Vacinas contra covid: a primeira parceria Sul-Sul

Acordo entre Cuba e Vietnã para venda de vacinas garante imunização do país asiático e transferência de tecnologia. Pode estar aberto caminho para superar o imenso abismo sanitário diante da covid

A primeira colaboração Sul-Sul para o fornecimento de vacinas contra a covid e transferência de tecnologia para produzi-las pode estar dando resultado. O acordo aconteceu entre Cuba e Vietnã, em meados de setembro. Previa a entrega de 5 milhões de doses do primeiro imunizante latino-americano – no caso, a vacina Abdala. Mas a parceria foi além da venda: a transferência de tecnologia também foi garantida, e pode permitir mais autonomia ao Vietnã – já reconhecido pela OMS como produtor eficiente de vacinas desde 2015. Para a revista Peoples Dispatch, foi um passo importante na superação da pandemia de forma que se priorize a população, e não os lucros.

Os efeitos começam a ser sentidos. No final de agosto, pouco antes de o acordo ser concretizado, o Vietnã era um dos países do sudeste asiático com menor taxa de vacinação. Em 25 de setembro, quando as primeiras doses da vacina cubana começavam a chegar, apenas 31% da população vietnamita havia tomado alguma dose de vacina. Pouco mais de dois meses depois, a imunização já alcançou 65,5% (dados de 13/11) dos cidadãos – quase o mesmo índice dos EUA, que contam com fartura de opções de vacina.

Se replicada por mais países, relação entre Cuba e Vietnã pode ajudar a resolver o gravíssimo apartheid vacinal, manifestação das desigualdades globais no terreno crítico da luta pela vida. Enquanto países como o Canadá garantiram doses para imunizar cinco vezes sua população, menos de 7% dos africanos estão imunizados; e só cinco países, entre os 34 do continente, contam chegar ao fim do ano com 25% da população protegida contra a pandemia.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: