Muito além do saber cartesiano

De que forma novas concepções filosóficas estão questionando o que imaginávamos sobre “aquisição” de conhecimentos. Como elas podem transformar a Educação e a Universidade

Werner Heisenberg, físico teórico alemão que desenvolveu, a partir de suas próprias descobertas, o Princípio da Incerteza. Examiná-lo pode ser essencial para enfrentar, de maneira propositiva,  a crise do ensino

Werner Heisenberg, físico teórico alemão que desenvolveu, a partir de suas próprias descobertas, o Princípio da Incerteza. Examiná-lo pode ser essencial para enfrentar, de maneira propositiva, a crise do ensino

De que forma novas concepções filosóficas estão questionando o que imaginávamos sobre “aquisição” de conhecimentos. Como elas podem transformar a Educação e a Universidade

Por Alex Bretas Vasconcelos

Imagine um círculo que contém todo o conhecimento humano:

1-1

 

Quando você completa o ensino básico, você sabe um pouco:

1-2

 

Quando você completa o ensino médio, sabe um pouquinho mais:

1-3

 

Com uma graduação, você sabe um pouco mais e ganha uma especialização:

1-4

 

Um mestrado te aprofunda naquela especialização:

1-5

 

Ler e estudar teses te leva cada vez mais em direção ao limite do conhecimento humano naquela área:

1-6

 

Quando chega lá, você se foca:

1-7

 

Você tenta ultrapassar os limites por alguns anos:

1-8

 

Até que um dia os limites cedem:

1-9

 

Este pequeno calombinho de conhecimento que ultrapassou os limites é chamado de doutorado

(Ph.D.):

1-10

 

É claro que na sua visão de mundo fica diferente:

1-11

Mas não esqueça da dimensão das coisas:

1-12

Fonte: “The Illustrated Guide to a Ph.D”, de Matt Might.

Esta é a forma que Matt Might, professor da Universidade de Utah, nos Estados Unidos, encontrou para explicar didática e visualmente o que é um doutorado. Inspirado pelo modelo de Matt, também busquei um jeito de comunicar minha visão a respeito do doutorado informal, da qual falarei no próximo post. Antes de apresentá-la, porém, vale destacar quatro questionamentos que tive enquanto lia a explicação de Matt. Vamos a eles:

Só se aprende na escola ou na universidade?

A sequência de gráficos tende a uniformizar os caminhos de aprendizagem, admitindo implicitamente que somente se adquire conhecimento quem segue o trajeto ensino básico  —  ensino médio  — graduação —  mestrado  — doutorado. Não é porque essa via conteudista ainda seja mais valorizada hoje que outros aprenderes deixem de ter importância.

O caso do mecânico mineiro Alfredo Moser, que inventou as lâmpadas engarrafadas que iluminam a partir da luz do sol, exemplifica quão fundamental é estar atento para as aprendizagens da vida. A partir da necessidade  — a invenção foi feita durante os apagões de 2002 –, Alfredo criou uma forma de se obter luz que não depende da energia elétrica e utiliza apenas água, um pouco de cloro e garrafas pet. Hoje, suas lâmpadas bioeficientes já estão instaladas nas casas de centenas de milhares de pessoas ao redor do mundo.

001fd04cf0161376b1aa12

Alfredo Moser e suas lâmpadas de garrafa pet

Somando-se à questão inicial, trago outra pergunta, mais polêmica:

Alguém que fez doutorado tem, necessariamente, mais conhecimentos do que aquela pessoa que não completou o ensino fundamental?

Cada um de nós responderá de acordo com suas crenças e interpretações. Eu acredito que não: isso porque não vejo o conhecimento acadêmico ou científico como superior a nenhuma outra forma de se conhecer. Paul Feyerabend já denunciava o privilégio que a ciência adquiriu historicamente frente a outros campos por um suposto método científico padrão e infalível. Sinceramente, não é porque eu frequentei mais tempo escolas e universidades do que Alfredo Moser que sou mais conhecedor do mundo do que ele  — isso é uma daquelas verdades que às vezes aceitamos sem questionar.

Aliás, a própria construção dessa pergunta já encerra uma crença de que é possível quantificar o aprender, isto é, alguém “ter mais” conhecimentos do que outro. Como se fosse uma competição (infelizmente, muitas vezes ainda é). Falaremos disso mais à frente.

Os conhecimentos humanos existem antes que as pessoas interajam com eles?

A explicação de Matt pressupõe que o conhecimento já existe, e o que as pessoas podem fazer é adquiri-lo e acumulá-lo por meio de sucessivas incursões escolares. A visão de mundo por trás desse raciocínio é o realismo — isto é, há uma realidade objetiva (imutável) e cada um de nós abocanha o que consegue por meio de suas ferramentas cognitivas.

Essa visão ainda é bastante cara a vários nichos da comunidade científica, mas já foi discutida e relativizada exaustivamente pela filosofia. No campo das ciências, alguns físicos quânticos e biólogos (para citar alguns, dentre psicólogos, cientistas sociais e vários outros) começaram a cutucar essa ideia porque suas pesquisas apontavam para evidências incongruentes com o paradigma da qual ela se origina. O princípio da incerteza de Heisenberg, na primeira metade do século XX, e mais recentemente a Biologia do Conhecer de Humberto Maturana são exemplos de achados científicos que sedimentaram o caminho para que alguns cientistas começassem a questionar o materialismo. Em seu lugar, vem à tona a intersubjetividade.

Desta forma, os conhecimentos humanos — tecnologias, métodos, saberes, teorias, invenções e tantos outros  —  passam a existir porque nós nos relacionamos com eles. Mais precisamente, nós os cocriamos continuamente por meio da linguagem. Interagimos com o mundo, com os outros e conosco e a nossa realidade vai surgindo assim, de uma forma diferente para cada pessoa e para cada ser vivo.

É por isso que pressupor uma grande soma de conhecimentos a priori, acessível de modo igual a todos que frequentam determinadas instituições é inconsistente com uma visão de realidade intersubjetiva. Meu aprender vai sendo sempre diferente e único, não dá pra achar que é indústria.

Apenas os doutores podem somar novos conhecimentos à humanidade?

Vejamos: só quem chega no “topo” da escalada do conhecimento humano pode agregar novos desdobramentos a ele. Não coincidentemente, esses alguéns são os doutores.

Já vimos porque não se aprende somente na escola ou na universidade e porque não faz sentido, segundo uma visão mais relativizada de mundo, pressupor que os conhecimentos estão dados e existem a despeito de um sujeito que se relaciona com eles. Agora, para responder a esse novo questionamento, gostaria de propor algumas reflexões.

Se a construção do conhecimento não é objetiva e o aprender é com a vida, então todos nós, sujeitos plenamente capazes de interagir com o mundo (cada um à sua maneira) podemos sim fazer descobertas, criar inovações e sustentar novas perspectivas. Pessoas fazem isso o tempo todo e os aprendizados que elas fazem florescer são decisivos para diversas comunidades ao redor do globo, não apenas para a comunidade científica. O exemplo que citei de Alfredo Moser e sua invenção da luz engarrafada ilustra perfeitamente isso.

Cada vez mais, acredito que a humanidade se interessará e precisará de inovações que surjam da cocriação, que atravessem as relações hierárquicas das instituições acadêmicas e escolares e que bebam da aprendizagem intersubjetiva de cada um.

Por outro lado, você poderia me dizer que a sequência de imagens de Matt está se referindo apenas ao campo científico, pelo fato do objeto em questão ser o doutorado acadêmico. Isso invalidaria, de certa forma, o que eu acabei de argumentar. Ainda que, especificamente no domínio da ciência, a regra do doutor como proponente oficial da inovação possa valer, penso que também a comunidade científica poderia ser muito beneficiada caso isso fosse revisto.

Estudantes de graduação e mestrado – e não raro também os doutorandos  — passam anos acreditando não poder criar coisas novas. Como seria a universidade se, desde o primeiro momento de cada estudante, o ambiente estimulasse radicalmente a descoberta e a inovação? Certamente haveria mais erros, e isso seria ótimo, inclusive para o progresso da ciência.

 Todos nós “adquirimos” conhecimento da mesma forma?

Suponha que a sequência explicativa de Matt represente a minha própria trajetória educacional. Uma outra pessoa, ainda que tenha passado pelas mesmas instituições de ensino que eu, teria seu “gráfico de conhecimentos” muito diferente do meu. Na verdade, isso aconteceria mesmo se fôssemos gêmeos idênticos, porque a maneira com que cada um de nós percebe, conhece e se relaciona com o mundo é singular. Pressupor que pessoas diferentes têm o mesmo “nível” de conhecimento ao terminarem o ensino médio, por exemplo, é querer quantificar o que é eminentemente qualitativo e, além disso, desconsiderar as relações distintas que cada um estabelece com os conteúdos e com a vida. A rigidez e a uniformidade que boa parte das escolas e universidades nos impõe tenta nos fazer acreditar que nossas aprendizagens deveriam ser as mesmas… Mesmo assim, no fundo sabemos que não funcionamos assim.

A própria ideia que criamos, de “aquisição” de conhecimentos, como se fossem produtos industrializados que pegamos na prateleira do supermercado, é uma imagem que deriva de uma compreensão estática e objetiva da realidade. O conhecimento não está lá para pegarmos, ele é construído biológica e culturalmente por nós, numa lógica muito mais “toque do chef” do que comida manufaturada. Somos como grandes chefs de cozinha que conseguem transformar simples ingredientes em pratos saborosos e incomparáveis: ao interagirmos com a realidade, produzimos percepções únicas sobre o que distinguimos, isto é, conhecimento.

Pode parecer que eu não gostei do modelo que Matt criou, mas isso não é verdade. A parte final da narrativa é especialmente interessante, pois propõe aos doutores “descerem do salto” e perceberem o tamanho do conteúdo das suas teses em relação a todo o conhecimento existente no mundo. Além disso, partindo de uma proposta calcada no diálogo, não me cabe desqualificar um ponto de vista, tampouco achar que a minha visão é melhor. Mas, cabe sim eu poder expressá-la.

Em suma: a sequência de figuras diz o que é um doutorado, mas é importante dizer segundo quem. Minha visão de mundo vai mais na linha “toque do chef”.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

9 comentários para "Muito além do saber cartesiano"

  1. ‪#‎ÍNDIOFOBIA‬ DA SOCIEDADE – Assina a Petição: Secretaria Nacional dos Povos Indígenas. ‘Violência contra os Povos Indígenas do Brasil, o aumento dos casos de violência e violações contra integrantes das comunidades indígenas. Basta! Há 515 anos de enganação, Jurídica do Brasil. http://lnkd.in/bwvqDi8

  2. Um ressalva, temos que entender que a demostração gráfica de Matt Might é uma tentativa de explicação didática, e não é por si mesma a própria concepção de um Ph.D. ou seja, um modelo ilustrativo. Ele tenta mostrar como chegamos na fronteira do conhecimento, por mais contraditório que isso possa parecer, não tem a ver com o conhecimento que você relaciona no texto, que seria um conhecimento pré-moldado e posto pra prateleira do supermercado, chegar a fronteiras do conhecimento é na maior parte romper com esse conhecimento pré-estabelecido, e isso na minha opinião é muito mas muito raro de acontecer por vias não acadêmicas, dado o fato de como é construída a ciência, é muito difícil rompermos com essa fronteira sem uma via, que já pressupõem métodos próprios e é extramente complexa e cheia de requisitos para atender. O que é diferente do conhecimento pratico que é exposto acima, pois ele pode ser aprendido tanto em escolas, ou mesmo fora delas sem problema algum, pois ele pouco tem a ver com ir alem do conhecimento conhecido.

  3. Jair Pinheiro disse:

    Como materialista me senti “quase” ofendido com a descrição pobre do materialismo neste artigo e assustado com a substituição do materialismo pela ideia de que o objeto passa a existir quando o percebo pela linguagem. Então a árvore que não estou vendo não existe? É a realidade que existe fora, exteriormente, não o conhecimento, e é o conhecimento que é produzido em relações intersubjetivas ancoradas em instituições estruturadas e estabelecidas (nem que essas instituições sejam só o costume); não a realidade, que continua existindo objetivamente, mas o conhecimento dela é subjetivo para a sociedade e objetivo para o indivíduo, mesmo porque, o conhecimento produzido em relações intersubjetivas se torna objetivo para cada indivíduo que participou da sua produção. Como você pode ver, o materialismo é algo mais complexo do a descrição pobre e vulgar que você fez.

  4. Alex Bretas disse:

    Maicos, acredito que “ir além do conhecimento conhecido” se faz em múltiplos espaços e contextos, não somente nos contornos da academia. Para isso ocorrer, vejo que o mais importante é o par prática-reflexão, imbuído de profunda motivação intrínseca. Isso é do humano.
    Jair, acredito que a árvore que não estou vendo (ou a qual nunca tive qualquer tipo de contato, nem indireto) talvez não exista pra mim, no meu domínio particular de significado. A pergunta que me interessa é: existe para quem? A compreensão intersubjetiva, ancorada no paradigma sistêmico, afirma que toda existência é dada num contexto relacional. Sempre existe um par objeto observado e observador. Assim, não se trata nem de uma visão realista nem de outra subjetivista, e sim de uma visão cujo foco prioritário é no “inter”, nas relações. Nisso pode ser que tenhamos crenças diferentes. E tudo bem.

  5. Tudo bem? Como assim?
    A ciência (que não passa de ‘nome de fantasia’ para ‘conhecimento’) parece ser suficientemente pretensiosa – ou apenas ‘precavida’ – para incluir no seu inventário do quanto é efetivamente conhecido o que estaria ‘para lá’ disso, como é notável no uso de termos e conceitos como ‘transcendente’ e ‘coisa em si’ (ideia de que se pode dizer natimorta, pois por definição é incognoscível, mas de impotância fundamental em virtude mesmo dessa condição), bem como de instrumentos como a indução.
    Assim é de inteiro conhecimento pela ciência tanto essa ‘área’ de extrapolação quanto de sua utilidade. Mas mesmo na comunidade científica isso parece às vezes apagar-se ou estar em vias de extinção, como se empiricamente se tivesse obtido uma certeza quanto a isto que é por princípio incerto, certeza que a teoria, por seu lado, é ainda incapaz de dizer.
    Entendo essa circunstância como algo natural, tendência humana para desnortear-se com a emoção, mas muito estimulada, amplificada, pelo vínculo havido entre ciência e negócios, universo de que é parte a divulgação científica para os cidadãos, que a um só tempo são contribuintes e usuários/consumidores do que a ciência por suposto produz.
    Escrevo ‘por suposto’ por notar a presença de uma certa promiscuidade no entendimento de dois trabalhos tidos hoje por complementares, embora em tese ou muito provavelmente sejam indistinguíveis: refiro ciência e engenharia, esta popularizada com o nome de ‘tecnologia’. Este ponto diz respeito, inclusive, ao exemplo do mecânico que inventa lâmpadas solares com garrafas pet, por suposto sem possuir o ‘necessário’ conhecimento ‘teórico’ para tal: a engenharia parece ser mais tendida à tentativa e erro depois de arregaçar as mangas diante do mundo, enquanto a assim alcunhada na atualidade ‘ciência’ parece um tanto confinada a beber do que escoa das bancadas sobre que trabalha a engenharia enquanto de outro lado lança dardos no escuro acreditando mirar em coisas como buracos negros e outras.assombações, como mostram as polêmicas recentes no tema (isto só para ficarmos nas áreas da física e da cosmologia).
    É possível, portanto, que façamos – leigos e cientistas – ideia algo distorcida do processo inteiro, como sugere a afirmação de que a física quântica seja talvez a mais perfeita das teorias já concebidas na história, no sentido do seu sucesso em ‘prever’ fenômenos, bem como em suas aplicações em tecnologia, sendo entretanto pouco compreendida inclusive por seus especialistas (que não se pejam de o confessar). Enfim, a despeito desse excesso artificial de confiança forjado em função da comercialização do produto científico, tudo indica que continua sendo precipitado, ainda que amplamente praticado e com sucesso, dizer, por exemplo, que há mais árvores além desta que agora vejo e das demais que já vi somente porque desconhecia esta atual enquanto conhecia as outras. Esse gênero de ‘realismo’ (se possível é haver diferentes), continua sujeito às mesmas limitações de desde quando Parmênides propunha seu imobilismo, Pirro, sua teimosia pela incontornável ignorância e Berkeley e Colliler davam roupagem nova, pós-cartesiana, à abordagem desses problemas todos: ele (‘realismo’) tem funcionado, nada obstante não se possa dizer como nem porque.
    E, por favor, perdoem o excesso de palavras.

  6. Agradeço ao autor pela rica exposição e profunda reflexão sobre a busca do conhecimento.

  7. Ricardo A. disse:

    Essa paranoia de conhecimento como soma — e de que alguém possa saber mais dessa soma — parece um grande exercício masturbatório de querer ponderar o imponderável, além de apenas transmitir a impressão de que se trata da masturbação mental de algum diletante recalcado por não ter feito um doutorado, e que dá importância demais para esses fetiches de autoridade. Freud diria que isso é medo do pai.
    Conhecimento não se compara em termos de quantidade, mas em termos de capacidade para lidar com situações. Um doutor em física de partículas pode ser capaz de projetar um motor de fissão que leve as pessoas a Marte em algumas horas, como pode projetar um super-artefato nuclear capaz de dizimar a metade da humanidade, mas será incapaz de caçar um macaco na floresta para sobreviver, por não ter nem a visão acurada dos índios nem a destreza suficiente com um arco.
    Diferentes contextos, diferentes conhecimentos. Não existe termo do universal, assim como não existe esse círculo grande do “conhecimento humano”. Simplesmente porque são muitas as dimensões do “humano”. Para cada uma que se olhe, muitas entranhas se vislumbrarão.
    Esse “humano” é multiforme, fractal… enfim, imponderável.
    O autor desse texto deveria procurar um psicanalista, ao invés de ficar construindo castelos de cartas com seus fantasmas eróticos.

  8. Alex Bretas disse:

    Ricardo, sou o autor do texto e pra mim tudo o que você disse faz total sentido. Inclusive, creio que sua visão é completamente encaixável nos quatro pontos de questionamento que fiz à explicação de Matt Might.
    Os desenhos introdutórios não são de minha autoria, mas o texto subsequente é 🙂
    Muito interessante sua perspectiva, obrigado por compartilhar!

  9. Emerson Lopes disse:

    No link abaixo, é apresentado a experiencia de Bunker Roy, um educador Indiano que fundou uma universidade de conhecimentos populares, com a qual realizou obras onde engenheiros afirmaram ser impossíveis de ser construídas!!!
    Indo de encontro ao pensamento do autor deste artigo, onde nos faz pensar nas diferentes formas de conhecimento!
    Abraços!
    http://www.ted.com/talks/bunker_roy/transcript?language=pt-br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *