Zizek e a tragédia dos combates moderados

160528-Europa

Em seu novo livro, filósofo esloveno investe contra um multiculturalismo piedoso porém impotente. Diante da catástrofe, diz, ou desafiamos radicalmente a ordem social, ou não haverá futuro

Por Nuno Ramos de Almeida

É difícil entender o que em Slavoj Zizek é simples provocação e aquilo que é sério, até porque o filósofo esloveno escolheu esse caminho. Por isso, quando amigos meus começaram a rosnar com as declarações de Zizek sobre a necessidade de não deixar à extrema-direita o monopólio da defesa da Europa perante a crise dos refugiados, eu esperei para ler.

A chave do novo livro de Slavoj Zizek, A Europa à Deriva, encontra-se em duas citações da obra de Oscar Wilde, A Alma do Homem e o Socialismo, que o autor convoca no início do texto: “É muito mais fácil ter-se simpatia para com o sofrimento do que ter-se simpatia para com o pensamento”, acrescentando-lhe uma outra passagem de Wilde em que este defende que o simples horror ao sofrimento e a caridade em relação à pobreza não fazem mais que prolongar as suas causas e aliviar a consciência dos responsáveis por essa situação. “Tentam, por exemplo, resolver o problema da pobreza mantendo os pobres vivos; ou, no caso de uma escola muito avançada, divertindo-os. Mas isso não é uma solução: é um agravamento da dificuldade. O objetivo adequado é tentar reconstruir a sociedade sobre uma base em que tal pobreza venha a ser impossível. E as virtudes altruístas têm, sem dúvida, impedido a realização de tal desígnio”, conclui o autor de A Importância de ser Ernesto.

Não é por acaso que Zizek escolhe o grande provocador britânico para inventariar aquilo que se propõe neste livro. O esloveno coloca-se na posição de que mais gosta: a de provocador. Mas sempre vai dizendo algumas coisas fundamentais: a solução para a questão dos refugiados, apesar dos horrores das imagens, não passa pela simples caridade para resolver o problema imediato de centenas de milhares de pessoas; embora esse drama tenha de ser resolvido já, a urgência da ação não nos pode dissuadir de afirmar que essas pessoas são sujeitos de direitos e não apenas objetos de caridade; o autor defende que a resolução desta crise humana não se faz pela abertura, maior ou menor, das fronteiras, mas por responder aos problemas globais e das suas implicações nos países de origem dos refugiados.

Zizek defende também que não se pode deixar à extrema-direita o monopólio da proximidade das pessoas e da preocupação com a situação criada na Europa pelo enorme fluxo de refugiados. Este é talvez este o ponto mais polêmico do livro: a ideia de que uma posição de abertura de fronteiras, aqui e agora, é meramente uma posição simbólica de quem sabe que isso não acontecerá. Slavoj Zizek, num capítulo sugestivamente chamado “Quebrar os Tabus da Esquerda”, atira-se a uma conceção muito difundida da esquerda, dita multiculturalista, de que “um inimigo é alguém cuja história nunca ouvimos”. Para o filósofo, “existe um claro limite para este procedimento: também estaremos prontos a afirmar que Hitler era só um inimigo porque a sua história não foi ouvida? Ou será que, pelo contrário, quanto mais conheço e ‘compreendo’ Hitler, mais Hitler é o meu inimigo?”, nota.

TEXTO-MEIO

E não se fica por aí: há em parte da esquerda a ideia de que tudo o que vem dos oprimidos é necessariamente bom. Para o autor d’“A Europa à Deriva”, as coisas quase nunca são assim. Zizek faz uma crítica similar a Ettore Scola acerca do filme Feios, Sujos e Malvados: a miséria não nos faz ser boas pessoas e gente aconselhável. Mas isso só reforça a convicção de que se deve combater as causas que levam as pessoas a ser exploradas. No seu pensamento, a contemporização com os aspetos retrógrados da religião, em prol de um multiculturalismo fofo, não existem. Ele recupera a ideia de Marx de que “a religião é o ópio do povo” ao defender: “O próximo tabu a ser descartado sem piedade é a equiparação de qualquer referência ao legado emancipatório europeu com o imperialismo cultural e o racismo.”

Criticar práticas e conceções culturais do islamismo dos refugiados não significa ser cúmplice da sua opressão.”O próximo tabu esquerdista a deixar para trás é o de obstar a qualquer crítica ao Islã como caso de ‘islamofobia’.” A superação desta situação de profunda desigualdade que se vive no mundo e do estado de selvajeria a que foram levadas grandes partes do planeta, a golpes de míssil, não se faz através da tolerância multicultural, mas resolvendo as questões por meio de um novo projeto de universalismo emancipatório.

Existem, para Zizek, quatro antagonismos que podem permitir que o capitalismo global, que gera os racistas e os fundamentalistas, não se reproduza eternamente: “A ameaça iminente de catástrofe ecológica, a inadequação da propriedade privada para a chamada ‘propriedade intelectual’, as implicações socioéticas dos novos desenvolvimentos técnico-científicos (sobretudo a biogenética) e, por último, mas não menos importante, as novas formas de apartheid, os novos muros e favelas.” É este aspeto final que politiza e dá tom às contradições existentes no sistema.

O drama é que populismos e fundamentalismos têm sido contestados por bom motivos mas com más respostas. Como escrevia William Butler Yeats n’O Segundo Advento, “Aos melhores falta convicção, e aos piores / sobeja apaixonada intensidade”. É disso que se trata para o autor: criar um novo programa revolucionário para as gentes deste planeta. Uma tragédia pressupõe uma morte dos heróis e a sua derrota virtuosa. Na sua célebre Décima Carta, o filósofo alemão Schelling dizia que a tragédia grega “honra a liberdade humana porquanto consente que os seus heróis combatam contra o poder desmedidamente superior do destino”, e concluía dizendo que “as impossibilidades e limites da arte” exigem a derrota do homem nesse combate. Mas essa derrota afirmaria em si a liberdade humana e as razões de uma revolta.

Chegou a altura de reivindicar essa vitória, até porque a situação que vive o planeta é muito diferente da do ano de 1794, em que o filósofo escreveu. Não há mais espaço para isso. A derrota de uma alternativa simboliza a catástrofe. Não restará público para aplaudir a moral da história.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Nuno Ramos de Almeida

Nuno Ramos de Almeida é jornalista português, editor-executivo do Jornal I (www.ionline.pt).