Ministério da Saúde sabia de riscos de incêndio em hospital do Rio

Relatório de abril de 2019 constatou problemas de estrutura; ofício de agosto pediu providências urgentes – mas nada foi feito. Pelo menos três pessoas morreram

Foto: Tânia Rego / Agência Brasil

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 28 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Ontem pela manhã um incêndio atingiu o Hospital Federal de Bonsucesso (HFB) no Rio de Janeiro. Em meio à fumaça, quase 200 pacientes foram removidos; uma parte foi transferida para outras unidades de saúde, e alguns foram levados em macas ou colchões para um depósito de pneus. Até o envio desta edição da newsletter, haviam sido confirmadas as mortes de três pessoas – duas delas estavam internadas com covid-19.

Só que a tragédia foi mais do que anunciadao Ministério da Saúde tinha conhecimento dela. Em abril do ano passado, um relatório produzido por uma equipe de engenheiros, a pedido da pasta, constatou problemas na estrutura de combate a incêndios no hospital. O incêndio mostra que nenhuma providência foi tomada desde então. Ontem, em nota, a pasta disse que havia “vários projetos aprovados” e “em andamento” para “realizar uma série de reformas de urgência”…

Esse não foi o único documento sobre os problemas do HFB que chegou às mãos do Ministério. O jornalista Tales Faria, do UOL, revelou um ofício enviado à pasta em agosto pela então diretora-geral do Hospital, Cristiane Rose Jourdan Gomes. No texto, ela diz ter tomado conhecimento de “problema grave no sistema elétrico” e pede “providências com a maior urgência possível que o caso requer”. Há menções específicas a um risco de explosão. E mais: esse documento ainda diz que dois outros ofícios já haviam sido enviados, tratando do mesmo problema. Em dezembro, a Defensoria Pública da União pediu à direção do HFB que fossem tomadas “ações imediatas”. As primeiras denúncias de risco de incêndio são de 2007, segundo o Sindicato dos Médicos do Rio.

A unidade não tinha certificado de aprovação do Corpo de Bombeiros, havia recebido dois autos de infração e, o pior de tudo, não é o único hospital com irregularidades. “Quando assumi, há 30 dias, pedi uma grande reunião com todos os hospitais. Não é só o HFB que tem problemas. Mas é muito difícil, quase impossível, interditarmos um hospital com 600 leitos. Nosso código de segurança contra incêndio é uma legislação da década de 1970 e é difícil um prédio antigo se adequar”, comentou o Secretário de Defesa Civil, coronel Leandro Sampaio Monteiro.

Há algo muito errado, e não é só no Rio. Este ano houve 45 incêndios em hospitais brasileiros, incluindo públicos e privados –  quase o dobro dos 23 ocorridos em 2019. Não há dados estatísticos oficiais sobre isso, mas a informação é do Instituto Sprinkler Brasil, que monitora incêndios estruturais noticiados pela imprensa. Ou seja, número real pode ser maior, já que os focos rapidamente controlados acabam não sendo noticiados. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos