Remdesivir será caro e restrito

Trump faz acordo com Gilead e, até setembro, remédio só vai ser vendido para EUA. O preço: no mínimo US$ 2,3 mil por tratamento

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 30 de junho. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Já falamos muito aqui sobre o remdesivir – medicamento que, segundo as pesquisas, é capaz de reduzir o tempo de internação por covid-19 – e sobre as especulações em torno do preço que a fabricante Gilead iria cobrar pelo remédio. Ontem, ela anunciou o valor. Salgado, como esperávamos: nos EUA, vai custar US$ 2.340 por cinco dias de tratamento; as seguradoras privadas, o Medicare e o Medicaid vão pagar 33% a mais, ou US$ 3.120.

“Esse preço está significativamente abaixo do valor que traz para os pacientes e para a sociedade. Não há dúvida disso em minha mente”, disse o CEO da Gilead, Daniel O’Day, ao STATEm carta aberta, ele escreveu que a economia com a alta hospitalar antecipada é de aproximadamente US$ 12 mil por pessoa, e que a empresa havia decidido praticar um preço mais baixo “para garantir acesso amplo e equitativo em um momento de necessidade global urgente”… Analistas de Wall Street também acharam barato. Esperavam que o tratamento custasse US$ 5 mil. Isso porque o remédio não cura a doença…

Por ora, o Brasil nem precisa se preocupar em como pagar pelo remédio, que até setembro só vai ser vendido para os EUA. Isso quer dizer que “os pacientes americanos receberão quase toda a produção da Gilead, mais de 500 mil tratamentos”, diz o New York Times. O presidente Trump fez um acordo incrível para garantir que os americanos tenham acesso à primeira terapêutica autorizada para a covid-19″, disse Alex Azar, secretário de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (e ex-lobista da indústria farmacêutica).

A Gilead já havia liberado que fabricantes de genéricos produzissem o remdesivir em 127 países de renda baixa ou média – lembramos que a empresa não incluiu o Brasil e quase nenhum vizinho da América do Sul nesse grupo. Dois países já começaram a produção e, segundo o UOL, estão vendendo cada tratamento por cerca de US$ 600. O site não especificou quais são.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos