O marqueteiro do general

Marcos Marques se diz ‘preparado’ por Deus para assumir a ‘missão’ de alavancar a imagem de Pazuello e, para isso, parece disposto a virar de pernas para o ar a comunicação do Ministério da Saúde

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 21 de dezembro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Eduardo Pazuello contratou um marqueteiro político para cuidar da sua imagem, e reposicionar o Ministério da Saúde durante a crise das vacinas. Transcorridas algumas semanas desde que Marcos Eraldo Marques desembarcou em Brasília, uma matéria do jornal O Globo faz o balanço de sua atuação até agora. Para começo de conversa, Markinhos (como prefere ser chamado) diz ter sido ‘preparado’ por Deus para a ‘missão’.

Ele tem colocado em prática ideias absolutamente estranhas à tradição de comunicação da pasta. É o caso do vídeo em que o secretário-executivo do ministério, Élcio Franco, usa como pretexto as vacinas para atacar o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). E também a sugestão de que Pazuello entregasse o plano de operacionalização da campanha à CNN.

“Internamente, a principal crítica ao trabalho de Markinhos é que ele tem colocado o marketing acima da comunicação institucional. O diagnóstico é que, desde sua chegada, instalou-se o caos na divulgação de informações da saúde”, escrevem os repórteres Paula Ferreira e Gustavo Maia.

Como credenciais, o paraense de 45 anos ostenta a campanha para eleger o bolsonarista Antonio Denarium (sem partido) ao governo de Roraima… Vem daí a sua amizade com Pazuello: o general foi secretário de fazenda de Denarium, e Markinhos de comunicação.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos