O quebra-cabeça para a distribuição de vacinas

Brasil prevê ter doses suficientes para menos de metade da população até julho do ano que vem

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 21 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

O acordo anunciado ontem por Eduardo Pazuello – e cancelado hoje de manhã por Jair Bolsonaro – permitiria que a CoronaVac fosse incluída no programa nacional de vacinação, ficando disponível a outros estados que não São Paulo. Não aumentaria, porém, o número total de doses já garantidas pelo Brasil. Somando as 46 milhões da CoronaVac, as 100 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca e as 40 milhões do consórcio internacional Covax Facility (há nove candidatas em testes e não se sabe quais serão disponibilizadas), a previsão seria ter tenha 186 milhões de doses até o meio do ano que vem. Isso se os testes clínicos de fase 3 mostrarem bons resultados, é claro. Se consideramos uma vacinação em duas doses por pessoas, daria para imunizar pouco menos de metade da população: 93 milhões de brasileiros, no melhor dos cenários.

O planejamento do Ministério da Saúde para definir e atingir grupos prioritários ainda não está pronto, mas o G1 fez um compilado do que se sabe até agora. A pasta já divulgou que profissionais de saúde e integrantes de risco devem ser vacinados primeiro, embora não haja informações detalhadas sobre quais os perfis desses grupos e qual seria o cronograma de vacinação deles ao longo do ano. Em todos os casos, será preciso apresentar o CPF para tomar a vacina, para evitar desperdícios e facilitar o monitoramento dos efeitos adversos. Por aqui, imaginamos que deve ser importante também para garantir que as pessoas tomem as duas doses da mesma vacina, e não de laboratórios distintos. Mas a adoção do CPF não é um ponto defendido unanimemente. “Essa decisão não leva em conta os ‘invisíveis’ da população brasileira, cuja existência e dimensionamento foram tornados muito mais nítidos no curso da pandemia. (…) Os números são imprecisos e há estimativas de milhões de pessoas nessa condição”, nota o posicionamento da Abrasco sobre as vacinas, divulgado ontem.

A discussão sobre a obrigatoriedade continua a toda e pode mesmo se tornar mais um caso levado à Justiça durante a pandemia. Mas o fato é que, ao menos em um futuro próximo, não vai haver vacinas para todos. N’O Globo, o ex-secretário de Vigilância em Saúde Wandreson Oliveira chama a atenção para este detalhe que também temos tentado frisar por aqui: “Quando falo de obrigatoriedade, eu teria que ter a garantia de que todos estariam tendo acesso àquele imunobiológico. Fora disso, me parece prematuro esse debate sem sequer os governos terem apresentado uma estratégia para vacinação e sem definir quais serão os grupos prioritários”. Para ele, o mais importante não é definir obrigações, mas investir em campanhas para conscientizar as pessoas do papel da vacinação individual na proteção coletiva.

Os níveis de aceitação

Nature publicou ontem um estudo sobre a potencial aceitação de vacinas contra covid-19 feito a partir de entrevistas com 13,4 mil pessoas em 19 países. Em média, apenas 71% dos entrevistados tomariam com certeza um imunizante comprovadamente seguro e eficaz – o que está abaixo da cobertura de 95% que normalmente é considerada necessária para controlar outras doenças.

É interessante notar que, em todos os países, as pessoas relataram que teriam menos chances de topar a vacina caso ela fosse exigida em seus ambientes de trabalho; isso era percebido como uma limitação da liberdade de escolha e uma imposição forçada dos interesses dos empregadores.

No Brasil, a aceitação ficou em torno de 85%, um percentual que está entre os mais altos. Outros países com mais de 80% de aceitação estão predominantemente na Ásia. México e Estados Unidos tiveram taxas de cerca de 75%, enquanto Canadá e países europeus tiveram as maiores hesitações: menos de 60% das pessoas nesses países disseram que tomariam uma vacina contra o novo coronavírus.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos