Tratamento contra covid-19 se mostra eficaz para hospitalizados, mas preço cria barreira

Fabricado pela Regeneron, coquetel de anticorpos é primeira terapia contra vírus a reduzir mortes, mostra Recovery — maior ensaio clínico do mundo — mas custa por volta de R$ 20 mil

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 16 de junho. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Pela primeira vez, o Recovery – maior ensaio clínico do mundo para testar terapias contra a covid-19 – mostrou que um tratamento que combate diretamente o vírus pode evitar a morte de pacientes hospitalizados. Trata-se do coquetel de anticorpos monoclonais da Regeneron, que já mencionamos várias vezes por aqui. O Recovery já havia apontado redução na mortalidade pelo uso de esteroides, mas eles não combatem o SARS-CoV-2, e sim neutralizam a resposta excessiva do sistema imune ao vírus. 

O estudo envolveu mais de nove mil pacientes e a terapia não serviu para todos os casos: apenas para quem ainda não havia produzido seus próprios anticorpos. Nesse caso, as mortes foram reduzidas em um quinto e a duração média da internação caiu de 17 para 13 dias. 

A descoberta deve influenciar a decisão dos médicos sobre quando usar ou não essa terapia. Se, a ser internado, um paciente tiver resultado positivo para teste de anticorpos, não vai se beneficiar; mas, se o resultado for negativo, o tratamento aumenta suas chances de sobreviver.

Até agora, pesquisas haviam mostrado que, quando administrado no início do curso da doença, o coquetel evita a necessidade de hospitalização. No entanto, ainda não haviam evidenciado benefícios para quem já estava internado.

No Brasil, ele foi autorizado pela Anvisa em abril para uso em pacientes ambulatoriais que tivessem risco de progressão para a fase grave da doença.

O maior desafio para seu uso continua sendo o custo. “Estimo que um único tratamento com Regn-CoV2 pode custar algo entre R$ 15 mil e R$ 25 mil. Isso é muito limitante para nossa realidade em relação aos custos e ao enorme número de novos casos”, estimou no Estadão, ainda em abril, o professor da USP Adriano Andricopulo.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: