Números do IBGE indicam volta ao Mapa da Fome

Insegurança alimentar grave volta a crescer e atinge 10,3 milhões. Problema no campo é quase duas vezes maior que nas cidades. Nos lares onde há mais fome, mais de metade são chefiados por mulheres

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 18 de setembro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

O número de brasileiros enfrentando insegurança alimentar grave subiu 43,7% em cinco anos. Segundo dados do IBGE divulgados ontem, em 2018 havia 10,3 milhões de pessoas nessa situação, contra 7,2 mil em 2013. Mais de um terço da população – 84,9 milhões – morava em casas com algum grau de insegurança alimentar em 2018, e esse foi o maior percentual registrado desde 2004, quando o levantamento começou a ser feito. Dos lares onde havia fome, mais da metade eram chefiados por mulheres. E, zonas rurais, a insegurança alimentar grave é muito mais preponderante do que nas cidades, com quase metade das famílias do campo vivendo com algum grau de insegurança – nessa população, a insegurança alimentar grave atinge 7,1%, contra 4,1% no meio urbano. 

Essa é a primeira vez em que houve queda nos níveis de segurança alimentar no Brasil. Em 2004, 65,1% da população  dizia ter acesso garantido à alimentação. O número foi crescendo e chegou a 77,4%, em 2013., mas em 2018 caiu para 63,3%. Como a desigualdade regional é a regra, no Norte esse percentual foi de apenas 43% e, no Nordeste, 49,7%. Nas demais regiões é muito diferente: 79,3% no Sul, 68,8% no Sudeste e 64,8% no Centro-Oeste. 

Tem mais: os dados são da Pesquisa de Orçamentos Familiares, que não inclui pessoas em situação de rua. Ou seja, o quadro deve ser ainda pior.

Os números gerais são a confirmação de que o Brasil voltou ao Mapa da Fome, segundo Francisco Menezes, pesquisador do Ibase e ex-presidente do Consea (o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional). O Mapa inclui países onde mais de 5% das pessoas ingerem menos calorias do que o recomendável. Como a população em 2018 estava estimada em 207,1 milhões, esse é justo o percentual que os 10,3 milhões de brasileiros com fome representam. 

E isso antes da pandemiaNos últimos meses, o auxílio emergencial certamente melhorou a situação de muitas famílias, nota o pesquisador. Só que ele não é eterno. Quando acabar, há grande risco de termos um cenário ainda pior do que o de 2018, até porque garantir acesso a alimentos não é uma preocupação recorrente de Jair Bolsonaro. “Em julho do ano passado o presidente declarou que quem falava de fome no Brasil estava pregando uma mentira. E nós respondemos na ocasião, ‘vamos discutir isso a partir da divulgação dos dados’. E os dados chegaram (…) Isso mostra que não adianta tentar fingir que o problema da fome não existe. O problema existe e tem que ser enfrentado com seriedade”, diz Menezes, no Valor

Por falar em alimentação, a notícia sobre o ataque do Ministério da Agricultura ao Guia Alimentar para a População Brasileira repercutiu fortemente, e a Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável lançou um manifesto opondo-se à revisão proposta. Ele pode ser assinado aqui.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos