Boulos: Sérgio Moro, juiz ingênuo?

Empresas que financiaram o PT abasteceram o PSDB. Patrocinadores do Instituto FHC são os do Instituto Lula. Delações que citam Aécio foram esquecidas. Por que?

bfc380cf2b2f476cc13e74aede662667

Sérgio Moro confraterniza com o tucano João Dória Jr., acusado de compra de votos na própria prévia interna organizada pelo PSDB para escolha do candidato à prefeitura de São Paulo

As empresas que financiaram o PT abasteceram o PSDB. Os patrocinadores do Instituto FHC são os do Instituto Lula. As delações que citam Aécio foram esquecidas. Por que?

Por Guilherme Boulos

O espetáculo da condução coercitiva do ex-presidente Lula na semana passada expôs a nu as motivações políticas do juiz federal Sergio Moro. Criticada por ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e por juristas de todos os matizes (incluindo um ex-ministro de FHC), a operação não tem outra explicação que não o linchamento público de Lula.

O argumento de que a medida extrema foi para a proteção do ex-presidente não convence nem as carolas do Country Club de Maringá, frequentado pelo juiz. O ministro Marco Aurélio Mello, que não é exatamente um petista, afirmou que “não gostaria de ser ‘protegido’ dessa maneira”.

A Lava Jato ganhou popularidade por ter pegado peixes graúdos do empresariado. Os donos do Brasil foram em cana e não saíram no mesmo dia. Assim, Moro elevou-se com a fama de justiceiro, o Falcone das Araucárias. No entanto, com o passar do tempo, a Lava Jato e seu principal condutor foram revelando vícios comprometedores.

O primeiro foi o dos pesos da balança. A décima quarta fase da operação, quando foram presos Marcelo Odebrecht [presidente da Odebrecht] e Otávio Marques de Azevedo [presidente da Andrade Gutierrez], recebeu o nome de “Erga Omnes”, em latim “Vale para todos”. Vale mesmo?

Presidente do PSDB, o senador Aécio Neves (MG) foi citado em mais de uma delação – numa delas como detentor de um terço das propinas de Furnas e… nada. A campanha tucana foi beneficiária de doações das mesmas empresas que financiaram Dilma, por vezes com valores iguais ou maiores. Mas num caso as doações foram criminosas e noutro não? O Instituto FHC recebeu contribuições de várias das empresas investigadas, tal como o Instituto Lula. Mas não consta ter havido busca e apreensão por lá.

Visivelmente a Lava Jato escolheu alvos e excluiu outros. Optou por atacar Lula e o PT e por preservar o PSDB. Além disso, há os incríveis vazamentos das operações e de depoimentos sob “sigilo”. O editor da revista “Época” – do Grupo Globo – anunciou a operação no Twitter com horas de antecedência. Há algo de podre aí. Resta saber o que une Moro, Globo e a PF numa sintonia tão fina…

Por muito menos, o ministro Gilmar Mendes falou em “estado policial” e Paulo Lacerda foi defenestrado da direção da PF em 2007. Aliás, não deixa de ser curioso o silêncio de Gilmar, tão preocupado com as garantias constitucionais, em relação aos procedimentos “heterodoxos” do juiz Moro e da Lava Jato.

Abuso das prisões preventivas, negociações pouco claras em relação às delações premiadas e agora a condução coercitiva (condução compulsória por agentes policiais) sem intimação prévia. Para atingir seus propósitos, Moro abre precedentes perigosos. Com a mente messiânica de um justiceiro, parece estabelecer para si o objetivo de “moralização” do país. Há, porém, sérios motivos para se desconfiar do que ele entende por isso.

Num evento com empresários no ano passado, Moro disse que “a iniciativa privada tem melhores condições de liderar um movimento contra a corrupção”. Hein? A mesma iniciativa privada que sonega R$ 500 bilhões de impostos todos os anos e tem 30% do PIB em paraísos fiscais? Aquela que desviou no esquema do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) mais de três vezes o valor das propinas da Petrobras? Ora, dizer um disparate desses revela ou ingenuidade ou cinismo.

Moro é também admirador confesso da Operação Mãos Limpas, conduzida pela procuradoria de Milão nos anos 1990. A Mãos Limpas prendeu 2.993 pessoas durante quatro anos e investigou 872 empresários, 438 parlamentares e 4 primeiros-ministros. Liquidou com os quatro maiores partidos políticos do país.

O resultado de tudo isso não foi a “moralização” da Itália. Foi a ascensão de Silvio Berlusconi como primeiro-ministro, estabelecendo um reinado corrupto e depravado que durou 12 anos. A Mãos Limpas não acabou com a corrupção porque nenhum justiçamento acaba. É evidente que as investigações sobre corrupção são importantes e devem ser aprofundadas, mas sem as arbitrariedades, achincalhamentos e a seletividade de nenhum justiceiro de toga.

Enfrentar a corrupção no Brasil implica enfrentar um sistema político em que os interesses públicos e privados historicamente se amalgamam. Mas isso não está pautado no horizonte do juiz Sergio Moro. Para ele, trata-se de prender Lula e contribuir com a derrubada do governo petista. Definitivamente não parece ingenuidade.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

12 comentários para "Boulos: Sérgio Moro, juiz ingênuo?"

  1. Luiz Cláudio Fonseca disse:

    Não sei se o sr. Sergio Moro dá aulas, mas a grande imprensa informa que faz palestras e emite opiniões sobre economia. De qualquer forma, o credo do juiz ingênuo soa arcaico, porque se já é ruim confundir formalismo com constitucionalismo, o que se deve dizer sobre a confusão entre formalismo e legalismo? Não se terá alcançado a forma mais baixa de positivismo?

  2. GPen disse:

    Meretríssimo

  3. TRIBUTO A UM ILUSTRE BRASILEIRO QUE SE LEVANTA EM ESPÍRITO FORJANDO A ORDEM E O PROGRESSO NA BENDITA TERRA DE SANTA CRUZ:
    Indiscutivelmente, o MM. Juiz Sergio Moro é legítimo merecedor do reconhecimento e da gratidão de todos nós, pelo esforço, abnegação e competência jurídica com que atua no processo de moralização do Estado brasileiro, como executor da operação lava-Jato; extirpando o mal pela raiz.
    Parabéns e seja mui bem-vindo Dr. Sergio Moro, e que Deus continue iluminando o nosso caminho rumo à Terra Prometida e ao futuro que a Providência Divina nos predestinou.
    A P E L O
    Quanto à remuneração dos trabalhadores brasileiros, de há muito eis que o senso de Justiça vem gritando aos ouvidos dos Justos, que se faz urgente a prioridade de corrigirmos a escabrosa disparidade de salários, proventos, soldos, pensões e aposentadorias, por descriminar e previlegiar algumas classes sociais; porque enquanto houver injustiça entre os homens, não haverá paz na terra.
    Até quando o trabalhador braçal suportará sobreviver com um salário mínimo mensal de Rs.$ 880,00; enquanto que um magistrado percebe Rs.$ 77.000,00, à exemplo de outros agentes públicos graduados, que podem legislar e advogar em causa própria para amealhar ganhos ilícitos, em detrimento do bem comum? De onde deve emanar o exemplo do caráter de lisura e honestidade, senão das Autoridades constituídas?
    Apelamos, pois, para que principalmente o Poder Judiciário siga o exemplo de Juízes como o Dr. Sergio Moro, ao exercer o juízo para praticar a Justiça, pautando-se pela Lei de Deus e pelos Santos Ensinamentos de Jesus Cristo.
    E que a Justiça Divina e a Paz de Cristo seja com todos nós.
    Arnaldo Ribeiro ou Israel

  4. Paulo disse:

    isso não é indício de partidarismo ou vingança pessoal ? será que merece investigação ? não adianta, que é contra vai defender as arbitrariedades desse senhor em benefício pessoal.. Não interessa se é certo, se é constitucional, ou se é ético, o que ta valendo são interesses próprios e escusos. É esperar pra ver.

  5. Ruy Mauricio de Lima e Silva Neto disse:

    Dr.Moro,
    divida urgentemente o seu nababesco salário de 77 mil com os srs.Arnaldo Ribeiro ou Israel, e dê esta formidável contribuição à desconcentração de renda no Brasil e ao combate à corrupção, como o fizeram, tempos atrás, seus saudosos antecessores da Gorilada de 64 que nos livraram definitivamente do kumunismo (como diria o Henfil) e da corrupção, de forma fulminante.

  6. Denize Alcaiide disse:

    Prezado Sr juiz Sérgio Moro, não se preocupe com comentários maliciosos que querem colocar em xeque sua idoneidade e reputação, a fim de desmoralizar a Lava Jato. Sabemos que a oposição à verdade e à justica, contra omissão e corrupção aconteceriam. Mas, há de acabar quando os culpados e verdadeiros corruptos forem devidamente punidos. Nós, povo brasileiro, te apoiamos! Parabéns por sua atuação e coragem! Parabéns ao MP e PF! Parabéns aos juizes do Supremo que apoiam a seriedade da Lava Jato! O povo brasileiro está com vocês!!!!

  7. fernando disse:

    Tinha que aparecer um laranja pra ficar contra quem quer prender ladroes engravatado e politico que nunca viu nada

  8. João disse:

    “Digas-me com quem andas e te direi quem és.”

  9. josé mário ferraz disse:

    Matéria insignificante. Se Lula não é ladrão como os demais, de onde veio sua riqueza, ou ele não é rico? O fato de serem todos ladrões não justifica os roubos de Lula. Muita gente escreve pela obrigação do vínculo empregatício com o jornal.

  10. Esta pessoa esteve realmente lendo as peças judiciais e despachos do Juízo da 13a Vara Federal de Curitiba? Eu estive. E não sou jornalista.
    Se esse jornalista os tivesse lido, veria que são peças técnicas, embasadas, e nada têm de político. Aplicam as leis que existem, tanto as processuais como as que punem crimes de corrupção e correlatos. Agora, se o jornalista é contrário a essas leis, é outra história.
    Resta saber como alguém pode ser favorável ao combate à corrupção apenas em abstrato, sem admiti-lo em seus casos concretos.

  11. Luiz Cláudio Fonseca disse:

    Minha solidariedade constitucional aos movimentos sociais, à Previdência social e à seguridade Social. A Paz precisa pertencer à extensão do país.

  12. Michel Moreno disse:

    Sérgio Moro é um lacaio dos EUA! OS EUA ESTÃO POR TRÁS DO GOLPE NO BRASIL!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *