Universitários famintos e sem teto

Nos EUA, mais de um terço dos universitários não come o suficiente e não tem moradia segura

Nos EUA, mais de um terço dos universitários não come o suficiente por falta de dinheiro e não tem uma moradia segura

O resumo desta e de outras notícias você confere aqui em oito minutos.

(Quer receber de manhã cedinho a newsletter do Outra Saúde por e-mail? Clique aqui)

Se inscreveu e não recebeu? Dá uma olhada na sua caixa de e-mail. A news tem ido parar na aba “promoções”

UNIVERSITÁRIOS FAMINTOS E SEM TETO

Uma pesquisa da Universidade Temple, na Filadélfia, entrevistou mais de 40 mil estudantes de 66 universidades espalhadas pelos Estados Unidos, inclusive em cursos técnicos. O que mostrou? Que mais de um terço deles não come o suficiente por falta de dinheiro e não tem uma moradia segura. Os números assustam: 36% dos universitários sofrem de insegurança alimentar, 36% têm moradia precária, 9% passaram pelo menos um dia sem comer nada no mês anterior à entrevista e 9% sequer tinham um lugar para morar em 2017 (viviam em albergues, veículos e prédios abandonados). Nos cursos técnicos, esses números foram 42%, 46%, 6% e 12%, respectivamente.

Os principais motivos são o alto custo dos estudos, a dificuldade de encontrar empregos de meio período, a falta de auxílio, o maior número de alunos com menos grana e o fato de as instituições ignorarem o problema. A responsável pela pesquisa disse à BBC, diz que elas “não se veem na função de ‘cuidar de adultos'” e “não se dão conta de que não se trata de não ser capaz de cuidar de si mesmo. Trata-se de não ter dinheiro suficiente para isso”. Aparentemente, nenhuma solução tem sido apresentada pelas instituições ou pelos governos – o que a matéria mostra é um projeto de doações voluntárias para custear a alimentação dos estudantes.

CHEGANDO DOS EUA

A empresa norte-americana de vacinas BioProphecy se instalou em um parque da USP, o Supera Parque, em Ribeirão Preto. “A vinda da empresa foi possível por meio do programa softlanding oferecido pelo Supera International Office, que tem por objetivo facilitar a entrada ou expansão de empresas internacionais no País”, diz o Jornal da USP. A BioProphecy pode se tornar pioneira na produção de vacina contra zika.

TECNOFILIA

Conhecido como o ‘futurista da saúde’, o cirurgião venezuelano Rafael Grossmann foi o primeiro a fazer uma cirurgia transmitida via streaming em tempo real, em 2013. Nesta entrevista à Folha, ele comenta as vantagens de usar novas tecnologias na saúde. Diz que a transmissão de procedimentos, por exemplo, possibilita que se peça ajuda a cirurgiões mais experientes em locais distantes e que estudantes acompanhem como se estivessem na sala de cirurgia.

E um sistema de inteligência artificial vai varrer tomografias de tórax feitas no Hospital Sírio Libanês (São Paulo) para procurar riscos de câncer de pulmão, em parceria com a Siemens. Já a IBM se juntou ao Grupo Fleury para fazer diagnósticos.

MENOS 34 MIL

O SUS perdeu 34 mil leitos entre 2010 e 2018. Embora o tom da GloboNews seja de preocupação, o Ministério disse em nota que a desospitalização é tendência mundial e que, nos casos de alta complexidade, o número de leitos vem aumentando. “São 494.240 leitos no Brasil, sendo 332.177 exclusivamente SUS. Desse total, 43.970 leitos de UTI, sendo 21.471 SUS (50% do total)”, contabiliza a pasta.

NOVAS REGRAS

Gilberto Occhi e representantes da ANS estiveram ontem na Câmara e defenderam novas regras para a cobrança de coparticipação e franquias nos planos a partir do ano que vem. Gustavo Macieira, da Agência, disse que o objetivo de estabelecer um teto anual e mensal seria proteger beneficiários contra cobranças abusivas. A defesa foi feita em audiência pública pedida pelo deputado Ivan Valente (PSOL-SP). “Essa ideia de que vão baixar os preços dos planos de saúde está errada. O que existe é um aumento da participação real do cidadão nos planos de saúde”, criticou Valente, que também questionou sobre o aumento no valor dos planos e cobrou a retirada de dois candidatos à diretoria da ANS – um por suspeita de corrupção, outro por conflito de interesses.

SOBRE SANEAMENTO

O saneamento básico no Brasil ainda é problemático – 120 milhões de pessoas não têm acesso a esgoto tratado – e, em entrevista ao IHU Online, o economista Pedro Scazufca comenta desafios e soluções. Ele é um dos responsáveis pelo estudo que levou ao Ranking do Saneamento 2018. Diz que o volume de investimentos na área é proporcional aos avanços, e que as cidades mais bem colocadas são geralmente mais ricas e com processos de urbanização mais organizados. E considera que o capital privado na área é bem-vindo.

EMPURRÃO

inflação deve ser impulsionada pela alta no preço dos medicamentos: no fim de março, o governo autorizou aumento de 2,84% no valor médio, e economistas ouvidos pelo Poder360 dizem que isso deve levar o IPCA a 0,27% ao mês (em março, o índice foi 0,09%), O percentual certinho vai ser anunciado hoje pelo IBGE. De todo modo, isso não deve mudar os planos do Comitê de Política Monetária (Copom), que pretende cortar a taxa básica de juros (a Selic) em 0,25 ponto percentual.

HEMOBRÁS

No ano passado uma liminar obrigava a União a contratar, em seis meses, uma indústria fracionadora de plasma para a Hemobrás. Mas até hoje isso não foi feito, e agora o MPF em Pernambuco pediu à Justiça a cobrança de multa.

TÁ PUXADO

Se você não fuma nem frequenta ambientes onde o cigarro é liberado, saiba que não está tudo sob controle. Uma pesquisa da Universidade de Drexel mostra que as toxinas do cigarro vão continuar te achando: o fumo de ‘terceira mão’ acontece porque essas toxinas se depositam em roupas, objetos e até em partículas do ar, que se dispersam. Elas foram encontradas em um percentual alto mesmo em uma sala vazia, onde fumar não era permitido há tempos.

NOVO CHOQUE ELÉTRICO

A terapia de choque elétrico pode voltar a ser usada – em uma versão mais light do que no século passado – em tratamentos contra a depressão, caso dois medicamentos já tenham falhado. É o que diz um artigo publicado no JAMA Psychiatry.

VAI MORRER HOJE

Hoje o botânico australiano David Goodall, de 104 anos, deve escutar a Nona Sinfonia de Beethoven e tomar um remédio mortal. Na segunda-feira ele chegou com seus familiares à Suíça, onde o suicídio assistido é permitido. E deu ontem uma entrevista coletiva, dizendo esperar que sua morte estimule outros países a deixar que idosos escolham quando e onde desejam morrer. Até dois anos atrás ele lecionava em uma universidade, mas foi demitido – a instituição alegou preocupação com sua saúde. Goodall ficou deprimido, reclamou de preconceito etário e a decisão chegou a ser revertida, mas a depressão não. Sua saúde física também vai mal. “Eu lamento ter chegado a essa idade. Preferiria ser 20 ou 30 anos mais novo”,  ele disse em outra entrevista, no ano passado.

DE OLHO

Foi afinal remarcada para o próximo dia 15 a reunião da comissão especial da Câmara que vai analisar o Pacote do Veneno. O relatório deve ser votado no dia seguinte. Na Rede Brasil Atual, o resumo da ópera. Ontem a Anvisa se somou às vozes contrárias, divulgando este posicionamento.

PARA VER NO CINEMA…

Estreia hoje O Renascimento do Parto 2, sobre a violência obstétrica. Especialistas ouvidas pelo G1 dizem que algumas práticas violentas já começaram a mudar, e novas diretrizes da OMS e do Ministério da Saúde ajudam.

… E EM CASA

Uma animação brasileira de três minutos explica as especificidades e dificuldades do atendimento necessário às populações do campo. Ela foi premiada na 15ª Conferência Mundial de Saúde Rural, que aconteceu mês passado na Índia, e foi feita por estudantes do Rio e de Minas em parceria com a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade.

TRABALHO E SAÚDE

O Conselho Nacional e Saúde avalia que as mudanças na CLT, em vigor há seis meses, já afetam a saúde dos trabalhadores. Em reunião ontem os conselheiros decidiram publicar uma recomendação ao STF, para que o Supremo acate 21 ações de inconstitucionalidade que já tramitam contra a reforma.

AGENDA

Vai ter debate sobre o livro Austeridade: uma ideia perigosa: segunda-feira, dia 14, na Uerj.

A relação entre democracia e o cuidado em saúde mental é tema de um ‘diálogo digital’, que vai ser feito ao vivo no site do Conselho Federal de Psicologia, no dia 17.

Dia 21, a Fiocruz debate o setor privado no evento ‘Mercado de serviços de saúde: o problema vira solução?’

E a escritora Conceição Evaristo vai abrir o evento de comemoração dos 25 anos da Editora Fiocruz junto à professora Eliana Yunes. Vai ser no dia 22/5 no Museu da Vida (na Fiocruz Rio).

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos