Intervalo ideal

Estudo de Oxford indica que, com intervalo de 12 semanas entre as duas doses, eficácia da vacina contra covid-19 fica em 82,4%

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 3 de fevereiro. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Também chegaram informações boas sobre a vacina de Oxford/AstraZeneca. Em um artigo (ainda não revisado por pares) publicado ontem, pesquisadores britânicos, brasileiros e sul-africanos indicam que, com 12 semanas de intervalo entre as duas doses, a eficácia dela fica em 82,4% contra infecções sintomáticas. A informação confirma as análises feitas por agências de vários países, inclusive no Brasil, que já recomendavam três meses entre uma dose e outra.  Quando o intervalo é menor que seis semanas, a taxa cai para 54,9%. 

Os percentuais diferem da eficácia geral divulgada antes (62%), porque, como você certamente se lembra, naquela época os dados foram todos muito confusos – havia no mesmo bolo intervalos variados entre as injeções, além de regimes de doses distintos. 

Tem mais: a aplicação de apenas uma dose garante uma eficácia de 76% entre 22 e 90 dias, ou seja, até o momento ideal de receber o reforço. Segundo os cientistas, a dose única nesse período reduz a transmissão do vírus em 67%

O que falta, ainda, são os dados de eficácia desse imunizante para idosos. Além da Alemanha e da Áustria, agora os órgãos reguladores da França, Suécia e Polônia também decidiram não recomendá-lo para essa faixa etária. Na Itália o uso foi autorizado, mas há uma orientação para administrá-lo só para menores de 55 anos. Como já dissemos, em relação à segurança não há problemas, a questão é saber o nível de proteção. 

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 3 de fevereiro. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos