A pesada ausência de Robert Kurz

Marxista antidogmático, ele seguiu (mas ultrapassou) Escola de Frankfurt. Viu na queda da União Soviética sinal da crise do capitalismo

Por Arlindenor Pedro*

Foi enterrado nesta quinta-feira (26/7), em Nuremberg (Alemanha), o filósofo alemão Robert Kurz, morto dia 18, vítima de uma sequência de operações.

A notícia de sua morte foi anunciada, de forma lacônica, nas paginas da revista Exit! [versão parcial em português aqui], que ele ajudou a fundar em 2004, após a cisão do grupo Krisis onde atuou desde 1986, exercendo importante papel, como editor e publicista. Seu enterro foi marcado para o cemitério daquela cidade, para ser realizado em 26 de julho. No convite, a direção de Exit! fez questão de sugerir que seus amigos não gastassem dinheiro com flores e coroas, guardando seus recursos para eventuais ajudas à revista, que foi a trincheira política desse importante pensador do mundo contemporâneo.

Mas, mesmo nas linhas austeras que anunciaram sua morte, era possível perceber a emoção de seus companheiros, pois sabiam, como nós, a importância daquela perda. Assim se pronunciou a revista: ¨… Com a sua morte, a teoria crítica perde um pensador lutador e um crítico radical, num tempo em que mais que nunca se exige ‘derrubar todas as condições em que o homem surge como um ser humilhado, escravizado, abandonado, desprezível’. Bobby viveu e lutou por isso. A crítica da dissociação e do valor e a revista teórica Exit! perdem um teórico marcante e não será fácil preencher a sua falta. Vamos tentar.¨

A tarefa não será fácil porque Kurz firmou-se como um dos mais importantes teóricos marxistas e críticos do capitalismo contemporâneo, exercendo, através de seus constantes artigos e livros publicados, uma influência decisiva na formulação dos novos rumos dos movimentos revolucionários em todo o mundo.

TEXTO-MEIO

Kurz foi um crítico impiedoso dos conceitos gerais do chamado “marxismo oficial”, desenvolvido pela esquerda dogmática e positivista. Ela ajudou a burguesia liberal a erigir a sociedade da mercadoria em que atualmente o mundo está atolado, levando a humanidade a uma situação de penúria sem precedentes. Para o filósofo, o movimento socialista serviu, em ultima instância, como avalizador das relações de consumo em que vivemos.

Como alternativa, propunha, em seus escritos, um novo olhar para as obras de Marx. Ressaltava os estudos sobre o trabalho abstrato e fetiche da mercadoria, abandonados pelo marxismo oficial. Este optou em ver dogmaticamente o proletariado como o motor principal de mudanças na sociedade. Omitiu-se da luta pela destruição do Estado e da construção de uma nova sociedade onde a mercadoria e o dinheiro não mais seriam os elementos de intermediação entre o homem e a natureza.

Corajoso, Kurz propunha rever os conceitos iluministas que nortearam a construção da sociedade racional, plenamente firmada após a terceira revolução industrial, com a incorporação da ciência ao processo produtivo e o declínio – tanto numérico, quanto político – da classe trabalhadora. Em muitos aspectos, ela tornou-se secundária ou mesmo desnecessária para economia capitalista.

Robert Kurz insere-se na vertente de pensadores marxistas que se preocupava (como a Escola de Frankfurt) com a impossibilidade do homem moderno encontrar sua plena existência num mundo de ampla oferta de mercadorias. Porém, seu pensamento vai além.

O aspecto mais atual do seu pensamento está em interpretar a situação do homem contemporâneo à luz da critica de Marx ao valor. Para isso, Kurz parte do estudo da visão marxiana desenvolvida na Critica da Economia Política, colocando em relevo o conceito de fetiche da mercadoria. Entende o pensamento de Marx como constatação e critica da redução de toda a vida humana ao valor, isto é, à economia. Opõe-se, portanto, à corrente marxista que via a exploração econômica como o mal maior do capitalismo e propunha uma sociedade em que a economia não seria usada para a exploração de uma classe sobre a outra, Kurtz, remetendo ao próprio Marx, concebe a esfera econômica como oposta, ela própria, à totalidade da vida. Aí está sua originalidade.

Seu livro mais conhecido publicado no Brasil, O Colapso da Modernização, mostra que a debacle do chamado “socialismo real”, da extinta União Soviética, só poderá ser entendida ser analisada à luz da crise geral que vive o sistema capitalista.
Com um prefácio primoroso de Robert Schwartz, um entusiasta das ideias de Kurz, esta obra sugere que as mudanças operadas no seio da economia internacional vão conduzir o sistema capitalista a uma falência de proporções catastróficas. A aparente “vitória” das sociedades de mercado, com a queda do Muro de Berlim e da União Soviética em 1989-90, seria uma vitória de Pirro do sistema. Os anos passados desde sua publicação (em 1999) só tornaram o livro mais importante para o entendimento da economia mundial e particularmente a economia de mercado do Brasil.

Para um melhor entendimento das ideias deste importante filósofo, vale ler uma entrevista que concedeu à revista brasileira “IHU online” em março de 2009, quando esteve no país para participar do Fórum Social Mundial.

Serra da Mantiqueira, julho de 2012.

* Arlindenor Pedro [email | blog], é professor de história, funcionário público e especialista em Projetos Educacionais. Anistiado por sua oposição ao Regime Militar, atualmente dedica-se à produção de flores tropicais na Região das Agulhas Negras.

> Edições anteriores da coluna:

Caverna dos sonhos perdidos
Werner Herzog lança luzes sobre arte mágica da pré-história e sugere que deveríamos recompor relação com natureza e cosmos
(7/7/2012) 

John Reed, cronista da revolução inacabada
Na obra de um jornalista norte-americano, reportagem e paixão pelos rebeldes russos que se julgaram capazes de mudar mundo
(1/6/2012)

Joseph Campbell, que ajudou a ver além da razão
“O poder do mito” explora caminhos para recuperar ritos, metáforas e imaginação coletivas, ultrapassando um cientificismo conformista e castrador
(30/4/2012)

A ditadura e o ovo da serpente
Jovens que atrapalharam comemorações da ditadura no Clube Militar estão utilizando suas liberdades democráticas. Onde está a Comissão da Verdade?
(23/4/2012)

O progresso conduz a uma vida melhor?
Para encontrar espaço entre quem vê tecnologia como redenção do ser humano e quem nega seu papel de forma absoluta
(31/3/2012)

Celso Furtado: Economia para a liberdade
No momento em que Brasil debate sua (des)industrialização, vale assistir à cinebiografia do grande pensador que sonhou além dos números
(22/3/2012)

A obra em que Darcy Ribeiro desafia o Brasil
Documentário expõe ideias de antropólogo que divergiu do eurocentrismo e enxergou possível contribuição do país às civilizações contemporâneas. Poderemos realizá-la?
(22/02/2012)

Para reencontrar O país da delicadeza perdida
Duas décadas após lançado, documentário em que Chico Buarque lamenta fim do “homem cordial” sugere novos sentidos para o Brasil
(6/2/2012)

O homem que buscou as Raízes do Brasil
Obra inovadora e vida pessoal peculiar de Sérgio Buarque de Holanda emergem em incursão cinebiográfica de Nelson Pereira dos Santos
(28/1/2012)

O papel rebelde da utopia
Filme de Sílvio Tendler retoma Bloch, lembra que sociedades transformam-se e “astuciar” o mundo é viver agora futuro que desejamos
(13/1/2012)

Por que (re)ver Dersu Uzala
Filme de Akira Kurosawa parece mais atual que nunca, ao questionar padrões mercantis de conhecimento e relação com a natureza
(4/1/2012)

Cinema dentro da história
Leni Riefenstahl ajudou a propagandear o nazismo com seus filmes—mas deve ser responsabilizada pelos crimes cometidos em nome de Hitler? (13/12/2011)

Charlie Chaplin contra a máquina
“Tempos Modernos” mostra que é possível ser otimista mesmo diante de realidades que a todo o momento nos tentam esmagar
(5/12/2011)

Para repensar Ciência e Política
Vinte anos após seu lançamento, “Mindwalk” parece mais atual que nunca, ao questionar uma sociedade agora em crise aberta
(30/11/2011)

Nossa sociedade do espetáculo
Contra a visão de mundo liberal-burguesa, as ideias do francês Guy Debord podem facilitar o entendimento do mundo contemporâneo
(18/11/2011)

Cinema fora de época
O império da razão, defendido por Rossellini, acabou construindo um mundo onde a arte raramente vence as barreiras da mercadoria
(11/11/2011)

Nossa época não é para Glauber Rocha
O cineasta baiano era movido pela utopia: é difícil imaginá-lo vivendo num mundo colonizado pelo capital e dominado pelo consumo
(4/11/2011)

Kluge enxerga um Marx esquecido
Filme de cineasta alemão debate O Capital inspirado por Eisenstein, e sugere, em 8 horas, roteiros para repensar marxismo
(28/10/2011)

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.
Arlindenor Pedro é professor de história, funcionário público e especialista em Projetos Educacionais. Anistiado por sua oposição ao Regime Militar, atualmente dedica-se à produção de flores tropicais na Região das Agulhas Negras.