Antecipadas ou despejadas?

Queiroga anuncia “antecipação” da entrega de vacinas da Janssen, mas lote está prestes a sair da validade

Foto: Markus Spiske / Unsplash

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 9 de junho. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Três milhões de vacinas da Janssen devem chegar ao Brasil na semana que vem, o que foi anunciado pelo ministro Marcelo Queiroga como uma vitória: o governo teria conseguido antecipar a vinda dessa leva, de um total de 38 milhões de doses que seriam entregues a partir dos próximos meses. Mas tem um detalhe: as vacinas “antecipadas” estão quase saindo da validade, e já vencem no dia 27 de junho. O país terá entre 10 e 14 dias para receber, distribuir e aplicar tudo.

A informação foi revelada pela Folha e confirmada por Queiroga na CPI. O presidente do Conass (o Conselho Nacional de Secretários de Saúde), Carlos Lula, disse que os secretários municipais e estaduais foram consultados pelo Ministério da Saúde para saber se valia a pena aceitar a oferta da farmacêutica. A avaliação foi a de que, com “esforço”, é possível aplicar as doses sem perdê-las. “Seria errado se não aceitássemos. Nós precisamos de vacinas. Vamos ter um prazo curto, mas obviamente vai dar para operacionalizar”, diz ao G1 Mauro Junqueira, secretário executivo do Conasems (que reúne os secretários municipais).

Que dá, dá. E é bom receber qualquer quantidade de vacinas, ainda mais sendo de dose única, como as da Janssen. Mas o certo, obviamente, é receber doses com mais vida útil pela frente, de modo que a história toda não deixa de ser péssima. Há pouco tempo vimos que a Janssen vem pressionando países da América Latina a aceitar vacinas já descongeladas, portanto com o prazo de validade apertado.

Ao mesmo tempo, governadores dos Estados Unidos têm alertado a farmacêutica de que doses da vacina vão acabar indo para o lixo, caso não sejam usadas nas próximas semanas ou enviadas para outros lugares. “Mais de 10 milhões de doses da vacina foram entregues aos estados, mas não administradas, de acordo com dados coletados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças”, diz o New York Times. 

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 9 de junho. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: