Justiça define recusa à vacinação como motivo de demissão por justa causa

Decisão de segunda instância deu ganho de causa para empresa que dispensou auxiliar de limpeza hospitalar que recusou imunizante

Por Leila Salim

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 22 de julho. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Recusar-se à vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa. O Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo decidiu na última segunda-feira sobre o caso de uma auxiliar de limpeza que se negou a ser vacinada e foi demitida pela empresa terceirizada que a empregava, que atribuiu justa causa à demissão por caracterizar o ato como “indisciplina”. 

A trabalhadora fazia parte do grupo prioritário para vacinação, por atuar em ambiente hospitalar. O advogado da trabalhadora argumentou que a demissão seria abusiva, mas a Justiça entendeu que, ao deixar de se imunizar, ela colocaria em risco a saúde de colegas e pacientes. A decisão foi tomada em segunda instância, e por unanimidade. 

O Ministério Público do Trabalho já havia sinalizado, em fevereiro, que quem se recusasse a se vacinar sem apresentar razões médicas comprovadas poderia estar sujeito à demissão por justa causa.  O MPT reforça, ainda, que as empresas precisam atuar para conscientização e informação de seus funcionários sobre a vacinação. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos