Anticorpos contra novo coronavírus duram poucos meses, sugere estudo

Trabalho indica grande redução, principalmente em quem não teve sintomas. Mas algumas dúvidas permanecem

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 19 de junho. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

A ideia de um ‘passaporte da imunidade’, defendida por Paulo Guedes e várias autoridades ao redor do mundo, é muito sedutora: quem se contaminou e tem anticorpos contra o novo coronavírus estaria imune a ele, podendo portanto voltar à vida normal. É também nisso que se fia a ideia de deixar o vírus correr mais ou menos solto, como faz a Suécia. Esse pensamento depende, é claro, de que a imunidade realmente exista e seja duradoura.

Já falamos aqui de pesquisas sugerindo que, sim, contaminados ficam imunes. Além disso, acredita-se que os anticorpos para outros coronavírus, como SARS e MERS, durem cerca de um ano, por isso os cientistas estavam confiantes de que no caso do SARS-CoV-2 a situação seria parecida. Porém, um artigo publicado ontem na Nature Medicine traz uma importante notícia sobre isso. Segundo os autores, os anticorpos podem durar de dois a três meses, especialmente nas pessoas que nunca apresentaram sintomas. Analisando amostras de 74 pessoas pessoas na China (metade sintomáticas e metade assintomáticas), os pesquisadores viram uma redução de 40% nos anticorpos das que não tiveram sintomas, contra 13% no grupo das que tiveram.

A reportagem do New York Times atenta para detalhes que fazem diferença ao interpretar as conclusões: o primeiro, mais óbvio, é que a amostra de pacientes foi muito pequena. O segundo é que não foi levada em consideração a proteção oferecida pelas células imunológicas que podem agir na destruição de células invadidas pelo vírus (as células T) ou produzir novos anticorpos quando o vírus invade (as células B).

Além disso, é preciso ver que tipo de anticorpos sofreram redução. O importante seria ver como se comportam os anticorpos neutralizantes, e outro artigo publicado na Nature sugere que mesmo níveis baixos desse anticorpos podem ser suficientes para impedir o desenvolvimento de novas infecções. Daí que as pesquisas não permitem concluir que infectados vão perder a imunidade – mas, com certeza, indicam ainda é preciso ter cautela ao pisar nesse terreno.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos