Mais perguntas do que respostas

Equipe liderada por OMS apresenta conclusões sobre origem do coronavírus após duas semanas de investigação na China

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 10 de fevereiro. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

A equipe internacional liderada pela OMS para investigar as origens do SARS-CoV-2 junto com especialistas chineses encerrou sua missão de duas semanas no país e apresentou ontem suas conclusões. Passado mais de um ano desde que os primeiros casos foram identificados em Wuhan, era pouco provável que os cientistas chegassem muitas certezas. Assim foi. A equipe só foi realmente taxativa em afirmar que o vírus não escapou de um laboratório – algo considerado “extremamente improvável” e que sequer deve continuar sendo estudado.

“Não é impossível. Isso já ocorreu em outros países”, disse Peter Ben Embarek, que liderou os pesquisadores, referindo-se a acidentes de laboratório; ele afirmou, porém, que não havia na época pesquisas sobre vírus com as características do SARS-CoV-2, e por isso a ideia foi abandonada. 

Outras três hipóteses sobre a origem da contaminação em humanos continuam em aberto: a transmissão direta a partir de um animal, provavelmente um morcego; a via indireta, por meio de um animal intermediário; e o contágio a partir de vírus em superfícies congeladas. Esta última tem sido defendida pelas autoridades chinesas, que apostam que o vírus pode ter vindo de outro país a partir de alimentos de origem animal congelados. A teoria nunca teve muito alcance entre cientistas de outros países, e mantê-la em jogo pode ser visto como um aceno a Pequim; porém, a equipe da OMS foi cautelosa ao admitir a possibilidade, salientando que para confirmá-la seria preciso investigar toda a cadeia de fornecedores de produtos para Wuhan. 

O mais plausível, por enquanto, continua sendo a ideia de que vírus surgiu em morcegos e passou para outra espécie antes de saltar para humanos, mas ainda não se sabe que animais estariam por trás disso.  Segundo Peter Ben Embarek, as novas informações conseguidas apontam que o vírus provavelmente circulou fora de Wuhan antes de ser detectado lá; A hipótese de que um mercado local tenha sido o primeiro epicentro da epidemia foi descartada.

Os pesquisadores também não encontraram nenhuma evidência de que o vírus tenha se espalhado nesta ou outra cidade chinesa antes de dezembro de 2019. Os representantes chineses da missão bateram na tecla de que o vírus pode ter surgido em outro país, passando desapercebido; novamente, a equipe internacional não rechaçou a hipótese, mas alertou que novos estudos são necessários e que as poucas pistas apresentadas até agora nesse sentido (como um estudo que identificou anticorpos contra o coronavírus em amostras de sangue na Itália, no outono de 2019) são inconclusivas. 

Entender a origem do vírus pode soar como uma necessidade secundária quando a maior parte do mundo atravessa problemas urgentes – as mortes que se acumulam, a crise econômica, a falta de acesso às vacinas –, mas entender bem o que aconteceu é fundamental para evitar que essa história se repita. Como já dissemos bastante por aqui, outras ameaças, tão graves ou piores do que a covid-19, estão sempre à espreita. Mas a investigação da OMS demorou demais para decolar, e obviamente é uma questão tão científica quanto política. As autorizações para explorar a China vieram em conta-gotas. Uma primeira equipe da Organização chegou a Pequim ainda em fevereiro do ano passado a fim de conduzir os primeiros estudos, mas não conseguiu nem a visitar o mercado de animais vivos em Wuhan.

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 10 de fevereiro. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos