Máscaras melhores

Alguns países começam a restringir uso de máscaras caseiras, exigindo proteção mais robusta em locais fechados. Versões de pano ainda são barreira contra vírus, mas há preocupação com variantes mais contagiosas

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 29 de janeiro. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Quase um ano depois que o debate das máscaras apareceu, hoje já é praticamente um consenso que qualquer máscara protege mais do que máscara nenhuma. Mas com o endurecimento da pandemia e as novas variantes mais transmissíveis, alguns países estão começando a deixar as artesanais de lado. Duas matérias interessantes sobre essa discussão saíram ontem, na BBC e no El País

Na Alemanha, já não se pode mais entrar em espaços fechados (de escritórios a supermercados) com máscaras de pano. A Áustria anunciou que fará o mesmo. A França, que começou desaconselhando o uso delas, agora prepara um decreto impondo de fato proteções melhores: as cirúrgicas, as FFP2 e as de tecido industrial de categoria 1. FFP2 é a nomenclatura europeia das famosas N95; aqui no Brasil, o nome é PFF2. 

No El País, o pesquisador do Departamento de Doenças Infecciosas do King’s College José Jimenes diz que as máscaras caseiras não deveriam mesmo ser permitidas, porque a eficácia delas depende de variáveis como o tipo do material e o número de camadas – e elas não estão sujeitas ao cumprimento de nenhum requisito específico. Em outras palavras, ninguém sabe a capacidade de filtragem da própria máscara de pano.

“Em um mundo ideal, o correto seria que todos usassem máscaras EPIs (FFP2 e FFP3) porque são as mais eficazes para evitar a infecção e a possibilidade de infectar outras pessoas. Porém, são máscaras caras que nem todos podem pagar, nem sempre estão disponíveis e seu tempo de uso é muito limitado. Por isso, mesmo que não sejam perfeitas, acredito que o mínimo aceitável seriam as máscaras cirúrgicas, que são as usadas pelo pessoal de saúde e são mais suportáveis e acessíveis”. Os especialistas dizem, porém, que em espaços fechados nem as cirúrgicas seriam indicadas, pois sua capacidade filtrante é mais baixa que a das FFP2 e ainda por cima o ajuste é pior, deixando folgas. 

De uma ótima matéria que saiu no site The Atlantic em meados de janeiro: “Taiwan ampliou maciçamente sua fabricação de máscaras no início de 2020, de modo que em abril cada cidadão recebia um novo suprimento de máscaras de alta qualidade a cada semana, e o sistema de distribuição era regulamentado pelo governo. A taxa de mortalidade da covid-19 per capita de Taiwan é mais de mil vezes menor do que nos Estados Unidos. Hong Kong tem distribuído máscaras de seis camadas patenteadas (cuja eficácia foi testada em laboratório) a todos os cidadãos. Cingapura está pelo menos em sua quarta rodada de distribuição de máscaras gratuitas, reutilizáveis, multicamadas e com filtros para todos – até mesmo crianças, que recebem máscaras de tamanho infantil”. 

O debate é necessário, mas não muito simples. Como no começo da pandemia, há o risco de desabastecimento. Mesmo as máscaras cirúrgicas certamente pesam no bolso de quem precisa usá-las todo dia – e não é todo governo que está disposto a oferecê-las de graça.
No caso das máscaras PFF2, tem também o fato de que elas são mais difíceis de aprender a usar. E salientamos ainda a questão ambiental, que não tem sido muito levantada nessa discussão. Quase todas essas máscaras com ótima capacidade de filtragem são descartáveis e feitas de materiais cuja decomposição é bem complicada.

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 29 de janeiro. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos