O pior do mundo

Brasil fica na lanterna em ranking de 98 países que avaliou respostas à pandemia

Foto: reprodução Twitter

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 29 de janeiro. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

O Instituto Lowy, da Austrália, analisou a resposta à pandemia em 98 países com base em seis critérios: mortes confirmadas; casos confirmados; casos por cada milhão de habitantes; mortes por milhão de habitantes; casos em proporção à testagem; e testes por cada mil habitantes (veja aqui). Em primeiro está a Nova Zelândia, que fechou fronteiras, fez lockdowns pontuais e tem um ótimo programa de testagem e rastreamento de contatos. 

Para surpresa de ninguém, o Brasil ficou em último lugar. Numa pontuação que variava de zero a 100, a Nova Zelândia ficou com 94,4 e nós aqui tiramos 4,3… Bem juntinho conosco, em 97º lugar e com uma pontuação de 6,5 está o México, igualmente marcado pela atuação de um presidente negacionista (mas, este, de esquerda). Ontem o país de 126 milhões de habitantes ultrapassou a Índia, cuja população é dez vezes maior, em número de mortes. Com isso, assumiu o segundo lugar no ranking dos óbitos por covid-19. Já são mais de 155 mil ao todo, e o número de novas mortes diárias tem ficado em torno de 1,5 mil. 

Outros países no finzinho do ranking são Colômbia, Irã e, é claro, os Estados Unidos. A Alemanha, que no início foi celebrada como o grande exemplo ocidental no combate à pandemia, acabou na 55ª posição depois de ver a situação desandar um bocado na segunda onda. A China não aparece no ranking. Segundo o Instituto, faltam dados. 

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 29 de janeiro. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos