Vale fecha siderúrgica, mas problemas de saúde na população permanecem

Problemas respiratórios e neurológicos fazem parte do ‘legado’ em Simões Filho, na Bahia

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 2 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

A Vale anunciou em setembro que sua unidade em Simões Filho (na Bahia) seria fechada até o fim do ano, porque não conseguiu se manter “competitiva no mercado”. A ótima matéria da Repórter Brasil mostra o rastro de contaminação que a mineradora deixou para trás: a siderúrgica ficava a apenas dois quilômetros de casas de moradores, e o processamento de manganês cobria tudo de uma fuligem pegajosa. Falta de ar, náusea, pneumonia e problemas neurológicos são alguns dos problemas de saúde aos quais à população esteve submetida. E alguns deles vão persistir, mesmo com o fechamento da fábrica

Há 30 anos, altos níveis de manganês já haviam sido detectados na população no entorno. Acontece que o manganês se deposita no cérebro e, anos depois, pesquisadores da UFBA começaram a investigar seus efeitos: “Fizemos uma bateria de testes psicológicos nas crianças. E comprovamos que essa exposição elevadíssima do composto prejudica o desempenho intelectual delas, especialmente na escala verbal, mas também na capacidade cognitiva, além de estar relacionada a problemas comportamentais, como aumento de agressividade”. Depois, descobriu-se que as as mães tinham o mesmo tipo de problema. 

Ainda em 1999 a Vale assinou um Termo de Ajustamento de Conduta se comprometendo a destinar verbas para compensar os problemas provocados. Mas a promotora de Justiça Hortênsia Gomes Pinho, responsável pelo acordo, considera que ele nunca foi integralmente cumprido: as compensações à comunidade foram insuficientes, e ainda por cima foram feitas por tempo limitado. Elas já foram liquidadas, enquanto os moradores vão continuar sofrendo.

E por falar em mineração, a ANM (Agência Nacional de Mineração) informou ontem que 45 barragens estão interditadas no Brasil. O país tem ao todo 436 inseridas na Política Nacional de Segurança de Barragens. Ou seja, uma em cada dez não tem sua estabilidade garantida.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: