Ato internacional resiste à anexação da Palestina

Judith Butler, Achille Mbembe e ativistas de vários países protestam via internet, neste sábado. Com apoio de Trump — mas vasta oposição internacional — governo de ultra-direita israelense quer, como os nazistas, incorporar país estrangeiro

Israel avança em sua política de colonização da Palestina. O chamado “Acordo do Século” pretende anexar oficialmente o Vale do Jordão, todos os assentamentos ilegais, a margem norte do Mar Morto, além de garantir o controle total de Jerusalém por Israel. A nova anexação dará continuidade à pulverização do território, oficializará o apartheid já existente, aumentará as extremas dificuldades de ir e vir do povo palestino e haverá mais apropriação de recursos naturais palestinos, entre outras consequências.

Anunciado ainda em novembro de 2019 pelo secretário de Estado de Donald Trump, Mike Pompeo, o novo acordo passa por cima de mais de quatro décadas de negociação na Cisjordânia. O plano de anexação prevê que o Israel se aposse de 30% do território, onde residem ilegalmente cerca de 400 mil colonos – mas também, quase 3 milhões de palestinos.

As discussões para dar início ao processo ocorreriam no dia 1º de julho. Mas por pressão da comunidade internacional e o silêncio do presidente norte-americano para o aval decisivo – talvez pelas prioridades em conter a crise de coronavírus no próprio território, e a preocupação pelas eleições da qual não é favorito – adiaram os planos da ofensiva do Estado israelense.

Líderes e organizações condenam veemente as investidas de Benjamin Netanyahu, temendo o acirramento de conflitos étnicos e religiosos na região – já intensos com a forte presença de militares israelenses, que dificultam o transporte e o livre desenvolvimento da maioria população palestina.

+ OUTRAS PALAVRAS é financiado pelas pessoas que o leem. Faça parte >>>

A ONU e o direito internacional estabelecem enfaticamente a inadmissibilidade da aquisição de território por guerra ou força. No entanto, Israel segue desrespeitando leis e acordos internacionais. Mais uma vez, o grande ausente dos “acordos” que envolvem a Palestina é o povo palestino.

Sábado, dia 04 de julho, venha somar-se à luta em defesa do povo palestino e contra anexação.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: