Possível marco

Duas vacinas cubanas contra a covid-19 prestes a entrar em fase final de testes

Foto: Prensa Latina

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 1º de março. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Cuba pode se tornar o primeiro país latino-americano a conseguir um imunizante eficaz contra a covid-19. Seus laboratórios estão trabalhando em nada menos quatro candidatas, e duas vão entrar na fase 3 dos testes clínicos nos próximos dias: a Soberana 02 e a Abdala. Nos ensaios de fase 2, ambas se mostraram seguras e levaram à produção de anticorpos específicos. 

“Não é um milagre: há um notável desenvolvimento científico em Cuba e 30 anos de experiência na fabricação de vacinas”, diz, no El País, o vice-presidente do grupo empresarial cubano BioCubaFarma, Eulogio Pimentel. Ele lembra ainda que o país foi o primeiro a desenvolver e fabricar uma vacina meningocócica, nos anos 1990, e uma contra a hepatite B.

A ilha tem 11,3 milhões de habitantes e espera produzir 100 milhões de doses das vacinas ainda em 2021. Isso significa que, se tudo der certo,  vai conseguir imunizar a população inteira ainda este ano, exportar o produto e até  aplicar doses em turistas internacionais, como já foi anunciado. 

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 1º de março. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: