prioridades mudaram: no geral, bares, restaurantes e comércio não-essencial vão fechar, mas as escolas permanecem abertas até que todas as outras opções sejam esgotadas. 

A decisão (que não inclui as universidades) se baseia nos inúmeros estudos apontando que, embora a contaminação entre crianças seja possível, as escolas não se mostraram locais de grande disseminação (aqui, uma matéria na Nature  publicada ontem resume o que se sabe sobre isso). No UOL, o colunista Jamil Chade escreve que, na avaliação das autoridades europeias, o impacto negativo do fechamento das escolas foi desproporcional. “Mesmo nos países ricos, foi evidenciado que nem todas as famílias tiveram como garantir o ensino virtual aos filhos, diante de uma conexão de internet abaixo do esperado ou simplesmente da falta de computadores suficientes em casa”, escreve ele. O efeito nem países de baixa e média renda, claro, é infinitamente pior. 

Ontem a ONU e o Banco Mundial publicaram um informe defendendo que esses estabelecimentos permaneçam abertos; para a OMS, fechá-los deve ser uma medida de “última instância”:  “Sociedades precisam decidir se querem bares abertos ou escolas abertas”, disse Mike Ryan, diretor de operações da OMS – e essa é uma reflexão que temos apontado por aqui há meses

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos