Auê: entre teatro, música, dança e circo

161129_aue
Com 21 canções inéditas autorais, espetáculo de Duda Maia traz a originalidade de um musical à brasileira, que rompe fronteiras entre expressões artísticas mas mantém lastro na arte popular nordestina

Por Wagner Correa de Araujo | Imagem: Silvana Marques
__
Teatro FAAP
Rua Alagoas 903, Higienópolis, São Paulo, fone (11)3662.7233
Duração: 90 min. Classificação: 12 anos
Em cartaz até 18 de dezembro
__
Navegando em outros mares, descobertos entre as viagens de “Gonzagão – A Lenda” e “Ópera do Malandro”, a Cia. Barca dos Corações Partidos abre sua arca de sonhos musicais na surpresa teatral / coreográfica de AUÊ.

Com vinte e uma canções inéditas autorais, sete atores/cantores/bailarinos provam que ainda há instantes de inusitado presságio pela redescoberta da originalidade de um musical à brasileira.

E que falar de amores à moda antiga, daqueles de “corações partidos”, extravasados entre evocações líricas e repiques bem humorados, é capaz, sim, de provocar incêndios na ocupação dramatúrgica. Ou de arrastar espectadores para viagens pelos espaços siderais da mente.

Quando uma emoção estética, de carisma e empatia, é direcionada numa arrojada proposta cênica. De trajetória sem fronteiras – música / teatro / dança / performance / circo/, no imanente lastro da arte popular nordestina.

TEXTO-MEIO

Mérito de um elenco no seu alcance dos contornos artísticos possibilitados por um inspirado repertório de canções próprias (Adren Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Fábio Henriquez, Eduardo Rios, Renato Luciano, Ricca Barros, mais o músico convidado, Rick de La Torre).

Na envolvência extrovertida de um cancioneiro de serestas, maracatus, baião, cocos, sambas e rocks regionalizados.

Enérgico, tanto no domínio das nuances diferenciais de vozes masculinas (com direito até a brincadeiras com tessituras operísticas), como na visível unidade interpretativa. De instintiva musicalidade, sob um dúplice comando sonoro/arranjos (Alfredo Del Penho/Beto Lemos).

Além do manejo artesanal da diversidade de instrumentos (sopros, percussão e cordas), investindo em posturas reveladoras, a partir de uma intrépida gestualidade coreográfica. Capaz, no seu singular manuseio, de abrir novas perspectivas formais para nossos palcos musicais.

Há que se mencionar, também, a funcionalidade da iluminação (Renato Machado), de contrastes entre claridades e cores. E figurinos, em tecidos de transparente leveza, irradiantes na espontaneidade da performance no referencial circense de uma arena/picadeiro (Kika Lopes).

Num espetáculo de tantos acertos, ao belo desempenho coletivo, há de se juntar a força impulsionadora deste intensivo fluir de atitudes criadoras, a concepção mor de Duda Maia. Que, na sua competência diretora, soube favorecer a liberdade da representação, em favor de uma invenção cênica, surpreendente pela sua luminosidade, exponencial pelo que traz de novo.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Wagner Correa de Araújo

Jornalista especializado em cultura, roteirista, diretor de televisão, crítico de artes cênicas. Dirigiu os documentários "O Grande Circo Místico" e "Balé Teatro Guaíra 30 Anos" . Participou como critico e jurado de festivais de dança e cinema, no Brasil e na Europa.