Doutorado Informal, criar sem depender da Academia

140914-Porvir

Como desenvolver um projeto de aprendizado autônomo e consistente, estabelecendo redes de diálogo e colaboração com quem acredita em conhecimento além dos certificados

Por Alex Bretas Vasconcelos | Imagem: Kiddaikiddee

Kathryn começou a ter coceira nas ideias. Mais especificamente, ela alimentava uma curiosidade cada dia maior em relação a carros esportivos: na verdade, ela queria comprar um Fiero antigo e restaurá-lo das rodas ao teto, um trabalho que pelas contas de Kathryn demoraria uns quatro anos. Argumentos pensados, convenceu os pais a deixarem-na comprar o carro com um dinheiro que ela mesma havia economizado.

Ao longo dos trabalhos de restauração, Kathryn sentiu-se inspirada pelo seu pai, que sempre a acompanhava, e por mensagens que trocava num fórum que reunia entusiastas do Fiero na internet. Dia após dia, ela construía, sujava as mãos, e depois as limpava para ler coisas sobre funilaria, pintura, sistemas elétricos e mecânicos. Como não poderia deixar de ser, conciliava a reforma do automóvel com várias outras atividades, como frequentar a escola, jogar bola e trabalhar como babá.

Depois de algum tempo, os amigos que Kathryn fez no fórum deixaram de somente postar elogios admirados e mensagens de motivação e passaram a perguntá-la seriamente sobre assuntos relacionados à restauração do Fiero. Ela começou a ser reconhecida pelo que aprendia, e isso devido a um projeto autônomo que partiu de um desejo corajoso.

TEXTO-MEIO

Assim como Kathryn, que ousou colocar no mundo a sua curiosidade mais genuína, eu também o fiz. E estou arriscando chamar isso de doutorado informal. Toda essa história começou com o André Gravatá, que passou a utilizar o termo para nomear o projeto de aprendizagem autônomo que criara para si. O doutorado, aquele nível que certifica as pessoas que já podem inovar no mundo acadêmico, quando informal, aponta numa outra direção: todos já carregam consigo a sabedoria e a criatividade necessárias para inovar, e podem fazer isso sem depender da universidade.

Simples, só não é fácil. Yaacov Hetch – educador israelense e estudioso da educação democrática – diz que muita gente acha que a vida das crianças que estudam nas escolas democráticas não requer muito esforço. Elas não têm que se submeter a aulas e disciplinas, mas  precisam sustentar-se num caminho autônomo de aprendizagem, escolhendo o que e como aprender, em interação com o mundo. Yaacov afirma exatamente o oposto do que tantas pessoas acreditam: buscar uma área de interesse, agir e refletir de forma auto coordenada demanda uma enorme reserva de força interior. E é exatamente assim com o doutorando informal: para seguir na espiral de aprendizagem que mais lhe encanta, é preciso empreender-se continuamente.

Olhando para o meu processo, a partir do momento em que tomei a decisão de seguir pelo doutorado informal, mundos se abriram. Criei o Educação Fora da Caixa, um projeto de investigação cujo objetivo é irradiar aprendizagens a respeito de experiências, histórias e autores relacionados à educação de adultos. Duas palavras têm sido guias nessa jornada: curiosidade e autonomia. Assim, a opção de conduzir a pesquisa como um doutorado informal ficou bastante coerente. Compreender um pouco mais esse formato é uma das coisas que quero fazer no livro que será a principal entrega do projeto. À medida que interajo com pessoas que se interessam pela proposta, o doutorado informal vai ganhando alguns contornos.

Até o momento, entendo-o de dois jeitos. O primeiro é o doutorado informal como prática ou abordagem, e o segundo é o seu valor como metáfora. O lado prático tem a ver com como as pessoas que têm começado seus doutorados informais estão fazendo isso. Já estou começando a mapear essas práticas, e muitas possibilidades interessantes têm surgido – mentorias, grupos de diálogo, comunidades de prática, jornadas de aprendizagem, viagens, canais e redes de compartilhamento na internet, imersões, enfim, meios para materializar a intenção de aprender (e vivenciar) algo.As metodologias comumente utilizadas no meio acadêmico também podem servir ao doutorado informal, a questão é não se restringir a elas. Não colocar o método científico nem os resultados da ciência acima de qualquer outro domínio do conhecimento humano é justamente no que Paul Feyerabend, filósofo austríaco, acreditava. O meu entendimento é que o  doutorado informal segue nesse mesmo sentido: os caminhos são múltiplos, assim como as verdades.

O doutorado informal também pode ser visto como uma metáfora. Doutor, no Brasil, até bem pouco tempo eram os engenheiros, médicos e advogados. Em muitos lugares ainda se diz e se acredita nisso, quem “pode” é tratado como doutor. Tião Rocha, educador mineiro, conta que no Vale do Jequitinhonha, norte de Minas Gerais, empoderamento virou “empodimento”. “Ah, então quer dizer que nóis pode?” O doutorado informal surge também para promover empodimentos de aprendizagem: todos podem fazer um doutorado, mas não precisa ser aquele, da universidade, pode ser um que aproveite da sua curiosidade mais viva e emerja da sua realidade, e então, subitamente, aquilo vai fazer sentido pra você. Aqui, vale destacar que o doutorado informal não pretende imitar (nem rivalizar com) o doutorado acadêmico; antes, trata-se de um outro universo que sabe conviver com o mundo das instituições.

Neste novo território que se apresenta, cada um escolhe como vai trilhar seu caminho e como vai entregar os frutos do seu trabalho ao mundo. Pode ser livro, dança, tecnologia, política pública, exposição, metodologia e até mesmo tese.

Mas, quem vai atestar que o resultado obtido pelo meu doutorado informal é bom, ou mesmo válido? Quem vai poder me certificar como especialista no assunto que escolhi?

Augusto de Franco diz que a árvore vai sendo reconhecida pelos seus frutos, e não por um certificado emitido pela corporação dos botânicos. Cada vez mais, o que está em jogo numa contratação, por exemplo, não são os diplomas que uma pessoa possui, e sim a qualidade de seus frutos. Se eu provo e gosto, a árvore é boa e seus frutos são válidos.

Não questiono as razões que levaram ao surgimento das instituições que certificam o ensinamento, mas o que temos vivido hoje aponta para um resgate da nossa liberdade e responsabilidade para valorar produções e pessoas por nós mesmos.

O doutorado informal tem sido cocriado a diversas mãos e a ideia é que continue sendo assim. No dia 4 de agosto, realizamos o primeiro encontro em São Paulo, e a intenção é fazermos mais conversas. Tenho trabalhado no formato dos Círculos de Doutorandos Informais (CDIs), espaços de colaboração que promovem trocas e apoio mútuo para pessoas que já começaram um doutorado informal ou têm uma ideia, questão ou desejo que gostariam de destrinchar de forma autônoma. Também criamos um grupo aberto no Facebook, disponível neste link.

Enquanto nós desenvolvemos, por meio do par reflexão-ação, a ideia do doutorado informal, pessoas como Kathryn já captaram a essência desse caminho mais livre de aprendizagem. Recentemente, ela conseguiu seu primeiro emprego formal e começou a fazer faculdade, mas continua trabalhando firme no seu Fiero. Alguém duvida que ela vai conseguir chegar lá? Eu acredito que ela já chegou. Que tal aprendermos com ela a coçar nossas ideias com vontade, como dizia Rubem Alves?

Para entrar em contato, meu e-mail é [email protected] . Se você tiver qualquer percepção ou comentário sobre o texto e o doutorado informal, por favor, compartilhe comigo!

Para saber mais:

Vídeo que conta a história de Kathryn DiMaria

Educação Fora da Caixa no Catarse

Matéria no Porvir sobre o Educação Fora da Caixa e o doutorado informal

Blog sobre o doutorado informal do André Gravatá

 

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Alex Bretas

Alex Bretas é fundador do projeto Educação Fora da Caixa e investiga o campo da livre aprendizagem, com foco em jovens e adultos. Trabalha com facilitação de processos colaborativos e inovação social.