Ler primeiro: Jesus Cristo espancando Hitler

omonis15

Para que possamos, sempre que precisarmos, pensar em Hitler e em seu sofrimento, e ficar, assim um pouco mais felizes e reconfortados…

Por Rafael Sperling | Ilustração: Ticiano, Baco e Ariadne

Jesus Cristo espancando Hitler. Espancando e gritando coisas horríveis, para que ele sofra. Falando de como espancou e estuprou ambas as avós de Hitler, a materna e a paterna. Falando coisas horríveis e espancando. Espancando seus ouvidos e gritando, fazendo com que ele sofra com as palavras e com os socos. Com os socos e com o cano de ferro. Jesus Cristo usando um cano de ferro para acertar a cabeça de Hitler e para penetrar o seu ânus. Penetrando o seu ânus e gritando coisas horríveis no buraco do cano de ferro, gritando como ele pôs fogo na família toda de Hitler e depois a jogou do alto de um prédio em chamas, para que o ânus de Hitler sofra duplamente, com a penetração do cano e com as palavras dolorosas. Jesus Cristo pregando as mãos de Hitler na cruz. Pregando suas mãos e pregando seus pés, para que ele sofra pendurado na cruz, para que ele sofra como fez milhões de pessoas sofrerem. Para que ele sofra de forma concentrada todo o sofrimento de todas as pessoas que ele fez sofrer. Para que ele sofra como nunca ninguém sofreu. Para que ele sofra física e mentalmente. Para que ele sofra todas as dores possíveis, em todas as partes de seu corpo e de sua mente. Para que todos os seus prazeres transformem-se em dor, e todas as suas alegrias em tristeza. Para que cada vez que ele pensar em sua família ele queira morrer e queira matá-los. Para que ele queira se matar milhares e milhares de vezes, como única alternativa possível de existência, e queira matar sua família milhares e milhares de vezes, como única atividade possível em sua realidade. Jesus Cristo ejaculando em uma ferida aberta na barriga de Hitler. Ejaculando e gritando de prazer. Prazer de ejacular e de fazer Hitler sofrer. Jogando seu sêmen na corrente sanguínea de Hitler e o tornando impuro, com o sêmen divino. O tornando digno de ser espancado e humilhado. Humilhado com fezes. Jesus Cristo defecando e jogando suas fezes no rosto de Hitler. O fazendo comer suas fezes e o obrigando a defecar, para que ele também coma as próprias fezes, fazendo com que ambas as fezes se misturem em seu estômago, o fazendo duplamente humilhado. O fazendo duplamente humilhado e elevando a humilhação de maneira exponencial, chamando mais pessoas para humilhá-lo, e cada nova pessoa chamando outra, até que milhões e milhões de pessoas humilhem Hitler, todas juntas, em um coro uníssono, o humilhando como nunca ninguém foi humilhado, gritando coisas horríveis para que ele sofra, falando como estupraram ambas as suas avós, a materna e a paterna, o socando e o espancando com um cano de ferro, e enfiando o cano de ferro em seu ânus e dizendo que puseram fogo em sua família e a tacaram do alto de um prédio em chamas. Jesus Cristo e todas as pessoas pregando Hitler na Cruz e o fazendo sofrer, o fazendo sofrer por causa de todos nós, o fazendo sofrer para que nós possamos ser felizes, para que possamos, sempre que precisarmos, pensar em Hitler e em seu sofrimento, e possamos, assim, ficar um pouco mais felizes e reconfortados.

IMG_9776

Rafael Sperling nasceu em 1985 no Rio de Janeiro. Estudou composição na UFRJ. Compositor e produtor musical, é autor dos livros Um Homem Burro morreu (2014) e Festa na Usina Nuclear (2011), ambos pela editora Oito e Meio. Suas histórias foram publicadas em jornais, sites e revistas, como a Folha de S. Paulo, Jornal Rascunho, Revista Machado de Assis, e foram traduzidas para o inglês, espanhol, francês, alemão, basco e catalão.
Vale a pena ler primeiro é seção de Outras Palavras dedicada à literatura. Foi criada e é editada por Fabiano Alcântara. Jornalista especializado em cultura, repórter de Música do portal Virgula, e colaborador de diversas publicações – como Valor Econômico e os sites das revistas TRIP e TPM –, Fabiano é também músico, baixista das bandasMercado de Peixe e Lavoura e curador de festivais.Para ler edições anteriores da coluna, clique aqui.
TEXTO-FIM