Pedido de garimpeiros é ordem

Após protesto, Ministério da Defesa suspende operações de combate à atividade em terra indígena do Pará

Foto: Vinícius Mendonça/Ibama

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 7 de agosto. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Na quarta-feira, um grupo de garimpeiros se encontrou com o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles pedindo a suspensão das operações de combate à atividade ilegal na Terra Indígena Munduruku, no Pará. Elas começaram há algumas semanas – num cenário de intensa pressão do mercado financeiro internacional –, com fiscais do Ibama desturindo equipamentos. Em protesto, garimpeiros chegaram a invadir a pista e impedir  a decolagem de um avião militar que dava suporte às fiscalizações. A resposta do Ministério da Defesa veio bem rápido: ontem, anunciou a suspensão da operação. A pasta disse ao Globo que está trazendo uma “comitiva” de representantes da região para uma reunião em Brasília. 

Já cansamos de dizer por aqui como o garimpo ilegal é, além de tudo, uma potente via para a transmissão da covid-19 em terras indígenas. Ontem mesmo mencionamos a ação da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) que pede a retirada de invasores de sete terras – e  como isso dividiu os ministros do STF na decisão sobre quando e como desilntrusão deve ser feita. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos