Quase 20% dos vacinados estão com dose de reforço atrasada

Mais de 1,5 milhão de pessoas ainda não voltaram para tomar segunda dose, diz Queiroga — que, no entanto, não apresenta plano de melhora

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 14 de abril. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

O ministério da Saúde, Marcelo Queiroga, disse ontem que mais de 1,5 milhão de pessoas ainda não voltaram para tomar a segunda dose das vacinas dentro do prazo certo, estipulado pelo plano de imunização. Pode não parecer, mas é muita gente: como só sete milhões de pessoas receberam as duas doses até agora, dá para dizer que quase 20% de quem deveria ter tomado o reforço está com o esquema atrasado. Como se sabe, desse jeito a proteção fica prejudicada.

É um problema inesperado? Não, e uma solução deveria ter sido planejada com antecedência. Mas só agora a pasta disse que vai conversar com Conass e o Conasems (que reúnem secretários estaduais e municipais de Saúde) para orientar a busca ativa dessas pessoas. 

“Falta uma grande campanha de mobilização explicando sobre a exigência de duas doses. Poderíamos ter feito cadastramento, enviado e-mail, mensagem até por SMS, como todos os países estão fazendo, para as pessoas voltarem aos locais de vacinação”, disse a epidemiologista Carla Domingues, que coordenou o Programa Nacional de Imunizações de 2011 a 2019, ao Estadão.

Em vez disso, o que acontece é que os vacinados são informados sobre o retorno no momento em que tomam a primeira dose, e a data é marcada no cartão. Se a pessoa não entende ou tem dificuldade para ler (ou simplesmente esquece), fica por isso mesmo. A reportagem sugere ainda que, em alguns municípios, podem estar faltando vacinas para a segunda dose. No fim de março, o Ministério passou a orientar que não se reserve mais metade dos lotes para esse fim. 

Em tempo: Queiroga havia pedido à OMS que antecipasse o envio de doses da Covax Facility para o Brasil. Isso não vai acontecer, observa o colunista do UOL Jamil Chade. No seu cronograma atualizado de entregas, a agência manteve a estimativa de 10 milhões de doses até junho, mesma quantidade divulgada em janeiro. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos