Crise da CoronaVac: Pazuello anuncia compra, Bolsonaro cancela

Decisão tomada ontem por Pazuello foi criticada por apoiadores do presidente. “Não compraremos vacina da China”, afirmou Bolsonaro, falando em “traição”

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 21 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Este conteúdo foi alterado às 9:13 para incluir informações sobre o cancelamento da compra anunciada ontem pelo ministro Eduardo Pazuello

O presidente Jair Bolsonaro decidiu cancelar uma decisão anunciada ontem pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Mesmo com toda a campanha do presidente contra a CoronaVac – e apenas um dia depois de ele reclamar do preço dessa vacina –, Pazuello anunciou ontem um acordo de R$ 1,9 bilhão com o estado de São Paulo para a compra das 46 milhões de doses do imunizante. Com isso, a CoronaVac ficaria incorporada ao Programa Nacional de Imunizações, em vez de tornar-se um negócio exclusivo de São Paulo. “A vacina do Butantan será vacina do Brasil”, disse Pazuello, em reunião com governadores.

Segundo a pasta, foi assinado um protocolo de intenções que depende do registro da Anvisa para que a compra se concretize. A expectativa era que isso acontecesse até o fim do ano; nesse caso, a vacinação começaria em janeiro.

“Nem os auxiliares de Jair Bolsonaro conseguem sustentar por muito tempo o circo político armado diariamente pelo chefe”, escreveu o colunista da Folha Bruno Boghossian sobre a derrota do presidente. No mesmo jornal, Pedro Venceslau apurou que João Doria, viajaria hoje mesmo para Brasília para “capitalizar o que seus aliados consideram uma vitória política do tucano“, de olho nas eleições de 2022.

Mas logo o peso da decisão chegou ao colo do presidente. Respondendo a comentários de apoiadores em suas redes sociais, Bolsonaro escreveu que a compra não seria concretizada, e falou até em “traição”. O site Poder360 apurou que ele enviou uma mensagem aos ministros dizendo: “Alerto que não compraremos vacina da China. Bem como meu governo não mantém diálogo com João Doria sobre covid-19″.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos