Sobreviventes da covid-19 podem produzir células que atacam o próprio corpo

Mecanismo lembra o de doenças autoimunes, como lúpus, e poderia ajudar a explicar sintomas persistentes

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 28 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Um novo estudo mostra que alguns sobreviventes de covid-19 produzem moléculas chamadas ‘autoanticorpos’, que atacam as próprias células do corpo, em vez do vírus. É um mecanismo que lembra o de doenças autoimunes, como lúpus. Os pesquisadores analisaram 52 pacientes que tiveram formas graves de covid-19 e não tinham histórico de doença autoimune; encontraram autoanticorpos em quase metade.

O trabalho foi publicado como pré-impressão, ainda não recebeu revisão de pares. Mas especialistas ouvidos pelo New York Times (a matéria foi traduzida pela Folha) dizem que as descobertas não são inesperadas, já que outras doenças virais também desencadeiam o surgimento de autoanticorpos. “É possível que mesmo uma doença moderada a leve possa induzir esse tipo de resposta”, comenta a imunologista Akiko Iwasaki. 

Isso ajudaria a explicar por que alguns pacientes continuam com sintomas durante meses, mesmo depois que não se detecta mais a presença do coronavírus; e alguns dos autoanticorpos identificados estão ligados a problemas de fluxo sanguíneo, de modo que talvez alguns dos problemas de coagulação vistos em pacientes possam ser causados por essa resposta imune. Mas ainda há muita incerteza, e são necessárias mais investigações.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos