Testes com anticorpos da Eli Lilly são interrompidos

Ensaio patrocinado pelo governo dos EUA envolve cerca de 300 pessoas hospitalizadas. Tratamento é semelhante ao administrado a Trump

Imagem: Nanoclustering / Science Photo Library

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 14 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Foi interrompido um ensaio clínico da farmacêutica Eli Lilly que avalia seu tratamento com anticorpos monoclonais contra a covid-19. O estudo, patrocinado pelo governo dos EUA, observa os benefícios da terapia em cerca de 300 pacientes hospitalizados. Em um comunicado, um porta-voz do NIH o (National Institutes of Health , agência americana) informou que a interrupção se deu quando o conselho de segurança  descobriu que, após cinco dias de tratamento, o grupo de pacientes que recebeu os anticorpos apresentou um “estado clínico diferente” do grupo que recebeu placebo; uma diferença que “cruzou um limite predeterminado de segurança“, segundo o New York Times. Não há mais detalhes.

O tratamento da Lilly é semelhante ao da Regeneron, que foi administrado a Donald Trump. Ambas as empresas solicitaram recentemente autorização de uso emergencial para seus produtos, mesmo antes do fim dos testes. Há menos de um mês, a Lilly divulgou um comunicado à imprensa indicando resultados preliminares promissores para pacientes não gravemente doentes. Esses resultados, porém, não foram publicados em nenhuma revista revista científica. E, ao que parece, trata-se de ensaios diferentes – já que os testes agora paralisados envolvem apenas pessoas hospitalizadas.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: