CoronaVac: Pazuello deixa estados na mão

Voos atrasam, comunicação falha e governadores precisam mudar cronogramas

Foto: FAB

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 19 de janeiro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Com o início da vacinação em São Paulo no domingo e a promessa de distribuir as doses de CoronaVac na segunda-feira, ficou difícil para o Ministério da Saúde manter sua ideia original de começar as aplicações em todos os (outros) estados ao mesmo tempo, no dia 20 de janeiro. Os governadores não iam querer ficar de braços cruzados até lá, e não faria sentido ter uma cerimônia celebrando o início da campanha nacional hoje, dois dias depois de a imunização já ter começado de fato em São Paulo. Então, ontem de manhã, no “ato simbólico de recebimento das vacinas” que promoveu com governadores, o ministro Eduardo Pazuello disse que eles estariam liberados para aplicar suas doses à tarde.

Os gestores estaduais ficaram a postos, mas as coisas não correram conforme o combinado. O Ministério não cumpriu sua própria planilha de horários dos voos, que havia sido entregue aos estados no domingo. E, pior que isso, falhou na comunicação. “Todo mundo foi esperar no aeroporto, e nada. A previsão era meio-dia, depois mudou para 16h. Agora já deve ser 18h. Até que descarregue, não tem como iniciar hoje. Impossível. Só devo começar amanhã”, disse ao Painel, da Folha, o governador de Sergipe, Belivaldo Chagas. E completou: “Não explicaram nada. Simplesmente avisaram em cima da hora. Problema de logística. Eu não fui a Guarulhos [para o evento com Pazuello]. Mas se tivesse ido, teria voltado e a vacina ainda não teria chegado”.

Em reportagem do mesmo jornal, o secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, reforça a confusão: “É incompreensível, ninguém tem informação oficial sobre o que aconteceu. Foi dormir no domingo com uma planilha de horários de voos, acordei já era outra e agora à tarde recebi uma terceira”. O estado já tinha aeronaves e veículos terrestres prontos para distribuir o carregamento aos municípios do interior; precisou mudar tudo.

Mais uma trapalhada na conta do nosso ministro “especialista em logística”. O problema, de acordo com Pazuello, foi o pedido dos governadores para antecipar o começo da vacinação. “Você imagina a mudança da logística para 26 estados em um país continental como o Brasil. Então aeronaves, planos de voo, novas aeronaves contratadas. E, em alguns casos, uma aeronave pequena não pode levar numa perna só, tem que que fazer dois voos. A aeronave grande, que faria um voo só, ia chegar de noite”.

Até ontem à noite, 15 estados tinham recebido suas primeiras doses e iniciado a imunização. Os outros esperam começar hoje. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos