Rosa Luxemburgo nas escolas ocupadas

161105-roza2b

Peça convida a ouvir escritos que a filósofa comunista escreveu enquanto presa. Ao fazê-lo, cria poderosas e inesperadas ressonâncias em gritos, falas e imagens das ocupações secundaristas

Por Leda Cartum, escritora e membro do Coletivo Rózà


RÓZÀ
Em cartaz em São Paulo, na Praça das Artes
Até 19 de Novembro – Quintas, sextas e sábados às 20h

Gratuito (chegar uma hora antes) – Reservas: [email protected]
Avenida São João, 281 – Centro – Metrô Anhangabaú e República

O mestre budista Nagasena, em um de seus diálogos com o rei Milinda, entrega a ele um livro, contando que foi escrito por um poeta que viveu 2 mil anos antes. Nagasena pergunta ao rei se ele ainda pode ouvir o poeta antigo. “Aguça o teu ouvido”, pede, “o que escutas?”. Milinda diz escutar um pequeno rangido. “Aguça o teu ouvido”, repete o mestre. Millinda escuta um homem que raspa uma pena sobre um volume desenrolado. “Aguça o teu ouvido.” Milinda consegue escutar então a respiração do poeta, o barulho de seus pensamentos enquanto milhares de anos antes escreve o livro que agora ele tem nas mãos.

Aguçar os ouvidos para escutar os ruídos de um tempo que passou e que deixa rastros na atualidade é um ato mínimo, imperceptível, mas do qual quase tudo pode nascer. Quanto do passado está em nosso tempo? O que hoje lança luzes sobre os outros tempos tantos?

Imagino que foi de perguntas como essas que surgiu a peça Rózà, que nos abre o espaço para escutar as cartas escritas por Rosa Luxemburgo na prisão, em Berlim, logo no início do século 20. Na cena, três atrizes trazem à tona não apenas a voz da revolucionária, pensadora ou economista, mas da mulher que passou anos em uma cela, que zelava por sua gata Mimi, que cultivava um jardim. Mulher múltipla, que só existe em movimento e que nos conta que finos fios invisíveis podem ligá-la, de dentro do quarto fechado, ao movimento do mundo. Devem ser esses os fios que também trouxeram os ecos de suas palavras até nosso agora, quando nos sentamos no espaço utópico do teatro para assistir a essa peça, que trabalha na tensão sutil de conjugar os tempos históricos com esses que vivemos hoje. Reconhecemos assim que a História é toda ela feita também de seres pulsantes de vida e desejo, e nisso descobrimos que a atualidade não deixa de ser constantemente atravessada por fatos firmes que um dia serão lembrados.

Não é apenas a voz de Rosa, assim, que ecoa pelas paredes de plástico dessa estrutura de madeira dentro da qual somos confinados a partir do momento em que a peça começou. Junto com ela, levantam-se as insurgências que têm lugar agora, e que se revoltam contra as estruturas atuais, chacoalhando os pilares tanto quanto já se fez em outros tempos. Mais do que escutar aquilo que Rosa Luxemburgo tem para nos contar, então, a peça faz o esforço de trazê-la ao presente para que, daqui, ela também possa nos ouvir: e o que temos a dizer para ela?

TEXTO-MEIO

As três atrizes, intercalando-se em cena numa coreografia, um jogo de forças e cores, convocam novos universos. Quem ganha espaço nessa nova temporada de Rózà são os estudantes secundaristas que, desde o final do ano passado, ocuparam as suas escolas em revolta contra imposições que vieram de cima, e que não têm nem mesmo ouvidos para escutar qualquer coisa que seja. Na sala de aula padrão, a palavra de ordem é o “não” – anterior até à possibilidade da escuta. Mas os secundaristas se fizeram ouvir à força, na marra: eles gritaram, e gritam também na peça através das projeções de manifestações e ocupações que se sobrepõem à cena. Se Rosa está sozinha em sua cela, segredando baixinho suas vontades mais íntimas, ela ressoa também em alto e bom som nas ruas, através daqueles que pulam os muros para ampliar o raio dos possíveis, invertendo os papéis estabelecidos.

Depois de acompanhar os secundaristas em situações diversas, nas ocupações das escolas e nas manifestações, e a repressão da polícia, a diretora e atriz da peça Martha Kiss Perrone incluiu o que filmou no meio da cena. As meninas sem blusa pichando os muros tornaram-se então também Rosas, tanto quanto as atrizes e mesmo o público que, nesse momento, silenciam para escutar. “Como é estranho eu viver sempre nessa embriaguez sem nenhuma razão particular; estou aqui há tanto tempo, nessa cela escura, quieta, sozinha, enrolada nos véus negros das trevas, do tédio, da falta de liberdade, mas, apesar disso, meu coração bate com uma alegria interior desconhecida”, diz Rosa Luxemburgo em carta a Sonia Liebknecht, de 24 de dezembro de 1917. “A gente ainda consegue ter a presença da felicidade porque percebemos que deixamos de ser meros adolescentes e nos tornamos cidadãos comprometidos”, diz a estudante Ana Júlia Ribeiro, finalizando o seu discurso, no último 26 de outubro, diante da câmara na Assembleia Legislativa do Paraná.

O espetáculo Rózà circulou, neste setembro de 2016, por oito escolas públicas de São Paulo, da Estadual Maria José (Mazé) até a Escola Cidade de Hiroshima: o cenário foi montado nas quadras esportivas, apropriando-se do espaço dos estudantes e transformando-o em cena, teatro. A peça foi de fato ocupada pelo movimento secundarista: também a seu exemplo, acabou por ocupar as escolas, dando continuidade a um processo de resistência. E, se o espaço cênico ao final se amplia, já que as paredes se rompem para revelar que há muito mais ao nosso redor do que os contornos nos levam a acreditar, dentro das escolas as atrizes encerraram o espetáculo pulando os muros, levando o espectro de Rosa literalmente até a rua.

O mais impressionante foi ver que os estudantes, ao assistirem a esse gesto, não hesitaram em fazer o mesmo: seguiram o pulo inicial e transpuseram juntos os muros até a calçada. Na Escola Fernão Dias, marcada por ser o símbolo das ocupações de luta dos secundaristas em São Paulo, houve mesmo uma performance ao final, completamente espontânea, de duas estudantes, que se posicionaram sobre o muro e, do alto, gritaram contra a diretoria da escola – que, desde o início do dia da apresentação, havia feito tudo o que podia para atrapalhar a possibilidade de se fazer teatro ali dentro, proibindo os alunos de acompanharem a montagem, trancando o coletivo de teatro dentro da quadra e mesmo impedindo arbitrariamente determinadas pessoas de assistirem ao espetáculo.

Eu vou assistir a essa peça porque essa peça sou eu”, gritou a secundarista Leticia Karen, do alto do muro. E, depois, perguntou: “será que nós fizemos o que Rosa fez?”.

Vamos aguçar os ouvidos para escutá-la, para escutá-los, a todos esses seres que circulam no presente e que, às vezes sem saber, ou sem saber que sabem, aproximam daqui as figuras do passado e dançam também com elas: há temperamento suficiente para incendiar tudo isso.


Teaser Rózà nas Escolas

https://vimeo.com/187505626
https://vimeo.com/185268925
https://vimeo.com/185270737

Ficha Técnica

Concepção: Martha Kiss Perrone
Direção:
Martha Kiss Perrone, Joana Levi
A
trizes: Lowri Evans, Joana Levi, Martha Kiss Perrone
D
ramaturgia: Martha Kiss Perrone, Roberto Taddei
C
riação de vídeos e fotos: Marília Scharlach
I
nstalação cenográfica: Renato Bolelli Rebouças
Assistente de direção:
Olívia Niculitcheff

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.