Cada um por si

Além de doses de vacinas, estados começam a correr atrás de seringas – Ministério da Saúde ainda não abriu edital

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 11 de dezembro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

O Ministério da Saúde afirmou que o acordo para as 70 milhões de doses da Pfizer foi assinado ontem, de modo que precisa da autorização emergencial da Anvisa para colocá-las na rua. Quanto à CoronaVac (cujos resultados de fase 3 estão prometidos para a próxima semana), nada feito.

O Instituto Butantan começou a produzir a vacina na quarta-feria. Seu diretor afirmou ontem que há a possibilidade de exportar o imunizante para outros países, como a Argentina. “Não apenas planos, mas inclusive negociações em curso. O Butantan, junto com a Sinovac, ofereceu ao Ministério da Saúde 100 milhões de doses até maio. Ao mesmo tempo foram anunciados 40 milhões adicionais para toda a América Latina”, disse Dimas Covas, em coletiva de imprensa. No Brasil, ao todo 12 estados e quase mil municípios estão negociando doses por conta própria, segundo o governador de SP João Doria (PSDB).

Não são apenas as vacinas que os governadores querem garantir. Pelo menos nove já abriram editais para a compra de seringas (ao todo, são 210 milhões de unidades), para não depender do Ministério da Saúde. É que, embora o governo federal tenha anunciado que pretende comprar 370 milhões, até agora não saiu nenhum edital para licitação. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos