Pinheirinho: Suplicy indigna-se; moradores veem-se em campo de concentração

Mais dois vídeos sobre um episódio que marcará o Brasil por anos. Moradores expulsos apontam condições sub-humanas do ginásio em que estão confinados. Senador emociona-se, ao constatar insensibilidade de seu colega diante de drama humano

Eduardo Suplicy, reconhecido pela calma exagerada, reage com indignação à atitude de Aloízio Nunes Ferreira (PSDB-SP), que tentou inviabilizar uma audiência convocada pela Comissão de Direitos Humanos do Senado

Cenas de uma dignidade possível: o líder comunitário Valdir Martins de Souza conta que antes da desocupação, Pinheirinho era considerado um exemplo. “Nós mostramos como fazer casas populares com baixo custo, abrimos ruas sem ajuda do poder público e vivemos oito anos na área sem que fosse registrado um único crime. Agora, para reparar o que foi feito em Pinheirinho, a única solução é a desocupar a área e construir casas populares nela ”.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "Pinheirinho: Suplicy indigna-se; moradores veem-se em campo de concentração"

  1. Safira Elza Moura Caldas disse:

    Muito triste conviver com eswte tipo de sociedade tão indiferente e tão culpada.

  2. Ivande Quirino de Oliveira disse:

    Deixo aqui meu apoio e solidariedade ao povo de Pinheirinho! O que aconteceu foi um ato selvagem e desumano de estado que está a serviço da Burguesia em prol de um projeto desenvolvimentista que só visa lucro e esploração. Isso só mudará quando derrubermos a burguesia do poder e colocarmos a classe trabalhadora para governar este País. Devemos nos unir e levar este debate a toda a população urbana em condições de proletariádo para que podermos unir campo e cidade e, fazer o enfrentamento com o Capitalismo e construir uma nova Sociedade Igualitária e sem exploração.
    Sou o Ivande. Do MST. E quero ajudar os trabalhadores em tudo e que for precíso, principalmente onde houver injustiça e desumanismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *