A ofensiva de Trump

Anvisa americana foi vítima de mais uma acusação leviana do presidente dos EUA. No dia seguinte ao ataque, agência aprovou tratamento sem comprovação científica

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 24 de agosto. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Não é novidade que os órgãos federais de saúde pública estão sob pressão de Donald Trump. Já comentamos aqui como o presidente vem desautorizando o Centro de Controle de Doenças (CDC). No caso da FDA – equivalente da Anvisa por lá – a pressão, que começou com a cloroquina, está mais forte do que nunca. 

Tudo tem a ver com as eleições. O candidato democrata Joe Biden está à frente nas pesquisas de intenção de voto, com uma vantagem que tem permanecido na casa dos 10%. Como não poderia deixar de ser, o foco de críticas da oposição é a condução de Trump na pandemia. Os EUA já ultrapassaram a barreira das 175 mil mortes causadas pela covid-19. A resposta do presidente tem sido apelar à parcela mais radical da sua base, acenando com teorias da conspiração. A preferida – QAnon – sustenta que Trump estaria em uma guerra global contra uma cabal de satanistas e pedófilos infiltrados em diversos locais, desde Hollywood às instituições de Estado. É nesse contexto que, no sábado, o presidente dos EUA foi ao Twitter afirmar que a FDA faz parte do “deep state” e impõe obstáculos para que farmacêuticas inscrevam pessoas em ensaios clínicos com a intenção de retardar a aprovação de vacinas para depois da eleição.

Como é frequente com Trump, a acusação diz mais sobre ele próprio do que sobre a vítima do ataque. Nas últimas semanas, muito tem se falado do receio dos cientistas em relação a uma manobra do político visando pressionar a FDA a registrar uma vacina muito antes do fim da fase 3 dos testes clínicos, a tempo do pleito marcado para novembro. O tuíte de Trump se referia a uma reportagem da Reuters, que revelou que um alto funcionário da agência reguladora desabafou em uma videoconferência com executivos e funcionários do governo. Peter Marks, que está à frente da avaliação de produtos biológicos, disse que renunciaria se a administração Trump aprovasse um imunizante antes que ele se mostrasse segura e eficaz. O pedido de demissão sinalizaria para o público que alguma coisa estava errada

E parece estar mesmo. Segundo o New York Times, em julho assessores de Trump afirmaram a parlamentares que uma vacina seria aprovada antes do término da fase 3. Foram além, dizendo que isso aconteceria no fim de setembro. E ontem – véspera da convenção do Partido Republicano –, a Presidência anunciou que a FDA aprovou um “grande avanço terapêutico”, se referindo à liberação emergencial do tratamento com plasma sanguíneo retirado de pacientes convalescentes de covid-19. A terapia já era permitida nos casos graves, mas não nos outros. Isso porque ainda não há evidências que comprovem sua eficácia e segurança. 

Falamos semana passada sobre o único grande estudo divulgado até agora a respeito dessa terapia, que tem problemas metodológicos e não foi revisado por pares. Essa liberação ganhou destaque no mundo todo e, especialmente depois da aprovação que o governo Vladimir Putin deu a uma vacina que ainda nem iniciou a fase 3 e cujos dados não foram compartilhados com a comunidade científica, gera apreensão.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos