Bando hostilizou João Pedro Stédile em Fortaleza

Líder do MST reagiu com altivez e serenidade. Mas ato — que merece resposta imediata — é outro sinal de que a crise política pode transbordar a institucionalidade e se converter em algo monstruoso

Por Valter Pomar*

Na noite de 22 de setembro de 2015, no aeroporto de Fortaleza, João Pedro Stédile foi vítima de uma agressão.

Os detalhes da agressão foram filmados e divulgados, através das redes sociais, pelos próprios agressores.

Quem assiste aos cerca de 6 minutos do vídeo divulgado percebe que faltou pouco para a agressão virar um linchamento.

Minha solidariedade ao companheiro João Pedro e a companheira que o escoltou.

João Pedro é um símbolo. Como Lula é um símbolo.

Por isto a bomba no Instituto Lula. Por isto a agressão a João Pedro (precedida, como lembra a nota divulgada pela direção nacional do MST, pela campanha “Vivo ou morto”).

A agressão a João Pedro merece resposta imediata.

Os governos federal e estadual, a polícia, a justiça e o Ministério Público têm a obrigação de –cada qual no seu papel– identificar e punir os responsáveis.

O conjunto dos movimentos sociais e partidos de esquerda tem a obrigação de fazer um ato público unificado, entre outras coisas para lembrar que por trás de cada um dos fascistas de aeroporto, há mandantes e autores intelectuais que devem ser desmascarados e responsabilizados.

E, acima de tudo, a ficha precisa cair.

É extremamente didático que, na mesma noite em que os vetos presidenciais eram mantidos no Congresso, tenha ocorrido a agressão contra João Pedro. É mais um sinal, entre tantos, de que a crise política transborda a institucionalidade e está se convertendo noutra coisa.

Para alguns setores da direita, não se trata apenas de afastar Dilma, inviabilizar o PT e criminalizar Lula. Os cavernícolas querem sangue. Seu alimento é a inação e pusilanimidade que prevalecem em parte do lado de cá. A estes e a todos nós, vale lembrar: bons modos nunca derrotaram fascistas.

* Valter Pomar é historiador e integrante da Direção Nacional do PT

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

8 comentários para "Bando hostilizou João Pedro Stédile em Fortaleza"

  1. Se esse tipo de manifestação continuar impune o país mergulhará numa sangrenta guerra civil, a impunidade é conivente com o crime!

  2. Denisar disse:

    Quando passei a acompanhar essa página não sabia que aqui se abre espaço para a fala de dirigentes partidários. Quem tem um mínimo de discernimento político sabe que o caos em que o Brasil se encontra se deve, em grande parte, à atuação dessas agremiações, invariavelmente formadas por indivíduos que se reunem embaixo de uma sigla com objetivos que não são aqueles que o país espera de brasileiros honrados. O povo brasileiro sabe muito bem o que representam os “símbolos” a que o sr. Valter Pomar se refere e não se deixa mais enganar. A prova disso são as manifestações espontâneas de repulsa ao PT e a tudo o que ele representa, que ocorrem em todo o país. Espontâneas, sim. Por mais que o sr. Valter Pomar tente associá-las a “mandantes”. E se a crise política está “se transbordando e se transformando noutra coisa”, é mais pelo discurso de ódio dos dirigentes desses ditos movimentos sociais e de seu líder supremo do que pelas manifestações espontâneas da sociedade.

  3. Francisco Carlos disse:

    “…. Agora, há uma coisa que os brasileiros poderiam aprender com cuba; que é: o princípio da igualdade – Todo mundo tem acesso à universidade; você conversa com arrumadora de cama de um hotel; ela fez geografia, você conversa com o porteiro do hotel; ele estudou história e se doutorou em história”.
    “Negros – tem muitos negros! Porque cuba, “no fundo”, é uma Bahia que deu certo – maioria negra”. “Grande parte desses negros alguns são embaixadores”. “Nós nunca teríamos essa chance se nós não tivéssemos tido essa revolução (O termo Revolução Cubana é genericamente utilizado como sinônimo do Castrismo, governo autoritário, mas que em sua origem notabilizou-se pela implantação de uma série de programas assistencialistas sociais e econômicos, notadamente alfabetização e acesso a saúde universal.). Então, Cuba criou uma grande igualdade de oportunidades a população. Em dois pontos ela é uma lição para nós: ela tem um dos melhores serviços de saúde do mundo, onde mesmo gente dos estados unidos: milionários, vão se curar em cuba. E, segundo lugar: tem uma das melhores escolas de formação; quer dizer: uma política educacional”. “Você conversa com meninos de rua que, faz escola: conhece, às vezes, a história do Brasil, mas do que a gente. Os nossos poetas, os nossos cantores”. “Lá não existe alfabetismo – então, cultura e educação são as duas bases que dão grandeza a um povo”. “E por outro lado Cuba é muito mais segura”: “enquanto em cuba há um crime por mês – em havana, há mais de 60 em Washington”. “E eu pergunto: onde existe mais respeito pelos seres humanos? Então, o que existe é muito preconceito…
    https://www.facebook.com/brasildefato/videos/969822219732409/

  4. X disse:

    Você não tem vergonha de postar esse texto?
    Você é certamente desprovido de inteligência. Manipulado em suas colocações, como muitos no “nosso” país.

  5. Davi M disse:

    Nunca antes na história desse paífi se falou, se viu e se ouviu tanta bobagem. Senhor, se sois brasileiro, olhai por nós! Livrai-nos desse mal que o PT nos fez… Amém.

  6. Armando disse:

    Intrigante o que o cidadão escreve agressão……..
    O que fez e faz os companheiros desse “cidadão” nas fazendas e outros locais no minimo deveria estar preso a muito tempo.
    E espero que seu companheiro LULA tambm vá em cana que é o lugar dele.

  7. josé mário ferraz disse:

    Ignorantes de sociabilidade e latifundiários milionários são contra a luta do Stédile. Quanto ao Lula, o livro O Chefe diz tudo.

  8. Maria disse:

    Manifestantes ricos. Não teriam que acordar cedo para trabalhar. Puderam ficar à espera da presa à noite no aeroporto.
    Certamente são sonegadores posto que inescrupulosos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *