Covid-19: Brasil reduz testagem

Queda em setembro foi de 11,5%. Taxa de positividade é altíssima e sugere necessidade de mais exames, não menos

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 22 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

O Brasil nunca fez exames de covid-19 em número suficiente, mas já começou a reduzir sua testagem. Em setembro, foram 11,5% a menos do que em agosto, considerando os do tipo PCR – que são os que permitem detectar casos ativos. Também diminuiu o número de testes enviados pela União a estados e municípios e, nesse caso, a diferença entre os dois meses é enorme: uma queda de 35%.

A redução faz sentido quando é motivada pela diminuição do número de infectados. Porém, a taxa de positividade (ou seja, a proporção dos testes feitos que dão resultado positivo) ainda é muito alta: na semana de 27 de setembro a 3 de outubro, ficou em 18% e, duas semanas antes, estava em 20%. Marcio Bittencourt, pesquisador da USP, diz que essa taxa indica uma necessidade maior de testagem, e não menor: “Nova Iorque tem 2%, grande parte da Europa tem 1%. Quando está muito ruim, eles têm 10%. Com 20%, isso indica uma quantidade muito grande de casos circulando e não testados“, alerta.

Em tempo: um relatório do TCU divulgado ontem aponta falhas do Ministério da Saúde na pandemia. Foram encontrados problemas na política de testagem, na descentralização dos recursos e nas estruturas de governança criadas para combater a crise. Segundo os auditores, a pasta não elaborou um plano ação respondendo a determinações apontadas pelo próprio tribunal há três meses. “Admite-se que, em um primeiro momento, o cenário era de imprevisibilidade, o que impossibilitava a definição cirúrgica das ações a serem implementadas. No entanto, decorridos mais de oito meses da declaração de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, (…) era de se esperar, a esta altura, uma definição dos objetivos e ações em nível macro correspondentes ao valor alocado e, com uma maior assimilação do cenário, o detalhamento das atividades ou dos projetos a serem desenvolvidos”, diz o documento enviado pelos técnicos da área da saúde do tribunal.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos