Fascismo no Brasil se manifesta também por sua face machista

sabatella

Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Das ofensas de um desqualificado a Letícia Sabatella à médica que não quis atender uma mãe petista, multiplicam-se casos em que barbárie política sobra para a mulher

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

O nome do cidadão que ofendeu a atriz Letícia Sabatella – e teve milhares de compartilhamentos no Facebook – não merece ser exposto. Seria alimentação de trolls. Mas o fenômeno que ele representa é mais amplo: o do machismo que emerge junto com a onda fascista de ódio e desprezo por quem se declare contra o golpe.

Não é o único caso. Relatamos aqui as agressões a mães que estavam de vermelho, acompanhadas de seus bebês. Eles fariam isso se fossem pais fortões? E a pediatra que se recusou a atender o filho de uma petista? Quantos códigos ela terá rasgado (e não somente como médica) para exercitar sua intolerância?

Vale lembrar que mulheres também perpetuam o machismo. Basta ir à página do cidadão que morre de inveja da Sabatella para ver a quantidade de mulheres que fazem coro às ofensas, concordam com a gritaria do sujeito e ainda a chamam de “lixo”, de “vagabunda”. (Que educação triste e terrível tiveram essas coitadas?)

Observa-se, com razão, que o revoltadinho que ofendeu a atriz (“ordinária”, “escrota”), e que a remeteu a outra profissão (como se as profissionais do sexo fossem seres inferiores), escolheu exatamente La Sabatella como alvo, em seu perfil seguido por mais de 25 mil pessoas. E não, por exemplo, Chico Buarque. (Sim, significa.)

A atriz Ingrid Guimarães também foi vítima, na quarta-feira, de fanáticos violentos. Com direito a ameaças: “Ingrid Guimarães é hostilizada ao criticar Bolsonaro: ‘Fui chamada de vagabunda’“.

Desnecessário lembrar que boa parte das críticas a Dilma Rousseff ocorre não a partir de referências legítimas, mas com esse machismo primário, raivoso, por meio de palavras salivantes, que dizem muitíssimo sobre as pessoas que as proferem e nada sobre a presidente – evidentemente criticável sob outros aspectos.

E não que o fenômeno se restrinja a fascistas antigoverno. Até porque as críticas feitas à candidata Marina Silva por parcela da militância pró-Dilma, nas eleições de 2014, não fugiram nem um pouco desse roteiro covarde, executado por homens covardes e (em menor escala) mulheres covardes, e esta é a palavra-chave: covardia.

LEIA MAIS:

Já são cinco os casos de mães com bebê agredidas por uso de vermelho

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Fascismo no Brasil se manifesta também por sua face machista"

  1. ana disse:

    o fascismo é a crise do patriarcado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *