Mais uma prova de incompetência na crise de oxigênio

E-mail enviado por White Martins a militares do Ministério da Saúde pedia ajuda para transporte de insumo de vários locais do Brasil a Manaus, mas pasta só deu conta de parte da logística

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 8 de março. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

A situação dos militares aboletados no Ministério da Saúde piorou sensivelmente desde ontem, com a revelação de mais uma prova material da negligência da pasta na crise de falta de oxigênio de Manaus.

No dia 11 de janeiro, a empresa White Martins pediu o apoio logístico do ministério para deslocar o insumo de vários locais até a capital do Amazonas. O apelo aconteceu em uma reunião convocada pelo próprio Eduardo Pazuello, e foi formalizado em um e-mail enviado horas depois. 

A mensagem é direcionada ao coronel Nivaldo Alves de Moura Filho, que tem cargo na Secretaria Executiva da pasta, e lista quatro itens com necessidade imediata de apoio logístico. Detalhe: dois desses pedidos já estavam sendo tratados com outro militar ocupante do ministério, o tenente-coronel Alex Lial Marinho que é coordenador-geral de Logística de Insumos Estratégicos.

“O item 1 do e-mail eram 350 cilindros de oxigênio gasoso, oriundos de Campinas (SP) e Belo Horizonte. A carga tinha um peso de 24,5 toneladas e deveria ser transportada por via aérea. O item 2 eram 28 tanques de oxigênio líquido, que deveriam percorrer a rota Guarulhos (SP)–Manaus, em cinco voos distintos. O peso total da carga era de 53,5 toneladas. Duas remessas já estavam de prontidão naquele momento. Outras três remessas estavam prontas para serem transportadas nos dias 12 e 13. O e-mail ainda registra o pedido por ajuda para levar sete isotanques a Belém (PA) e para deslocar 11 carretas da capital do Pará a Manaus”, descreve o repórter Vinicius Sassine, que teve acesso ao e-mail. 

O ministério teria dado conta apenas do item 1 antes da falta de oxigênio que estouraria três dias após o envio do e-mail, em 14 de janeiro. O caso é investigado em um inquérito da Polícia Federal aberto pelo STF a pedido da Procuradoria-Geral da República.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: