Resenha Semanal

6 a 12 de abril 2019. O presidente, com ato “intervencionista”, impôs aos acionistas da Petrobrás perdas bilionárias… O liberal está nu!

6 de abril

A bomba no final da semana: a conversão de Bolsonaro ao liberalismo é falsa! Sua suspensão de um aumento do diesel pela Petrobrás custou mais de 30 bilhões aos acionistas.

O liberal está nu!

Repercute a ação da PM em uma escola estadual de Guarulhos, na Grande São Paulo. A polícia tinha entrado na escola a pedido do diretor, contra quem os estudantes protestavam. O PM empurrou uma estudante com a ponta de sua arma de calibre 12. Outros dois estudantes de 16 anos foram detidos pela PM e permaneceram quase 24h na cela do 1º DP (Distrito Policial) da cidade.

“Eu não queria ser presidente”, afirmou hoje o presidente.

Indícios de que o Brasil se prepara para a guerra. Caiu um caça da FAB, que fazia manobras de treinamento no sul do país. Parte da imprensa analisa como recentes operações de treinamento das FFAA são diferentes daquelas do calendário normal de adestramento: desta vez, ao invés de cenários derivados do conflito geopolítico maior (guerra com a Argentina), o terreno das operações guardava semelhança com a paisagem da fronteira com a Venezuela.

Todo mundo nega, mas existe a possibilidade de um conflito com nosso vizinho. Os EUA parecem decididos a intervir. Nem seria preciso invadir Caracas a partir da fronteira, bastaria tirar as Forças Armadas da capital para a fronteira, e aí “comandos” e “forças especiais” agiriam dentro do país, com assassinatos pontuais, apagões e bloqueios, se possível com um levante popular – em outras, ações terroristas (o apagão como arma de guerra está descrito em todos os manuais de guerra híbrida. Sistemas como a rede elétrica e rede nuclear são atacáveis digitalmente. Um bom time de hackers apaga um país).

A ideia parece ser resolver tudo rapidamente, tipo duas ou três semanas. Bolsonaro sairia de herói, as FFAA ficariam bem na fita, devidamente incensadas pela imprensa, dando ainda mais um exemplo da “eficiência e racionalidade” militares.

Mas, se a guerra perdurar, a oposição interna ao conflito cresceria e traria enorme instabilidade ao país, que a cada dia adicional veria o Brasil cúmplice de atrocidades e da violência marcial além das fotos do tanque com bandeira nacional tremulando.

O jurista que redigiu o pedido de impeachment sem crime de Dilma Roussef, Miguel Reale Jr, agora afirma que “corremos o risco de entrar numa ditadura por meio do voto”.

Realmente uma declaração incrível para quem desestabilizou a democracia e foi cúmplice do derretimento institucional do Brasil. A base para o pedido é a falta de decoro decorrente dos vídeos escatológicos que o presidente postou durante o carnaval.

Raimunda Veras Magalhães e Danielle Mendonça da Costa, que trabalhavam do gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, agora são investigadas pela polícia, junto com o próprio Flávio e com Fabrício Queiroz.

Na sexta-feira dia 5, o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP), tinha atacado violentamente a a deputada transexual Erica Malunguinho (PSOL), com afirmações preconceituosas e agressivas. No dia seguinte, Douglas assumiu durante uma sessão da Assembleia Legislativa de São Paulo, que é gay.

Uma falsa celeuma animou o noticiário: dois funcionários da Receita Federal invadiram o sistema e ilegalmente olharam os dados de Jair Bolsonaro. Os bolsominions, instados pelo seu chefe, imediatamente saíram em defesa de seu mestre culpando, como é de costume, a esquerda. Mas no final os dois eram bolsonaristas, e um deles irmão de deputada do DEM. Explicaram mais ou menos suas motivações, mas dizem que não tinham intenção de prejudicar o presidente. Ninguém se desculpou por falsa acusação nem ponderou sobre o linchamento virtual.

Hoje a Folha já parabeniza Bolsonaro por mudança de atitude e parece estar dentre aqueles que ainda acreditam no domesticação do presidente. Rere.

7 de abril

Saiu pesquisa de opinião e Bolsonaro é avaliado como o pior presidente da história paea este período.

Saiu artigo de Lula na Folha e houve muitas mobilizações Lula Livre pelo país pelo país. Teve manifestações Lula Livre e anti-STF (pró-Moro). Eu fui:

Bolsonaro estaria tentando entendimento com o Congresso… está liberando emendas de deputados e no geral lança mão da velha política do dá-lá-toma-cá. Falso pudor toma conta dos neomoralistas que juravam que o Novo Brasil ia ser diferente.

Hoje 10 militares do Exército fuzilaram um carro em Guadalupe, no Rio de Janeiro. Morreu Evaldo Rosa dos Santos, que dirigia o carro onde sua família estava a caminho de um chá de bebê. Outro ocupante do carro foi ferido, assim como um morador de passava a pé pelo local.

O Comando Militar do Leste inicialmente divulgou que uma patrulha do Exército teria se deparado com dois homens assaltando no Piscinão de Deodoro, em Guadalupe. Eles teriam atirado e os militares “responderam à injusta agressão”.

Só que vídeos de moradores próximos ao local do incidente mostram que não foi o caso. Segundo testemunhas, não houve nenhuma tentativa de parar o veículo, nenhum sinal de que os militares quisessem averiguar qualquer coisa. Mesmo com os familiares de Evaldo saindo do veículo e pedindo para parar, os disparos continuaram.

Depois dos tiros, os militares simplesmente deixaram o local sem prestar socorro às vítimas.

Ironicamente, parece que o homem morto era apoiador de Bolsonaro. A viúva: “Eu coloquei a mão na cabeça e disse: ‘Moço, socorre meu esposo’. Eles não fizeram nada. Ficaram de deboche. Tem um moreno que ficou de deboche e rindo.”

O Comando Militar do Leste hora depois soltou outra nota dizendo que tudo estava sendo apurado e que depoimentos de militares e testemunhas seriam tomados pela Delegacia de Polícia Judiciária Militar.

O processo vai correr na Justiça Militar, segundo lei aprovada no governo de Michel Temer.

É notável que o Comando tenha inicialmente comprado a versão dos soldados em patrulha de reação a tiros. Essa declaração soa muito familiar: justificativas de assassinatos e agressões por policiais militares frequentemente fazem a mesma alegação. Em manifestação é a mesma coisa: a PM reagiu a agressões, os Black Blocs atiraram pedras etc. A imprensa invariavelmente compra e divulga a exata alegação. Amigos de esquerda que não vão mais a manifestação leem e repetem o discurso.

Só que desta vez tinha vídeo negando o inicialmente alegado. Se não tivesse imagem, ia ficar por isso mesmo, a voz de um contra a do outro e pronto. Mas por outro lado é notável que depois os soldados tenham sido detidos e aguardam apuração presos.

Analiso assim: ao lado do comportamento do PM na escola estadual, e mesmo da ameaça de paralisação dos caminhoneiros, a hierarquia das FFAA teme um motim do baixo clero das forças de segurança. A aceitação da candidatura de Bolsonaro foi uma forma de evitar que esse motim explodisse nos quartéis. Uma insurreição parecida é a Lava Jato, que é do baixo clero do Judiciário (contra o STF).

É sempre difícil medir esse tipo de coisa, mas desde a campanha os casos de agressão direta com motivação política de policiais se acumulam. Lembro que, durante o carnaval, em Atibaia, um PM quebrou ou deslocou o braço de um petista, dentro da delegacia. O PM empurrando a estudante na escola, os seguranças do metrô de São Paulo socando um moço no rosto…

Sempre há quem aponte que esse tipo de violência sempre existiu e que esta apenas mudou de cenário social, isto é, esse tipo de violência é a norma nas periferias. Isso é verdade, mas acho que a anomia dentro dos quartéis e a revolta de cabos, soldados e sargentos, que não se beneficiaram com a reforma da Previdência militar, vai quebrar esse paradigma da violência normalizada e transbordar para a sociedade de maneira inédita. A suspensão monocrática de Bolsonaro do aumento do preço do diesel (no dia 12) para atender aos caminhoneiros indica que o presidente vai atender e fortalecer essas facções compostas de milicianos, baixo clero da tropa, grupos fascistas, juventude de direita, intervencionistas.

Moro não se manifestou a respeito do assassinato. Nem o presidente. Nem o governador do Rio. E todos aqueles que gritam pela isenção legal de agentes da lei envolvidos em atos ilegais e violentos.

8 de abril

O embate fundamentalistas e militares continua no governo. Olavo de Carvalho atacou de ovo os militares: “o que temos é uma retomada do poder pelos generais sob uma camuflagem democrática montada às custas de um inocente capitão de Exército.”

E mais: “A única saída é o presidente apoiar-se no povo que o ama e impor sua autoridade por igual a civis e militares. Ou isso, ou já estamos numa atmosfera de golpe não declarado.”

Parece-me que Olavo está ciente dessa cisão e quer explorá-la.

O repórter da Globo Carlos de Lannoy sofreu ameaça de morte após fazer uma reportagem no “Fantástico” sobre o assassinato de Edvaldo no Rio de Janeiro pelos soldados em patrulha. Erick Procópio, é bolsonarista e entusiasta do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Escreveu no Instagram: “Se você escolher falar merda e defender bandido é escolha sua. Seu merda! Se for errado paga com a vida! Mexeu com o exército, assinou sua sentença! Sua família vai pagar! Aguarde as cartas”.

A XP divulgou mais uma pesquisa nesta segunda-feira: a aprovação do governo Jair Bolsonaro no mercado financeiro despencou de 70%, em fevereiro para 28% hoje.

Caiu o Vélez! Abraham Weintraub assume. Ele não tem doutorado e, apesar de ter se tornado professor recentemente, é da área financeira. Há farta documentação onde ele aparece como um fundamentalista reacionário. Um vídeo de uma palestra que deu em evento conservador mostra uma fala sua de combate à esquerda: “Quando ele (um comunista) chegar para você com o papo “nhoim nhoim”, xinga. Faz como o Olavo de Carvalho diz para fazer. E quando você for dialogar, não pode ter premissas racionais”. Já declarou apoio ao monarquismo. È antipetista e anti”comunista”.

As primeiras análises avaliam que ele representa uma vitória do Olavismo, e há quem diga que ele desagradou aos militares que tinham candidato próprio.

Segue o zumzum de centristas, liberais e tucanos depenados elogiando Mourão como o contraponto racional ao capitão aventureiro: FHC avalizou publicamente a figura do general como saída para a crise política. Trata-se de uma ala que vai progressivamente entrando em pânico com o monstro que tirou dos esgotos e criou no ódio antipetista. O PIG é parte deste grupo, que parece apostar em algum tipo de restauração neoliberal. Acho que eles não compreenderam ainda que eles perderam a força justamente pelo colapso do capitalismo neoliberal, o que lhes rouba projeto de país e legitimidade de atuação política. Ainda por cima, para derrotar a esquerda, torceram as instituições e leis para manter Lula preso. Agora não dá para desentortar o STF, desinventar Gilmar Mendes, restaurar a Constituição, impedir a prisão preventiva…

Proponho aqui dois itens iniciais de uma lista para o futuro amplo pacto democrático que vai enfim confrontar e substituir o vindouro regime de fechamento, de modo a não repetir erros da transição conservadora de 1988:

1) Vai ter comissão da verdade

2) A polícia vai ser desmilitarizada e controlada pela sociedade.

3) A imprensa vai ser regulamentada, talvez nos moldes britânicos.

Saiu uma notícia algo irrelevante no geral, mas que vai para o catálogo da hipocrisia moralista da direita e daqueles que elegeram o PT e a esquerda como o judas a malhar: a deputada estadual Ana Campagnolo (PSL-SC) deletou sua conta no Twitter depois que internautas resgataram postagens antigas da parlamentar em que sugeria que fumava maconha e que gostava de trabalhar pouco. Ela foi eleita se autointitulando “antifeminista, conservadora, cristã e de direita”. De discurso antimoralista e crítica ferrenha do PT, Campagnolo ganhou notoriedade quando defendeu a perseguição a professores e pediu que os alunos os filmassem em sala de aula. Rere.

Aos malucões do Brasil: somos muitos e venceremos! Fogo na bomba!

9 de abril

Outro verbete para o catálogo da hipocrisia. O site de direita Antagonista escreveu a seguinte pérola: “O Bolsa Família, que deve mudar de nome, é um programa relativamente barato, essencial para combater os aspectos mais urgentes da pobreza extrema e que deve ser mantido sem as distorções que o PT introduziu”.

Nossa! “relativamente barato”? “Essencial” para combater a pobreza extrema? Gente, alguém manda um zap para todos aqueles que falaram em “suborno”, “estelionato eleitoral”, “não quero pagar quem não faz nada”, “bolsa vagabundo” etc e diz que agora tá podendo!

Falando em Bolsa, li hoje que a Previdência equivale a 11% do PIB. E que a sonegação e isenções custam 12% do PIB. “Isenções” incluem os perdões a dívidas (como as da bancada ruralista, que conseguiu um tal perdão na casa dos bilhões), “incentivos à produção”: tudo isso é a Bolsa Empresário. Junto com a Bolsa Banqueiro (incluindo os custos dos juros da dívida pública), a Bolsa Empresário é o outro extremo do duto que transfere renda dos pobres aos ricos. As perdas no “sacrifício” dos pobres na Previdência é canalizada para os bolsistas afluentes na outra ponta.

Para registro aos historiadores: Juca Kfouri afirma que o ministro Guedes disse “Estamos convencidos de que Lula não roubou um tostão. E seu patrimônio prova isso. Ele não teve foi quem o avisasse do que acontecia em torno de seu governo. Acabou vítima do jeito de fazer política no Brasil. Serve como exemplo”.

Sérgio Moro fez declaração sobre o assassinato de Edvaldo, disse hoje que os militares do Exército que fuzilaram um carro com 80 tiros no Rio de Janeiro não agiram em legítima defesa, segundo o relato de um parlamentar.

Depois de seis dias, Jair Bolsonaro afirmou que “o Exército “não matou ninguém” e que a instituição não pode ser acusada de ser “assassina”.

10 de abril

O comitê anticorrupção de Bolsonaro se reunirá duas vezes por ano.

Foi cancelado o pronunciamento de 5 minutos que o presidente faria por ocasião dos 100 primeiros dias de governo.

Do músico D2: “Tenho visto análises sobre os 100 dias de Bolsonazi no governo (se é que se pode chamar disso) … tá de sacanagem né ? Ele ficou 27 anos dormindo como deputado e não fez nada e tem gente querendo q ele faça algo em 100 dias …”.

Isso me fez pensar como teria sido se Haddad (ou Ciro) fosse presidente.

Nessa linha, corre na esquerda a piada “Bolsonaro é muito incompetente. Se fosse o Haddad, essa Previdência já estaria aprovada!”.

Danilo Gentili foi condenado a 6 meses de prisão por ofensas à deputada Maria do Rosário. Ele havia recebido, à época, uma notificação enviada pela Câmara dos Deputados, pedindo a suspensão de postagens falsas feitas pelo humorista a respeito da filha da deputada, que é adolescente. Ele gravou um vídeo onde limpava a bunda com o documento, rasgando-o em seguida. Ele sofreu nova condenação, desta vez por danos morais por ter chamado o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) de bandido, machista, agressor de mulheres, líder dos black blocs e assassino.

Parte da discussão suscitada passa pela liberdade do humor e da sátira. Acho boa a discussão, mas nesse caso as declarações não foram parte de programa ou esquete humorístico.

12 de abril

Há um crescente zumzum de enfrentamento entre a Lava Jato e o STF. Saiu a notícia que uma delação de Marcelo Odebrecht incrimina Dias Tofolli. A delação é antiga, mas a Lava Jato pediu esclarecimentos sobre quem seria o amigo do amigo de meu pai”.

Faz parte do objetivo estratégico de parte considerável da direita, especialmente os “antiestablishment”, o fechamento ou depuração (“despetização”) do STF.

De Blasio, prefeito de Nova Iorque, declarou que que Bolsonaro é um “homem perigoso”. A Câmera Comercial Brasil-EUA alugou um espaço público municipal (o Museu de História Natural) para o evento anual de premiação de personalidades, dentre os quais figura o presidente.

Explodiu a bomba de 32 bilhões de reais: Bolsonaro suspendeu aumento do diesel decretado pela Petrobrás. Não avisou a empresa mista, não avisou Guedes e deixou a imprensa perplexa. A gravidade da coisa é enorme, e até o banco Itaú reclamou. Desta vez, especuladores e acionistas perderam feio – e não os velhinhos do futuro. A grita foi geral e domesticação do presidente parece um sonho inocente. Ele agora é chamado de “intervencionista”, “Dilmo” etc.

É muito louco que liberal perdoou as “estrepolias” do Coiso enquanto este defendia suas pautas. As trapalhadas são agora imperdoáveis. Agora ele é tudo de ruim. Eu sabia. Aliás,

EU AVISEEEEEEEEI!

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *