Retratos de um governo acuado

150103-DilmaTemer

Quando presidente quiser deixar o “ajuste” recessivo, estará no final de seu mandato. Congresso não lhe dará ouvidos; mídia se encarregará de ridicularizá-la

Dois fatos ocorridos neste sábado expõem a cilada que Dilma, reeleita, armou muito cedo para si mesma, quando renunciou a aprofundar programa de mudanças

Por Antonio Martins

Como se previa, 2015 começou tenso e árido, no cenário brasileiro. As ruas do pós-reveillon ainda estão vazias e duas polêmicas já ocupam as manchetes dos jornais, noticiários de TV e sites de notícias. Ambas colocam o governo Dilma em situação delicada. Envolvem dois novos ministros: Nelson Barbosa, do Planejamento, e Ricardo Berzoini, das Comunicações.

Barbosa foi forçado a um recuo desgastante, depois de ouvir uma descompostura de Dilma. Ontem (2/1), ao tomar posse, ele acenara com a possibilidade de mudança – para pior – na fórmula de aumento do salário-mínimo. Foi lançada em 2008, como parte das medidas do governo Lula contra a crise econômica global. Garante tímida recuperação do valor real do salário. A cada 1º de janeiro, ele é reajustado por um percentual que soma a inflação registrada no anterior (medida pelo INPC) mais o aumento do PIB de dois anos atrás. Esta sistemática permitiu que, em 2014, o valor real suplantasse o de 1983, último ano do regime militar e equivalesse a mais que o dobro de 1995 (veja gráfico).

150103-Mínimo

Empenhado no “ajuste fiscal” que a presidente comanda – e é contestado inclusive por economistas muito próximos a ela, como Luiz Gonzaga Belluzzo, o ministro Barbosa aventou a possibilidade de uma nova fórmula. A notícia foi capa, hoje, dos três jornais mais vendidos do país (1 2 3). Ao tomar conhecimento da repercussão, a presidente ordenou que Barbosa se retratasse. Novo barraco: na tarde deste sábado, os mesmos jornais destacam, em suas edições eletrônicas, a humilhação do ministro, obrigado a se desdizer em menos de 24 horas. Além de sua imagem, sofre a da própria presidente, pintada mais uma vez como autoritária e ríspida.

Com o ministro Berzoini, as circunstâncias foram outras – mas o resultado, muito semelhante. Ao ser empossado ontem, ele defendeu, com muitas ressalvas, algo que quatro artigos da Constituição (221, 222, 223 e 224) exigem desde 1988 – a regulação dos sistemas de Comunicação Social, É algo procrastinado pelo Congresso Nacional há 26 anos. Ainda assim, Berzoini afirmou que a exigência deveria ser cumprida “com tranquilidade, sem pressa”…

Foi desautorizado poucas horas depois: não pela presidente, mas pela base parlamentar que Dilma montou e que deu cara a seu ministério. Na manhã de hoje, o líder do PMDB e candidato a presidente da Câmara, Edurdo Cunha (RJ) declarava-se “radicalmente contrário” aos mansos desejos do ministro. E dava o recado: seu partido apoia a “pauta congressual da governabilidade”, mas “não apoiará de forma alguma” a “pauta ideológica do PT”. Em bom português, poderia ter dito: “defenderemos o mandato de Dilma enquanto ela não fizer nada nada que não desejamos”… Acrescente-se: ao dar tais declarações, Cunha faz um aceno óbvio aos tucanos. Também nesta manhã, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) afirmava que a declaração do ministro Berzoini é uma “tentativa criminosa” de estabelecer “controle da imprensa”…

Dos episódios, é possível extrair uma fotografia dos quatro elementos centrais que compõe a conjuntura brasileira hoje:

a) Dilma é presa de sua esquizofrenia. Ela fez uma campanha que alardeava “Mais Mudanças”, mas se convenceu erradamente, durante ou após as eleições, de que, nos últimos doze anos, os governos da esquerda fizeram mais do que era possível; e de que, portanto, é preciso recuar agora (“Menos Mundanças”), antes de voltar a avançar;

b) Este recuo é tudo que a direita esperava. Como nota Belluzzo, a “nova” política do trio Levy-Barbosa-Tombini projetará a economia num cenário de recessão e corte de direitos do qual “será difícil sair”. Quando a presidente tentar fazê-lo, estará na metade final de seu novo mandato, com força política reduzidíssima. O Congresso não lhe dará ouvidos; a mídia se encarregará de ridicularizá-la; a agenda política estará toda voltada para a escolha de seu substituto;

c) Tem-se, por isso, uma clássica “vitória de Pirro”. A esquerda elegeu a presidente, mas ela está aprisionada numa agenda de direita. Executa o programa dos adversários e, ao fazê-lo, desgasta-se em nome deles. Eles têm suas principais propostas aprovadas e mantêm a confortável condição de “opositores”.

d) A direita está coesa; a esquerda, fragmentada. Em grande medida devido à campanha eleitoral autofágica promovida pela própria Dilma, romperam-se as pontes de solidariedade entre as múltiplas sensibilidades dos que se julgam, de algum modo, contrários à lógica do capital. Constate a partir de seu perfil no Facebook. Você certamente recebe, a cada semana, dezenas de postagens em que dilmistas, lulistas, petistas, comunistas, marinistas, psolistas, autonomistas, esquerdistas de qualquer sensibilidade atacam-se uns aos outros.

Mas procure um único texto empenhado em rebater com dados precisos, argumentos fortes e convincentes, a “necessidade” do “ajuste fiscal”. Ou preocupado em compreender o papel efetivo da Petrobras, diante dos que querem condená-la (e, provavelmente, sucateá-la) por ter sido vítima de corruptos.

Os dois episódios de hoje sugerem: 48 horas depois de instalado, o segundo governo Dilma está atônito. Até agora, quem ganha com isso não são sensibilidades à esquerda – que foram decisivas para o triunfo eleitoral da presidente – mas os interesses mais retrógrados e conservadores. Como reverter esta tendência? É, provavelmente, a pergunta essencial do momento.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

7 comentários para "Retratos de um governo acuado"

  1. O governo Dilma não tem como reverter. Não terá apoio da esquerda não petista, que não pode apoiá-la depois de ajudá-la na vitória e ver em seguida ela fazendo o programa que criticou na campanha eleitoral. Não há porque apoiá-la. Somente mobilizações populares por direitos essenciais com saúde, por exemplo e contra a redução de direitos trabalhistas poderão criar uma base de pressão. Mas, uma boa parte das organizações, inclusive centrais sindicais e movimentos foram cooptados há tempos pelo governo petista. Será preciso criar uma nova frente uma nova força, independente do PT, que buscou unicamente o caminho parlamentar para garantir a governabilidade, sabendo-se que o parlamento que aí está não deseja mudança alguma, servidor na grande maioria dos parlamentares de interesses de grandes corporações econômicas.

  2. christian disse:

    Não consigo ver esta análise tão pessimista. Para fazer uma análise sensata, use outras fontes que não a mídia tradicional.

    • Anderson Gomes disse:

      Mas fatos são fatos. Mesmo a Globo, com toda sua manipulação de sempre, apresentam matérias baseadas em documentos existentes. Não existe mídia isenta de parcialidade, porém pode-se confirmar as fontes das informações em boa parte delas. Agora cabe a cada um de nós confirmar essas notícias. Não aceitar como verdade até que seja possível conferir os devidos documentos que serviram de base para a reportagem.

  3. Afonso disse:

    Essa história de que o aumento real do SM foi lançado em 2008, como parte das medidas do governo Lula, é uma papagaiada que vem sendo repetida até que as pessoas acreditem. Houve a lei sim, mas o aumento real vem desde a época do Plano Real.
    Vejam no Portal Brasil: “Com a estabilização após o Plano Real, o salário mínimo teve ganhos reais ainda maiores, totalizando 28,3% entre 1994 e 1999. Neste mesmo período, considerando-se a relação do valor do salário mínimo e da cesta básica calculado pelo DIEESE na cidade de São Paulo, o crescimento foi de 56%”.
    Uma mentira contada mil vezes, torna-se verdade.

  4. Iraci disse:

    Trouxas são os que não sabem o que está acontecendo. Esse ministério é o ministério “baixa poeira”, ou seja, desarmar a oposição. Isso indica, também, que por eles terem feito esse processo a possibilidade de impeachiment era BEM REAL!!!

  5. Sergio B. Silva disse:

    O terrível nisto tudo é que os atuais mandantes vieram todos da esquerda. Uma esquerda que hoje se percebe meramentre oportunista. Vejamos os ministros do PT: foram sindicalistas, lutaram contra a exploração de trabalhadores, fizeram uma oposição do PSDB forte e agora? Desde que o PT assumiu o governo um número enorme de carreiristas – engordados pela esquerda – simplesmente se voltaram contra os programas populares . Eles enganaram à população e – para não perderem sua engorda – continuam enganando a todos como se fossem um governo de esquerda. Vejam a retórica de Lula, a retporicxa de Dilma e de alguns petistas que se projetam na mídia sempre oficial. É necessário que nós – integrantes de uma esquerda revolucionária – comecemos a produzir uma crítica a estes grupos enganadores e, sobretudo, fundar uma nova esquerda. O PT já deixou de ser esquerda há muito tempo e hoje está na centro-direita para preservar seus burocratas e carreiristas. Vejam Vicentinho, vejam Berzoini e muitos outros. Enganaram metalúrgicos, petroleiros, bancários…. É absolutamente necessário delatar estes falsos esquerdistas e levar a esquerda unida a repelir os mecanismos manipuladores construídos pelo grupo dirigente do PT. Vamos acabar com a farsa do Lula, da Dilma e do PT para produzir uma esquerda que recupere a sua própria dignidade.revolucionária. A direita olha tudo isto e está feliz porque o que ocorre hoje veio da esquerda que se proclamava transformadora. Os avanços da política do PT no governo? Muito poucos. A direita tá é feliz!!!

  6. Aurea Serrano disse:

    Bom, até que enfim vejo a esquerda percebendo que o PT é um balaio de gatos que há muito deixou qualquer ideologia de lado.
    Voces, pelo que entendi, são da esquerda revolucionária e mais radical. Pergunto, mesmo, sem qualquer ironia. onde esse sistema que vcs almejam deu certo ? Venezuela ? Cuba? Russia ? China ? Coréia do Norte ?
    O Brasil não quer isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *