A tentativa de esconder os números da covid

Ministério da Saúde tira do ar plataforma com casos e mortes totais. Bolsonaro confessa: é para a realidade não sair no jornal

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 8 de junho. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Primeiro foram os atrasos: como dissemos na semana passada, a partir da última quarta-feira os números atualizados da covid-19 no Brasil começaram a ser divulgados às 22h, e não mais às 19h como acontecia desde o início de maio. Os balanços feitos em entrevistas coletivas às 17h, que ocorriam quando Luiz Henrique Mandetta comandava o Ministério da Saúde, ficaram para trás há muito tempo.

A pasta argumentou que a divulgação tardia evitaria subnotificação e inconsistências. O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, foi mais explícito: “Acabou matéria no Jornal Nacional“, disse na sexta-feira, referindo-se à impossibilidade de números divulgados tão tarde entrarem no telejornal. A Globo não se fez de rogada. Deve ter provocado algumas quedas do sofá quando interrompeu a novela das nove com a vinheta do plantão de emergência. Então William Bonner entrou ao vivo, informando que os números do dia haviam acabado de sair – eram 1.005 mortes nas 24 horas anteriores, totalizando 35.026.

Naquela mesma noite veio o verdadeiro apagão. O portal do Ministério que traz as informações consolidadas saiu do ar, sem explicações, e só voltou no sábado à tarde. Porém, estava… diferente. Não trazia mais o acumulado de casos e mortes registrados no país, mas apenas o total das últimas 24 horas. O número de óbitos sob investigação (que até quinta-feira era de 4.159) também desapareceu. O Brasil até chegou a sumir do ranking da Universidade Johns Hopkins, que tem sido referência em estatísticas globais na pandemia, porque as informações eram puxadas direto do site do Ministério.

Jair Bolsonaro confirmou que, dali pra frente, seria sempre assim. Justificou, ao publicar no Facebook uma nota do Ministério: é que os dados acumulados não estavam “retratando o momento do país”

Não bastasse a mudança surreal, ontem à noite o governo divulgou dados divergentes em relação à pandemia. Por volta das 20h30, soltou um balanço informando 1.382 mortes nas 24 horas anteriores, o que seria o maior número já registrado em um domingo. Mas às 22 horas, depois que a notícia já tinha circulado, esse número saiu e foi substituído por outro: 525. Uma diferença de nada menos que 857 vítimas. O número de casos, por outro lado, subiu. No primeiro balanço eram 12.581 novos registros e, no segundo, 18.912. 

Com esse inacreditável fim de semana, outro episódio de estatísticas camufladas veio à memória de muitos: entre 1971 e 1974, durante a ditadura civil-militar, uma epidemia de meningite assolou o país, especialmente São Paulo. Mas, para o governo, o melhor remédio era ignorar o problema, evitando que as mortes manchassem o ‘milagre econômico’. As autoridades sanitárias e a imprensa ficaram proibidas de falar a respeito. Mesmo após junho de 1974, quando o acúmulo de doentes tornou impossível escondê-los, a liberdade de informar sobre a epidemia não durou muito: “logo em seguida, julho ou agosto, se proibiu a divulgação de dados estatísticos a respeito da doença para ‘não alarmar a população’. O assunto era considerado de segurança nacional“, lembra, numa antiga entrevista ao Viomundo, o epidemiologista José Cássio de Moraes, um dos especialistas que tentou alertar para o problema na época.

Esforço conjunto

Segundo o vice-presidente Hamilton Mourão, a intenção do governo não é a de esconder os dados, “Basta você somar com o dia anterior“, simplificou ontem, em entrevista.

É óbvio que as somas estão sendo feitas. Com o apagão, iniciativas que já estavam lidando com dados da pandemia no país, como Brasil.io e MonitoraCovid-19, começaram a trabalhar com os dados das secretarias estaduais. Ontem, o Conass lançou um painel próprio. O TCU, em parceria com os tribunais de contas dos estados, também deve fazer e divulgar consolidados.

Aliás… O erro nos primeiros dados divulgados pelo Ministério ontem à noite já havia sido pescado pelo pessoal do Brasil.io. Segundo Álvaro Justen, um dos integrantes da iniciativa, os números de óbitos de Roraima e Bahia divulgados inicialmente pela pasta eram muito maiores do que os registrados pelas secretarias de saúde, possivelmente devido a erros de digitação.

De acordo com o Brasil.io, o Brasil tem hoje 693.041 casos confirmados de covid-19 e 36.498 mortes. Quase 80% dos municípios já registraram infecções.

Só que a responsabilidade por divulgar informações corretas, claras e atualizadas deve ser do governo. Desde a sexta-feira, várias iniciativas no sentido de cobrar isso estão na mesa. Parlamentares da Rede Sustentabilidade, do PCdoB e do PSOL entraram com uma ação no STF pedindo que todos os dias, até as 19h30, sem adivulgados os números de casos, óbitos e pacientes recuperados das últimas 24 horas, além dos dados acumulados. No sábado, a Defensoria Pública da União entrou com um pedido de liminar com a mesma reivindicação.

E um órgão ligado à Procuradoria-Geral da República, a Câmara de Direitos Sociais e Fiscalização de Atos Administrativos em Geral do MPF, abriu um procedimento extrajudicial para investigar os atrasos e omissões. A Câmara quer que o ministro interino, general Eduardo Pazuello, dê em 72 horas detalhes sobre a decisão. Além disso, a imprensa internacional deu destque à notícia absurda.

Pode ser que a pressão tenha funcionado. Ontem à noite, o Ministério da Saúde divulgou uma nota afirmando que está finalizando uma plataforma que vai trazer os números detalhados da pandemia e que “vem aprimorando os meios para a divulgação da situação nacional”… Para quem diz buscar aprimoramento, a ordem dos eventos está um pouco confusa. Se a plataforma anterior não tivesse sumido, talvez desse até para acreditar. 

Recontagem de mortos

Para completar, o apagão pode não ficar ‘apenas’ na omissão dos números acumulados. O futuro (agora ex-futuro, como veremos a seguir) secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério), Carlos Wizard, disse ao Globo que o governo pretende recontar os mortos que já entraram para as estatísticas. De acordo com ele, os números que a pasta divulgava eram “fantasiosos ou manipulados”, e estados e municípios estavam inflacionando casos e mortes para receber mais recursos. “Temos uma equipe de militares trabalhando nisso, sob o comando do general Pazuello. Estamos levantando os dados e fatos. Levaremos à esfera competente”, completou, no dia seguinte, em entrevista ao Estadão.

Como não poderia deixar de ser, a fala foi imediatamente criticada. “Fico me perguntando como vai ser uma contagem retroativa de mortos. Não existe um banco de dados formal no Brasil: fora do DataSus, não há nada. Como o governo vai dizer que na linha A23 da tabela a pessoa não morreu de covid? Quais são as métricas?”, questiona Marcelo Mendes Brandão, pesquisador do Laboratório de Biologia Integrativa e Sistêmica da Unicamp, no Estadão.

Os secretários de saúde, diretamente acusados por Wizard de inflar números, defenderam-se. “Sua declaração grosseira, falaciosa, desprovida de qualquer senso ético, de humanidade e de respeito, merece nosso profundo desprezo, repúdio e asco”, escreveu Alberto Beltrame, presidente do Conass.

No fim das contas, não sabemos se o plano diabólico de Wizard vai seguir adiante, porque ontem à noite ele anunciou seu desligamento total do Ministério. Em nota, afirmou que deixaria o cargo que já ocupava como conselheiro da pasta, e que desistiu também de assumir a Secretaria, da qual tomaria posse hoje. “Peço desculpas por qualquer ato ou declaração de minha autoria que tenha sido interpretada como desrespeito aos familiares das vítimas da Covid-19 ou profissionais de saúde que assumiram a nobre missão de salvar vidas” escreveu.

A verdade é que o bilionário estava prestes a sentir no bolso o resultado de suas trapalhadas, desde a defesa apaixonada da cloroquina até a recontagem de mortos. Os nomes de das empresas de que ele é dono ou acionista, como Mundo Verde, Rainha e Pizza Hut, começaram a circular nas redes, impulsionando um movimento de boicote.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos