Chacina do Jacarezinho: não há limites para a violência de Estado, nem durante a pandemia

Sob justificativa de combater aliciamento de crianças pelo tráfico, operaçõ da Polícia Civil termina com saldo de 25 mortos

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 7 de maio. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Em junho de 2020, uma liminar deferida pelo ministro Edson Fachin e referendada pelo plenário do STF proibiu operações policiais nas comunidades durante a pandemia – em tese, elas só podem ocorrer em casos “absolutamente excepcionais”. Porém, desde a liminar até março deste ano, nada menos que 823 pessoas foram mortas em mais de 400 operações, como revela a reportagem da Ponte a partir de informações do Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos da UFF. 

Ainda será preciso somar a este número os 25 mortos ontem no Jacarezinho, zona norte da cidade do Rio. Apenas um era policial. Foi a segunda maior chacina da história da cidade, e a maior oriunda de uma operação policial. O objetivo declarado era combater traficantes que estariam aliciando crianças e adolescentes. No fim, houve mais mortos do que presos: apenas seis pessoas foram levadas.

A polícia nega o massacre e diz que “seguiu os protocolos“. Em entrevista coletiva, os delegados afirmaram que, fora o policial, todas as outras vítimas eram “suspeitos” que teriam revidado durante o confronto. 

“Andamos pelo Jacarezinho, entramos em cinco ou seis casas, e vimos a mesma dinâmica: casas arrombadas, tiros, execução. Não tem marca de troca de tiros. É execução. Um menino morreu sentado em uma cadeira. Ninguém troca tiro sentado numa cadeira. Isso é execução, é cruel, é barbárie”, diz Joel Luiz Costa, da Comissão de Direitos Humanos da OAB. E completa: “Isso acabou com o tráfico de drogas? A partir de amanhã não vai mais ter droga vendida nas vielas do Jacarezinho porque 25 pessoas foram mortas?”.

A Defensoria Pública vai pedir investigação, pois viu violações claras à decisão do STF, além de fortes evidências de que as cenas dos crimes foram alteradas. Organizações como a Anistia Internacional e a Human Rights Watch também condenaram a ação, que teve repercussão internacional. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: