Quando a militarização encontra os dados pessoais

Três dos cinco diretores nomeados para a Autoridade Nacional de Proteção de Dados são militares. Órgãos deveria ser independente para também fiscalizar governo, segundo especialistas

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 16 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Ontem, saíram as nomeações dos diretores da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, criada para fiscalizar o cumprimento da lei que trata do assunto e foi aprovada em 2018. De cinco, três são militares. Waldemar Gonçalves Ortunho Junior, que hoje preside a Telebras, ficará no comando da autoridade. Os outros são Joacil Basilio Rael e Arthur Pereira Sabbat, hoje lotado no Gabinete de Segurança Institucional.

O quinhão que coube aos civis foi ocupado por uma representante do setor privado, a advogada Nairane Farias Rabelo Leitão, e por Miriam Wimmer, atual diretora de Serviços de Telecomunicações no Ministério das Comunicações.

A ANPD é muito importante para fazer valer o que diz a lei, e punir eventuais abusos das empresas… e dos governos. A militarização da autoridade sinaliza na direção de um alinhamento às vontades do presidente, assim como acontece no Ministério da Saúde.

Já fizemos duas reportagens a respeito desse tema, uma quando a lei foi aprovada e outra tratando justamente da criação da autoridade, que havia sido vetada por Michel Temer.

Nessa última, a jornalista Marina Pita, do coletivo Intervozes, explicou porque era importante que a ANPD fosse uma autarquia e tivesse independência: “Os integrantes desse órgão seriam funcionários de carreira que teriam como atribuição enfrentar inclusive ministérios. Se o Ministério da Saúde decide coletar e compartilhar dados e a Autoridade entende que ele está equivocado, como seus integrantes – funcionários públicos – vão se contrapor a um ministro? É preciso que o órgão tenha autonomia, capacidade técnica e dirigentes em categorias mais altas”.

Mas a ANPD foi aprovada como órgão vinculado à Presidência da República. Pode até virar autarquia daqui a dois anos, mas só se o governo quiser.  

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: